Chainalysis relata que a África é a terceira economia de Bitcoin que mais cresce no mundo

LinkedIn

A empresa de análise Blockchain Chainalysis relatou que a África viu um mercado de criptomoedas em alta no ano passado. A empresa revelou que o mercado de criptomoedas africano registrou um aumento de 1.200% no valor entre julho de 2020 e junho de 2021. Este aumento foi estimulado pelo comércio ponto a ponto, a adequação da criptomoeda como reserva de valor e seu uso para facilitar as remessas. Os números mais recentes classificam o continente em terceiro lugar entre as economias de crescimento rápido de Bitcoin em todo o mundo.

O relatório, divulgado na terça-feira, também destacou que o volume de transações com países africanos no mesmo período foi de cerca de $105,6 bilhões. Ele revelou ainda que certos países africanos viram altos números na adoção de base da criptomoeda, com Quênia, Nigéria e África do Sul figurando entre os 20 primeiros do Chainalysis Global Crypto Adoption Index.

A África também foi relatada como tendo a maior parcela de transações em escala de varejo, com 7% do total de transações cripto sendo dessa natureza, em comparação com a média global de 5,5%. O comércio P2P tem sido um dos impulsionadores mais significativos do florescente espaço cripto na África, com as duas maiores plataformas de comércio P2P do mundo registrando um crescimento substancial na região durante este período.

O continente se destaca no domínio das transações P2P, superando todos os outros. Do volume total de transações, 1,2% foi atribuído à negociação P2P e um significativo 2,6% de todas as transações Bitcoin são baseadas em P2P.

Os usuários de criptomoedas na África estão migrando para o comércio P2P principalmente devido a restrições governamentais. Muitos bancos na região não permitem que os usuários transfiram dinheiro de suas contas para suas carteiras cripto. No entanto, a descentralização do P2P permite contornar esse obstáculo.

Artur Schaback, o cofundador da Paxful, observou o crescimento de 57% e 300% que sua plataforma teve no ano passado na Nigéria e no Quênia, respectivamente. Adedeji Owonibi, CEO da Convexity, uma empresa nigeriana de soluções de blockchain, disse à Chainalysis como a falta de bancos facilitando as transações em cripto aumentou a popularidade das opções P2P.

Binance costumava ser a plataforma mais popular de longe, mas depois da sanção do banco central, muitos estão mudando para plataformas P2P, como Paxful e Remitano.”

Owonibi apontou ainda que uma parte significativa das transações P2P ocorre em plataformas informais, como aplicativos de mensagens. Isso pode significar que a prevalência de P2P na África pode ser ainda maior do que se pensa.

“O comércio P2P informal é enorme na Nigéria no WhatsApp e no Telegram. Já vi jovens e homens de negócios desses grupos realizarem transações por vários milhões com comerciantes OTC populares.”

Mais governos africanos estão agora tentando entrar no jogo do blockchain, embora antes fossem cautelosos.

Deixe um comentário