Facebook arrebenta no 2T21, mas alerta para desaceleração significativa do crescimento

LinkedIn

As ações do Facebook (NASDAQ:FB) caíram até 5% nas negociações estendidas na quarta-feira (28), depois que a empresa de mídia social sugeriu que o crescimento da receita diminuísse nos próximos trimestres, mesmo com os resultados do segundo trimestre acima das estimativas.

Resultados:

  • Lucro: US$ 3,61 por ação, ajustado, contra US$ 3,03 por ação esperado pelos analistas, de acordo com a Refinitiv.
  • Receita: US$ 29,08 bilhões, contra US$ 27,89 bilhões esperado por analistas, de acordo com a Refinitiv.
  • Usuários ativos diários (DAUs): 1,91 bilhão, contra 1,91 bilhão esperado pelos analistas, de acordo com StreetAccount.
  • Usuários ativos mensais (MAUs): 2,90 bilhões, contra 2,91 bilhões esperado pelos analistas, de acordo com StreetAccount.
  • Receita média por usuário (ARPU): US$ 10,12, contra US$ 9,66 esperado pelos analistas, de acordo com StreetAccount.

A receita do Facebook cresceu 56% ano a ano no segundo trimestre, de acordo com um comunicado. É o crescimento mais rápido desde 2016, acelerando do crescimento de 48% no trimestre anterior. A empresa apontou um aumento de 47% no preço médio por anúncio, junto com um aumento de 6% no número de anúncios veiculados.

A receita do outro segmento do Facebook, incluindo hardware de consumidor, como fones de ouvido de realidade virtual Oculus, totalizou US$ 497 milhões, um aumento de 36% e menos do que o consenso de US$ 685,5 milhões do StreetAccount.

Com relação à orientação para o segundo semestre do ano, o Facebook disse que espera que “as taxas de crescimento da receita total ano a ano desacelerem significativamente em uma base sequencial à medida que percorremos períodos de crescimento cada vez mais forte”. Isso não mudou em relação à orientação do Facebook três meses antes. Analistas ouvidos pela Refinitiv esperavam US$ 28,22 bilhões em receita para o terceiro trimestre, o que implica um crescimento de 31%.

O Facebook informou no segundo trimestre que tinha 3,51 bilhões de usuários mensais em sua família de aplicativos, ante 3,45 bilhões no primeiro trimestre. Essa métrica é usada para medir a base total de usuários do Facebook em seu aplicativo principal, Instagram, Messenger e WhatsApp.

Nos Estados Unidos e Canadá, onde o Facebook gera mais receita média por usuário do que em outras regiões, a empresa registrou 195 milhões de usuários ativos diários, o mesmo que no primeiro trimestre. Na Europa, a contagem diminuiu sequencialmente para 307 milhões de 309 milhões no primeiro trimestre.

Analistas e acionistas estarão olhando para ver o quanto a atualização do iOS 14.5 da Apple impactou os negócios de publicidade do Facebook. A atualização permite que usuários de iPhone e iPad limitem as empresas a rastrear a atividade de seus dispositivos. Isso torna difícil para empresas como o Facebook segmentar usuários com anúncios personalizados.

O  Snap e o Twitter já superaram os desafios da atualização do iOS 14.5 da Apple, que dá às pessoas mais controle sobre os aplicativos que desejam rastreá-los, sem muitos problemas. Ambas as empresas alertaram que os impactos de longo prazo do iOS 14.5 ainda não foram vistos, mas até agora, os retornos iniciais têm sido promissores.

O Facebook também teve alguns desentendimentos com Washington durante o trimestre. Um tribunal federal indeferiu uma reclamação antitruste da Comissão Federal de Comércio contra a empresa, juntamente com um caso separado movido por 48 procuradores-gerais estaduais. A FTC (Federal Trade Comission) tem até 19 de agosto para mudar sua reclamação, e o grupo de estados disse na quarta-feira que lutará contra a decisão do tribunal.

No entanto, o Facebook ficou sob o escrutínio da administração Biden no início deste mês, quando a administração Biden repreendeu a empresa de mídia social por não fazer o suficiente para combater a desinformação em seus serviços que desencorajam as pessoas a tomar vacinas contra a Covid-19. A certa altura, o presidente Joe Biden disse “eles estão matando pessoas” em relação à desinformação no Facebook.

No fechamento da quarta-feira, as ações do Facebook subiram 37% desde o início do ano. O índice S&P 500 subiu 17% no mesmo período.

O Facebook também é negociado na B3 através da BDR (BOV:FBOK34), a um último preço de R$ 67,55 reais por ação.

Os executivos discutirão os resultados em uma teleconferência a partir das 17 horas, horário do leste dos EUA.

Fontes: CNBC, FX empire, FX Street, Wall Street, Reuters

Deixe um comentário