Carrefour (CRFB3): lucro líquido de R$ 420 milhões, no 1T21, alta de 4,7%

LinkedIn

O lucro líquido ajustado atribuível aos controladores do Carrefour foi de R$ 420 milhões no primeiro trimestre, alta de 4,7%, na base anual. O lucro líquido aos controladores, por sua vez, subiu 154,3% no período e somou R$ 923,0 milhões quando comparado a igual intervalo de 2020, quando registrou R$ 363 milhões no 1T20.

“O Grupo Carrefour Brasil apresentou outro forte desempenho no primeiro trimestre, superando o mercado com crescimento de vendas de dois dígitos em uma base de comparação desafiadora, e apresentando rentabilidade robusta em um ambiente muito desafiador no Brasil. O crescimento bastante sólido tanto no Atacadão quanto no Carrefour Varejo, nas lojas e online, demonstra a força do nosso modelo multiformato e omnicanal, e estamos estimulados pela retomada do crescimento do Banco Carrefour. O trimestre também foi marcado pelo anúncio da aquisição transformacional do Grupo BIG, que fortalecerá ainda mais nosso ecossistema e consolidará nossa posição como varejista líder no Brasil”, disse o presidente da companhia, Noël Prioux, em relatório de resultados do primeiro trimestre.

A receita líquida total aumentou 13,8% no trimestre e alcançou R$ 16,4 bilhões na comparação com o mesmo período do ano anterior.

A empresa afirmou que pretende abrir 45 novas lojas em 2021, incluindo conversões das operações de atacado compradas do grupo Makro, o que deve gerar um crescimento de 10% a 12%.

As vendas líquidas do grupo avançaram 13,8%, enquanto as despesas com vendas, gerais e administrativas tiveram incremento de 7,1% no período.

O ebitda – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização –  ajustado alcançou R$ 1,1 bilhão no primeiro trimestre, 1,3% menor que o visto em igual período de 2020. A margem ebitda ajustada caiu 1,0 ponto percentual (pp) no período, para 6,7%.

Os resultados do Carrefour (BOV:CRFB3) referentes suas operações do primeiro trimestre de 2021 foram divulgados no dia 11/05/2021. Confira o Press Release completo!

Teleconferência

A empresa defendeu a estratégia em teleconferência com analistas.

Segundo o diretor vice-presidente de finanças, Sébastien Durchon: “Na vida real você tem que abrir loja e lá na frente você colhe os resultados e é isso que estamos fazendo. Pode existir um impacto trimestral, mas isso faz parte de uma estratégia de aceleração olhando longo prazo, que vamos manter”,

“Sem as novas lojas de Atacadão, a margem Ebitda seria 0,6 ponto maior no primeiro trimestre”, disse o diretor financeiro. Sendo assim, no atacarejo, o índice passaria de 6,6% de janeiro a março para 7,2%.

Esse quadro geral afeta as linhas de rentabilidade, mas pode trazer nova receita futura. Aberturas ampliam gastos operacionais no curto prazo, o que pode impactar a margem Ebitda, e, sobre a margem bruta, ocorre que nas lojas novas as empresas tendem a implementar políticas de preços mais agressivas após a inauguração.

O resultado final do balanço de Carrefour no trimestre mostra alta no lucro líquido da companhia de R$ 953 milhões, expansão de 124,2%. O aumento refletiu crescimento em “outras receitas”.

Essa linha totalizou R$ 523 milhões no primeiro trimestre, impulsionada pela receita de R$ 495 milhões referente ao valor justo de um empreendimento imobiliário em São Paulo. O lucro líquido dos controladores sem esse efeito de “outras receitas” subiria 4,7%.

As vendas líquidas cresceram 13,8%, para R$ 16,4 bilhões. A receita da empresa já havia sido divulgada ao mercado semanas atrás.

Novas unidades

Serão 45 novas unidades do Atacadão em 2021, incluindo conversões da rede Makro, e esse número deve se manter em 2022. Para o ano que vem, devem sustentar essa projeção as futuras conversões do grupo Big, adquirido neste ano.

A empresa diz que as cerca de 30 conversões de Makro em Atacadão ocorreriam em 12 a 18 meses, mas “pelo bom momento, e para colher mais rápido os investimentos [das inaugurações], foi decidido reduzir muito o prazo”, disse o diretor financeiro a jornalistas nesta tarde.

Foram 11 conversões de Makro das 30 até o momento. E nove aberturas de Atacadão no primeiro trimestre.

Para analistas, Noël Prioux, diretor-executivo do Carrefour Brasil, disse pela manhã que essa aceleração é algo inédito no mundo e isso dará “uma curva de experiência fantástica”.

No varejo, a empresa projeta 15 a 20 inaugurações de lojas de proximidade, que ainda passam por uma revisão no modelo, com possibilidade de surgir novos ajustes, e isso irá transferir as aberturas em maior volume no braço de varejo para 2022.

Projeções

O Carrefour não fez estimativas para 2021 porque espera um ano diferente de 2020, quando a inflação no 2T ajudou a segurar a receita nominal das companhias de varejo alimentar. O Carrefour diz que o volume de vendas em abril foi um pouco maior na comparação com março.

Durchon acredita em uma melhora em renda, e cita que o desemprego parou de subir, assim como a inflação perdeu força, o que pode ser positivo para o volume vendido no ano.

“O auxílio emergencial voltou, mesmo em patamar menor, e já impactou positivamente um pouco a inflação menor já no segundo trimestre”, disse ele.

VISÃO DO MERCADO

XP Investimentos 

A XP Investimentos afirmou que os resultados do primeiro trimestre reportados na noite de ontem pelo Carrefour Brasil ficaram abaixo dos estimados pela corretora e pelo mercado, em decorrência de uma queda de margem bruta mais forte do que as projeções.

O lucro líquido, no entanto, veio bastante acima da estimativa, em R$ 923 milhões (95% acima da projeção da XP) por conta do reconhecimento de uma receita não recorrente com a efetivação da transação do empreendimento imobiliário WTorre e de créditos fiscais.

Agora ajustando esse efeito, o lucro veio abaixo da projeção devido ao resultado operacional mais fraco.

“Esperamos uma reação negativa do mercado uma vez que, apesar da boa performance de vendas já divulgada no dia 19 de abril, o resultado de ontem mostrou uma queda de rentabilidade mais forte do que esperado”, diz o relatório.

Olhando para seus pares, o Atacadão apresentou um crescimento de receita líquida abaixo do Assaí, de 17% ao ano contra 21% ao ano, respectivamente. Já no Carrefour, o crescimento de receita líquida foi bastante acima do GPA Brasil, alta de 5,8% contra queda de 2,9%, respectivamente. Porém, a margem Ebitda do Carrefour ficou bastante abaixo da do GPA Brasil, de 5,5% ante 8,2%.

A corretora, no entanto, afirmou que tem preferência à exposição ao canal de atacarejo pelo Assaí.

XP mantém recomendação neutra com preço alvo de R$ 28,00…

Deixe um comentário