Vendas de casas nos Estados Unidos caíram para o mínimo de sete meses em março

LinkedIn

As vendas de casas nos Estados Unidos caíram para o mínimo de sete meses em março, puxadas por uma escassez aguda de propriedades, o que está aumentando os preços e tornando a aquisição de uma casa mais cara para alguns compradores de primeira viagem.

As vendas de casas existentes caíram 3,7% para uma taxa anual ajustada sazonalmente de 6,01 milhões de unidades no mês passado, o nível mais baixo desde agosto de 2020, disse a Associação Nacional de Corretores de Imóveis nesta quinta-feira. As vendas caíram em todas as quatro regiões.

Economistas previam vendas a uma taxa de 6,19 milhões de unidades em março. A segunda queda mensal consecutiva nas vendas foi marcada por uma queda acentuada nos contratos assinados e nos pedidos de empréstimos para aquisição de casa própria em fevereiro.

As vendas de casas existentes, que são contadas no fechamento de um contrato, atrasam as assinaturas em um ou dois meses. Isso significa que parte da queda nas vendas no mês passado foi devido ao clima adverso em fevereiro. As revendas de casas, que respondem pela maior parte das vendas de casas nos Estados Unidos, aumentaram 12,3% na comparação anual, permanecendo bem acima do nível pré-pandemia.

O mercado imobiliário está passando por uma escassez de propriedades disponíveis para venda, devido à forte demanda por acomodações maiores e mais caras, já que a pandemia de COVID-19 forçou milhões de americanos a trabalhar em casa e a escola a ser conduzida remotamente.

Embora as construtoras tenham intensificado a construção de novas residências, elas estão lutando com os preços recordes da madeira serrada, bem como com a escassez de terras e trabalhadores.

O aumento da vacinação COVID-19, que está levando a um reengajamento econômico mais amplo, poderia permitir que mais proprietários colocassem suas casas no mercado. A pandemia, agora em seu segundo ano, provavelmente fez com que alguns americanos atrasassem o downsizing, privando o mercado de estoques muito necessários.

O preço médio da casa existente subiu um recorde de 17,2% de um ano atrás, para uma alta de US$ 329.100 em março. Mas os economistas não acreditam que outra bolha imobiliária esteja se desenvolvendo, observando que o aumento está sendo impulsionado principalmente por um descompasso entre oferta e demanda, ao invés da especulação, que desencadeou a crise financeira global de 2008.

Em março, havia 1,07 milhão de residências próprias no mercado, alta de 3,9% em relação a fevereiro. A oferta caiu 28,2% em relação ao ano anterior. No ritmo de vendas de março, levaria 2,1 meses para esgotar o estoque atual, ante 3,3 meses há um ano.

Uma oferta de seis a sete meses é vista como um equilíbrio saudável entre oferta e demanda. Os compradores de primeira viagem representaram 32% das vendas em março, ante 31% em fevereiro e 34% em março de 2020.

(Com informações TC, Reuters, CNBC)

Deixe um comentário