Ultrapar sofre ataque cibernético e informa que está operando em regime de contingência

LinkedIn

O conglomerado Ultrapar informou que sofreu um ataque cibernético na segunda-feira e que está operando em regime de contingência.

O fato relevante foi feito pela companhia (BOV:UGPA3) nesta terça-feira (12). Veja o Fato Relevante.

A companhia afirmou que “preventivamente interrompeu alguns sistemas” o que afetou “parcialmente” as operações de suas subsidiárias.

A empresa, dona da rede de distribuição de combustíveis Ipiranga, não deu detalhes sobre o ataque ou sobre as operações.

Ultrapar informa que 100% dos sistemas críticos da companhia estão em pleno funcionamento

A Ultrapar afirmou que foi alvo de um ataque “ransomware” em seu ambiente de tecnologia da informação no último dia 11, que interrompeu seus sistemas, afetando parcialmente, por um curto intervalo de tempo, as operações de subsidiárias.

“Neste momento, 100% dos sistemas críticos de informação da companhia e de suas subsidiárias encontram-se em pleno funcionamento”, afirmou o conglomerado em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A companhia já havia informado no dia 12 sobre o ataque hacker, mas sem detalhar.

Nesta segunda-feira, a Ultrapar disse que, de imediato, foram adotadas todas as medidas de segurança e de controle para sanar o ocorrido e, a partir de 14 de janeiro, os sistemas operacionais da empresa e de suas subsidiárias começaram a ser gradualmente restabelecidos.

“Durante as investigações em curso, a companhia identificou cópia não autorizada e divulgação de certos dados e está apurando a quantidade de informações exfiltradas e/ou divulgadas, bem como a existência de impactos sobre seus negócios e terceiros, a fim de adotar as medidas cabíveis.”

Citando a apuração feita até o momento, a Ultrapar afirmou que não espera efeitos relevantes nos seus resultados em decorrência do incidente. “A Ultrapar possui apólice de seguro específica para incidentes cibernéticos, a qual já foi devidamente acionada.”

Lucro líquido de R$ 277 milhões

A empresa revelou em seu balanço que obteve um lucro líquido de R$ 277 milhões, uma redução de 10% quando comparado com o mesmo período do ano anterior. Em relação ao 2T20, o lucro líquido apresentou aumento de R$ 227 milhões.

Em se tratando da receita líquida da companhia, o montante ficou em R$ 21 bilhões no 3T20, o que equivale a 11% menos do que o registrado no mesmo período de 2019. No comparativo com o trimestre anterior deste ano, entretanto, a receita líquida cresceu 31%.

Deixe um comentário