Confira os Indicadores Econômicos desta quarta-feira (07/04/2021) - Fluxo Cambial, Ata FOMC, Estoques de Petróleo…

LinkedIn

Confira os principais indicadores econômicos desta hoje, em destaque os funcionários do Federal Reserve indicaram em sua última reunião que o ritmo de compras de ativos não deve mudar tão cedo, enquanto o banco central persegue seus objetivos econômicos.

Brasil

  • IGP-DI subiu 2,17% em março acumulando alta de 7,99% no ano

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) subiu 2,17% em março, percentual inferior ao apurado no mês anterior, quando havia registrado taxa de 2,71%. Com este resultado, o índice acumula alta de 7,99% no ano e de 30,63% em 12 meses. Em março de 2020, o índice havia variado 1,64% e acumulava elevação de 7,01% em 12 meses.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) variou 2,59% em março, ante 3,40% em fevereiro. Na análise por estágios de processamento, a taxa do grupo Bens Finais subiu de 1,80% em fevereiro para 2,30% em março. O principal responsável por este avanço foi o subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 0,02% para 1,29%. O índice de Bens Finais (ex), que resulta da exclusão de alimentos in natura e combustíveis para o consumo, subiu 1,52% em março, contra 0,97% em fevereiro.

A taxa do grupo Bens Intermediários passou de 6,60% em fevereiro para 4,04% em março. O principal responsável por alta menos intensa foi o subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa passou de 5,51% para 2,44%. O índice de Bens Intermediários (ex), calculado após a exclusão de combustíveis e lubrificantes para a produção, variou 2,91% em março, ante 5,62% no mês anterior.

  • Produção de veículos cresce 2%, mas vendas caem 5,4%, diz Anfavea

O primeiro trimestre do ano fechou com desempenho negativo nas vendas de autoveículos. As 527,9 mil unidades licenciadas representaram queda de 5,4% sobre o mesmo período de 2020, segundo divulgou nesta quarta-feira (7) a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Mas o que mais preocupa a entidade é a retração de 23% em relação ao último trimestre do ano passado, freando a recuperação que vinha desde a metade do ano. Essa queda era geralmente de 15%, segundo a Anfavea.

A comparação entre março deste ano e do ano passado traz um ligeiro crescimento de 15,7%. A Anfavea lembra que o mercado parou quase por completo na metade de março de 2020 em função do início da pandemia da covid-19.

  • Fluxo cambial total do ano de 2021 até 1º de abril foi positivo em US$ 7,648 bilhões, diz BC

O fluxo cambial total do ano de 2021 até 1º de abril foi positivo em US$ 7,648 bilhões, informou nesta quarta-feira, 7, o Banco Central. No mesmo período de 2020, o resultado havia sido negativo em US$ 12,346 bilhões.

Em 2021 ate 1º de abril, a entrada líquida de dólares pelo canal financeiro foi de US$ 1,287 bilhão. Este resultado é fruto de aportes no valor de US$ 138,299 bilhões e de envios no total de US$ 137,012 bilhões. O segmento reúne investimentos estrangeiros diretos e em carteira, remessas de lucro e pagamento de juros, entre outras operações.

No comércio exterior, o saldo acumulado ficou positivo em US$ 6,361 bilhões, com importações de US$ 51,323 bilhões e exportações de US$ 57,684 bilhões. Nas exportações estão incluídos US$ 7,328 bilhões em Adiantamento de Contrato de Câmbio (ACC), US$ 16,355 bilhões em Pagamento Antecipado (PA) e US$ 34,000 bilhões em outras entradas.

Estados Unidos

  • Déficit comercial dos EUA aumentou 4,8% registrando recorde em fevereiro

O déficit comercial dos Estados Unidos aumentou para um recorde em fevereiro, à medida que a atividade econômica se recuperou mais rapidamente do que os rivais globais do país, e pode permanecer elevada este ano, com forte estímulo fiscal que deve impulsionar o crescimento mais rápido em quase quatro décadas.

O Departamento de Comércio disse nesta quarta-feira que o déficit comercial aumentou 4,8%, para um recorde de US$ 71,1 bilhões em fevereiro. Os analistas consultados previam um déficit de US$ 70,5 bilhões.

Já o saldo negativo da balança comercial de janeiro foi revisado para baixo, de US$ 68,21 bilhões para US$ 67,82 bilhões. As exportações dos EUA caíram 2,6% na comparação mensal de fevereiro, a US$ 187,3 bilhões, e as importações recuaram 0,7%, a US$ 258,3 bilhões.

  • Estoques de petróleo nos EUA caíram em 3,522 milhões de barris

Os estoques de petróleo nos Estados Unidos caíram em 3,522 milhões de barris na semana passada, para 498,313 milhões de unidades, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira pelo Departamento de Energia dos EUA (DoE, na sigla em inglês).

A queda foi maior do que a esperada pelos analistas consultados pelo “The Wall Street Journal”, de um recuo de 1,6 milhão de barris no período.

Os estoques de gasolina, subiram em 4,044 milhões de barris, contrariando a expectativa de queda de 900 mil unidades. Os estoques de gasolina dos EUA totalizaram 234,588 milhões de barris na semana passada.

  • FOMC: autoridades do Fed esperam que demore ‘algum tempo’ antes de começar a endurecer a política

Os funcionários do Federal Reserve indicaram em sua última reunião que o ritmo de compras de ativos não deve mudar tão cedo, enquanto o banco central persegue seus objetivos econômicos.

O Federal Open Market Committee divulgou hoje a ata da reunião de 16 e 17 de março, enquanto os investidores procuravam por indicações sobre o rumo que a política pode tomar no futuro.

O resumo da reunião indicou que, embora as autoridades tenham visto a economia ganhando substancialmente, eles veem muito mais progresso necessário antes de mudanças ultra-fáceis nas políticas.

Os membros disseram que os US$ 120 bilhões por mês em compras de títulos “estavam fornecendo um apoio substancial à economia”.

“Os participantes observaram que provavelmente levará algum tempo até que progressos substanciais em direção às metas de emprego máximo e estabilidade de preços do Comitê sejam realizados e que, de acordo com a orientação baseada em resultados do Comitê, as compras de ativos continuarão pelo menos no ritmo atual até então.”

A adesão à “orientação baseada em resultados” é uma promessa de que o Fed esperará até que a economia mostre “progresso substancial” em direção às metas duplas de pleno emprego e inflação, que gira em torno de 2%.

A orientação é uma mudança na política do Fed, em que anteriormente ajustaria a política em antecipação à inflação. A ata disse que os membros concordaram que as mudanças na política “devem ser baseadas principalmente nos resultados observados, e não nas previsões”

Europa

  • PMI composto da zona do euro subiu para 53,2 em março

O índice de gerentes de compras composto da zona do euro, que engloba os setores industrial e de serviços, subiu de 48,8 em fevereiro para 53,2 em março, atingindo o maior patamar desde julho de 2020, segundo pesquisa final divulgada nesta quarta-feira pela IHS Markit.

O resultado acima de 50 mostra que a atividade no bloco voltou a se expandir no último mês. O número final também ficou acima da leitura prévia de março e da previsão de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, de 52,5.

No mesmo período, o PMI de serviços da zona do euro aumentou de 45,7 para 49,6, também superando a estimativa preliminar, de 48,8.

  • PMI de serviços do Reino Unido subiu de 49,5 em fevereiro para 56,3 em março

O índice de gerentes de compras de serviços do Reino Unido subiu de 49,5 em fevereiro para 56,3 em março, ficando acima da barreira de 50 que indica expansão de atividade pela primeira vez desde outubro de 2020, segundo dados finais divulgados nesta quarta-feira, dia 7, pela IHS Markit em parceria com a CIPS.

O resultado, porém, ficou abaixo da leitura preliminar de março, de 56,8, e da previsão de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, de 57.

Já o PMI composto britânico, que engloba serviços e indústria, aumentou de 49,6 para 56,4 no mesmo período, tocando o maior patamar desde setembro do ano passado. Também neste caso, contudo, a estimativa prévia havia sido maior, de 56,6.

  • PMI composto da Alemanha subiu para 57,3 em março, atingindo o maior patamar em mais de três anos

O índice de gerentes de compras  composto da Alemanha, que engloba os setores de serviços e industrial, subiu de 51,1 em fevereiro para 57,3 em março, atingindo o maior patamar em mais de três anos, segundo pesquisa final divulgada nesta quarta-feira (7) pela IHS Markit.

O resultado acima de 50 não apenas confirmou que a maior economia da Europa está se expandindo em ritmo mais forte, como veio acima da estimativa prévia de março, de 56,8.

Somente o PMI de serviços da Alemanha avançou de 45,7 em fevereiro para 51,5 em março, também superando a leitura preliminar, de 50,8. Ao ultrapassar a barreira de 50, o setor mostrou crescimento pela primeira vez em seis meses.

China

  • Inflação ao produtor (PPI) na China tem alta anual de 4,4% em março, ritmo mais rápido desde julho de 2018

O Índice de Preços ao Produtor (PPI, na sigla em inglês) da China avançou 4,4% em março ante igual mês de 2020, informou o Escritório Nacional de Estatística (NBS, na sigla em inglês) do país. Em fevereiro, o indicador havia registrado alta anual de 1,7%.

Foi a maior alta do PPI desde julho de 2018, quando o indicador havia registrado aumento de 4,6%. O resultado também superou as expectativas de economistas consultados pelo Wall Street Journal, que previam alta de 3,6%.

Na comparação com fevereiro, o PPI avançou 1,6%.
Segundo o NBS, o resultado foi motivado pelo aumento global dos preços de commodities, em especial do petróleo. O aumento da produção da China também impulsionou os preços de produtos da indústria petroquímica.

Deixe um comentário