Linx: Cade aprova aquisição da companhia pela Stone

LinkedIn

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou sem restrições a aquisição do controle da Linx pela Stone.

O fato relevante foi feito pela empresa (BOV:LINX3) no sábado (20). Confira o comunicado na íntegra.

A Stone atua na prestação de serviços de pagamentos, incluindo o desenvolvimento de estrutura tecnológica para a captura, transmissão e processamento de dados e liquidação de transações de pagamento, entre outros serviços.

A Linx atua principalmente na oferta de software de gestão empresarial, com foco no setor varejista.

Segundo parecer disponível no sistema do Cade, a aquisição de todas as atividades da Linx pela Stone se dará por meio da incorporação de ações.

“Ao analisar o caso, a SG/Cade concluiu que o ato de concentração não apresenta preocupações do ponto de vista concorrencial”.

“Na avaliação da Superintendência, a operação, inclusive, pode possibilitar a criação de serviços e produtos com novas funcionalidades para o consumidor”.

“Pela combinação de conhecimentos e competências tecnológicas das empresas envolvidas no ato de concentração, e até gerar um acirramento da concorrência entre os diversos players do setor”, diz a nota divulgada pelo Cade.

A superintendência do Cade também concluiu, durante a análise da operação, que não há possibilidade de fechamento de mercado em decorrência do negócio.

Em relação aos incentivos ao fechamento de mercado, a superintendência “ponderou que o cenário seria improvável devido aos significativos custos que os clientes da Linx passariam a ter”.

“Caso perdessem ou prejudicassem seu acesso ao maior portfólio de serviços financeiros e bancários ofertados pelos rivais líderes desses mercados, que atuam e possuem elevada participação em diversos elos do mercado”.

O órgão ainda afastou a possibilidade de que o acesso a informações supostamente concorrencialmente sensíveis dos usuários de software de gestão empresarial da Linx, pela Stone, pudessem gerar a capacidade de adoção de práticas anticompetitivas.

“A Superintendência concluiu que, mesmo que seja possível tal acesso, ele pode ter um caráter pró-competitivo”.

“Como observado nas recentes transformações ocorridas no mercado de meios de pagamento, em que o marco regulatório conferido pelo Banco Central proporcionou transparência no acesso a dados de forma mais generalizada, gerando potencial aumento da concorrência”, diz o Cade.

Com a recomendação pela aprovação da operação, se o tribunal do Cade não avocar o ato para análise e não for apresentado recurso de terceiro interessado, em 15 dias, a decisão da superintendência terá caráter terminativo e estará aprovada em definitivo.

Prejuízo líquido de R$ 7,9 milhões, no 3T20

A Linx apresentou prejuízo líquido de R$ 7,9 milhões no terceiro trimestre deste ano, ante perda de R$ 171 mil no mesmo período de 2019.

Os resultados da Linx referente a suas operações do segundo trimestre de 2020, foram divulgados no dia 09/11/2020.

O Ebitda – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – de R$ 44,6 milhões no penúltimo trimestre deste ano, 11,3% acima do Ebitda de R$ 40 milhões de igual intervalo do ano passado.

A margem Ebitda passou de 20,4% para 20,2% entre os dois períodos.

A receita operacional líquida foi de R$ 220,9 milhões no terceiro trimestre deste ano, alta de 12,2% sobre a receita de R$ 196,9 milhões em igual período do ano passado.

(Informações TheCap)

Deixe um comentário