ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for smarter Negocie de forma mais inteligente, não mais difícil: Libere seu potencial com nosso conjunto de ferramentas e discussões ao vivo.

O mercado não é para amadores

LinkedIn

A businessman using a mobile phone to check stock market data.

 

Foi com a bolsa de estágio que comprei minhas primeiras ações. Tive que operar no mercado fracionado, porque o pagamento não comportava o lote padrão das empresas escolhidas.

O ano era 2017, e nele comprei Suzano e Itaú. Escolhi logo duas ações, porque na faculdade estava estudando sobre os benefícios da diversificação em carteiras de investimentos.

Fiz um pequeno esboço do que chamo hoje de avaliação por múltiplos, comparando o preço/lucro dessas empresas com o das suas concorrentes. Ponderei também a qualidade das suas marcas, tal como percebidas no meu imaginário universitário. A conclusão foi que essas duas estavam baratas.

Vendi ambos os papéis dois anos depois com 71% e 41% de valorização, respectivamente.

Dei sorte.

A realidade é que grandes investidores costumam começar errando. Algo até importante para evitar a soberba, eu diria.

Warren Buffett comprou sua primeira ação aos 11 anos. O Felipe Miranda, aos 14. Ambos perderam dinheiro em suas estreias.

Certamente, essa experiência mostrou a eles que não é trivial ser bem-sucedido ao investir em ações. Aquela resetada no raciocínio que, decerto, os fez dar alguns passos para trás e recomeçar com um processo mais robusto.

E veja que belos retornos os dois mostram até aqui… Buffett, 20% ao ano desde 1965. Miranda, 39% ao ano desde 2015. Cada um depois de uma graduação, um mestrado e um caminhão de leituras paralelas. Sem contar as metodologias de análise que tiveram que aprender no trabalho – já que dificilmente um único curso ensinava tudo que era preciso saber pra ser analista de ações.

Até hoje é difícil haver um curso assim. Eu também aprendi valuation no estágio, aquele que me pagou a bolsa com a qual comprei os papéis.

Mas é justamente essa proeza, de juntar tudo numa preparação única, que o time da Empiricus Educação conseguiu no MBA em Análise de Ações e Finanças.

A primeira aula pode ser acessada aqui, gratuitamente.

Os alunos terão aulas com os analistas da casa e com notáveis gestores de investimento, que, ao nosso convite, integram o time de professores. São grandes nomes do mercado brasileiro, que falarão para os alunos sobre suas filosofias particulares. São mentes próximas a nós, e que pensam de forma ao mesmo tempo parecida e complementar.

Ainda enviaremos para sua casa um pacote de 11 leituras que consideramos essenciais para a formação de uma filosofia investidora de qualidade.

Não vou listar aqui todos os benefícios – nesta primeira aula gratuita, o Felipe conta tudo para você.

O ponto aqui é que o mercado não é para amadores. O mercado de países emergentes então… Não nos esqueçamos de que “moro num país tropical”. As coisas por aqui são mais complicadas, inclusive para os investidores.

Hoje são 900 vagas abertas no mercado financeiro brasileiro, que não estão preenchidas por falta de gente com preparação no assunto. Os mais calejados no ramo sabem que gente qualificada é ouro.

Vai por mim. Estudo, preparação e aprendizado são essenciais – inclusive para a sua carteira de investimentos pessoal.

Você está competindo com agentes de mercado altamente qualificados, inclusive quando você opera do seu home broker.

Acesse esta aula e me conte o que achou. Quero saber sua opinião.

[QUERO ME TORNAR O PRÓXIMO ANALISTA DE AÇÕES]

Um abraço,
Larissa

Deixe um comentário