Relatório Payroll: crescimento de empregos nos EUA supera expectativas em fevereiro

LinkedIn

Os empregos nos EUA aumentaram mais do que o esperado em fevereiro em meio à queda de novos casos de COVID-19, acelerando as taxas de vacinação e dinheiro adicional para alívio da pandemia do governo, colocando a recuperação do mercado de trabalho em bases mais firmes e em curso para ganhos adicionais meses à frente.

As folhas de pagamento não-agrícolas aumentaram 379.000 empregos no mês passado, após um aumento de 166.000 em janeiro, disse o Departamento do Trabalho nesta sexta-feira. Em dezembro, a folha de pagamento caiu pela primeira vez em oito meses. Economistas ouvidos pela Reuters previam aumento de 182.000 empregos em fevereiro.

O relatório de emprego, observado de perto, também lembrou que, à medida que os Estados Unidos entram no segundo ano da pandemia do coronavírus, a recuperação continua terrivelmente lenta, com milhões de americanos passando por longos períodos de desemprego e desemprego permanente.

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, ofereceu na quinta-feira uma visão otimista do mercado de trabalho, mas alertou que o retorno ao pleno emprego este ano é “altamente improvável”.

Embora a taxa de desemprego tenha caído de 6,3% em janeiro para 6,2% no mês passado, ela continua a ser subestimada por pessoas que se classificam erroneamente como “empregadas, mas ausentes do trabalho”.

O mercado de trabalho tem demorado a responder à queda nos casos diários de coronavírus e hospitalizações, o que ajudou a impulsionar os gastos do consumidor em janeiro, o que levou os economistas a aumentar drasticamente suas estimativas de crescimento do produto interno bruto para o primeiro trimestre.

Historicamente, o emprego atrasa o crescimento do PIB em cerca de um quarto, mas a recuperação começou em fevereiro, um ano depois que a economia entrou em recessão no início do surto de COVID-19 nos Estados Unidos.

Embora milhões de pessoas estejam desempregadas, as empresas lutam para encontrar trabalhadores, o que contribui para conter o crescimento do emprego. A pandemia está mantendo alguns trabalhadores em casa, relutantes em aceitar ou retornar a empregos que poderiam expô-los ao vírus.

Também afetou de forma desproporcional as mulheres que foram forçadas a abandonar a força de trabalho para cuidar das crianças, visto que muitas escolas permanecem fechadas para o aprendizado pessoal. De acordo com dados do Census Bureau, cerca de 10 milhões de mães que viviam com seus próprios filhos em idade escolar não estavam trabalhando ativamente em janeiro, 1,4 milhão a mais do que no mesmo mês em 2020.

As vagas de emprego são principalmente nas indústrias de alto crescimento que tiveram um bom desempenho durante a pandemia, como tecnologia da informação, engenharia, construção, suporte ao cliente, manufatura e contabilidade e finanças.

O vírus alterou muito o cenário econômico e muitos dos empregos perdidos no setor de serviços provavelmente não retornarão. Dadas as dificuldades de reciclagem, o desemprego estrutural pode representar uma parcela maior do desemprego no futuro próximo. Mas há luz no fim do túnel.

Os economistas acreditam que o mercado de trabalho ganhará força na primavera e no verão, com as vacinações aumentando diariamente, embora o ritmo de declínio nas infecções por COVID-19 tenha diminuído recentemente. Espera-se também um aumento nas contratações com o plano de recuperação de US$ 1,9 trilhão do presidente Joe Biden, que está sendo analisado pelo Congresso.

(Com informações da Reuters)

Deixe um comentário