Unilever tem como objetivo treinar até 10 milhões de jovens para trabalhar em estratégia de combate à desigualdade

LinkedIn

A pandemia de coronavírus iluminou e exacerbou as desigualdades sociais, e a gigante dos bens de consumo Unilever (NYSE:UL) afirma que deseja combate-las para ajudar a construir uma sociedade mais justa.

A Unilever também é negociada na B3 através da BDR (BOV:ULEV34).

A Unilever anunciou na quinta-feira (21) uma estratégia sobre como planeja fazer isso, estabelecendo uma lista de compromissos que visam elevar os padrões de vida em sua cadeia de valor, promover a inclusão e preparar as pessoas para o futuro do trabalho.

Alan Jope, CEO da Unilever, disse a Julianna Tatelbaum da CNBC em uma entrevista gravada antes do anúncio, que a empresa pretendia ser uma “força positiva no combate ao problema persistente e cada vez pior da desigualdade social” com sua nova estratégia. Ele acrescentou que esse objetivo “nunca foi mais relevante do que o que vimos com as crises do ano passado – a pandemia, as crises de justiça social e racial”.

Um dos objetivos da lista da Unilever é “ajudar a equipar 10 milhões de jovens com as habilidades essenciais de que precisarão para os tipos de oportunidades de trabalho que surgirão em 2030 e que serão muito diferentes de hoje”, explicou Jope.

A Unilever planeja treinar esse número de jovens até 2030, em parte trabalhando com a plataforma de empregabilidade juvenil LevelUp, dando-lhes acesso a treinamento, voluntariado e experiência de trabalho.

Os jovens foram afetados de forma desproporcional por perdas de emprego e renda, bem como pela interrupção da educação e do treinamento, como resultado da pandemia do coronavírus. Um relatório da Organização Internacional do Trabalho das Nações Unidas em agosto revelou que 42% dos jovens em todo o mundo perderam renda devido à pandemia.

Salários dignos, diversidade e inclusão

Outro dos compromissos da Unilever é garantir que todos os que fornecem bens e serviços diretamente à gigante dos bens de consumo ganhem pelo menos um salário mínimo ou uma renda digna, até 2030. Jope disse que essa meta “garante que milhões de pessoas em todo o mundo tenham um padrão de uma vida que lhes permite alimentar, vestir, abrigar, educar, cuidar da saúde para eles e suas famílias”.

Embora a Unilever já pague a seus funcionários pelo menos um salário mínimo, ela queria estender isso ainda mais para baixo na cadeia de abastecimento, “focando especificamente nos trabalhadores mais vulneráveis ​​da indústria e da agricultura”, disse a empresa em um comunicado na quinta-feira.

Outro relatório da Universidade das Nações Unidas, publicado no ano passado, previu que a pandemia do coronavírus poderia empurrar cerca de meio bilhão de pessoas para a pobreza em todo o mundo.

Junto com sua meta de salário mínimo, a Unilever também planeja “ajudar 5 milhões de pequenas e médias empresas (PMEs) em nossa cadeia de valor de varejo a expandir seus negócios por meio do acesso a habilidades, finanças e tecnologia até 2025.”

Como parte de seus esforços para promover igualdade e inclusão, a Unilever planeja gastar 2 bilhões de euros (R$ 13 bilhões) por ano com fornecedores pertencentes e administrados por pessoas de grupos sub-representados, até 2025.

Esses fornecedores serão PMEs pertencentes e administradas por mulheres, grupos raciais e étnicos sub-representados, pessoas com deficiência e LGBTQI +.

Além disso, a Unilever disse que aumentará a diversidade de pessoas que aparecem e trabalham atrás das câmeras em seus anúncios.

No ano passado, a Unilever também tomou medidas para tornar seus negócios mais sustentáveis, incluindo o uso de dados de geolocalização e imagens de satélite para verificar o desmatamento em sua cadeia de abastecimento.

A Unilever está usando imagens de satélite para verificar se há desmatamento em sua cadeia de abastecimento

Deixe um comentário