Vale atualiza informações sobre barragens e atualmente 29 estão com protocolo de emergência

LinkedIn
A Vale atualizou as informações relativas à situação de suas barragens, com base no relatório semestral de inspeção de segurança enviado à Agência Nacional de Mineração (ANM).
O comunicado foi feito pela mineradora (BOV:VALE3) nesta quinta-feira (01). Confira o documento na íntegra.
Das 104 estruturas da companhia inseridas no Sistema Integrado de Gestão de Segurança de Barragens de Mineração (SIGBM), 75 têm Declarações de Condição de Estabilidade (DCEs) positivas, um acréscimo de três estruturas em relação ao mês de fevereiro. As barragens que passaram a contar com DCEs positivas – e tiveram protocolo de emergência retirado – são: Capim Branco, da mina Jangada, em Brumadinho (MG); Menezes II, na mina Córrego do Feijão, também em Brumadinho; e Taquaras, da mina Mar Azul, em Nova Lima (MG).
Não houve elevação do nível de emergência em nenhuma estrutura no último mês. Atualmente a Vale tem 29 barragens de minerais ferrosos sem declaração de estabilidade positiva e com protocolos de emergência ativos. Delas, 19 estão em nível 1, oito em nível 2 e três em nível 3. Todas as 11 estruturas relativas ao negócio de metais básicos da Vale contam com DCEs positivas.
O nível 1 é acionado quando detectada uma anomalia quanto ao estado de conservação ou para qualquer situação com potencial comprometimento de segurança da estrutura, que demande inspeções diárias. O nível 2 é atingido quando uma anomalia é classificada como “não controlada” ou “não extinta” apesar de ações tomadas para isso, necessitando de novas inspeções e intervenções.
Já o nível 3 trata de uma barragem em situação de ruptura iminente ou em curso. Estão em nível 1 as barragens 5, 6, 7A, Área IX, Campo Grande, Dicão Leste, Dique B, Dique Borrachudo II, Dique Paracatu, Forquilha IV, Maravilhas II, Marés I, Marés II, Peneirinha, Santana, Sistema 5 (MAC), Sistema Pontal, e Vargem Grande. As barragens classificadas em nível 2 são Capitão do Mato, Doutor, Forquilha I, Forquilha II, Grupo, Sul Inferior, Xingu, Norte/Laranjeiras. Já as de nível 3, com mais alto risco, são as estruturas B3/B4, Forquilha III e Sul Superior.

Lucro líquido de R$ 24,9 bilhões, revertendo prejuízo de 2019

A mineradora Vale teve lucro líquido de R$ 24,9 bilhões em 2020, revertendo prejuízo de 2019. A receita líquida anual subiu 40,2% em 2020, para R$ 208,5 bilhões.

A mineradora Vale teve lucro líquido de US$ 739 milhões no quarto trimestre do ano passado, ante prejuízo líquido de US$ 1,56 bilhão no mesmo período de 2019, informou a companhia na quinta.

Segundo a empresa, o resultado foi impactado principalmente por maiores despesas relacionadas ao rompimento de barragem em Brumadinho (MG), seguindo o Acordo Global para reparação, em meio a ganhos fortes no segmento de minério de ferro. O Ebitda de minerais ferrosos somou US$ 8,8 bilhões, o segundo maior da história

(Informações Estadão)

Deixe um comentário