Dados da Chainalysis apontam a Europa como o maior mercado de criptomoedas

LinkedIn

Um relatório do Chainalysis divulgado na terça-feira revelou que a Europa possui o maior mercado de criptomoedas. O relatório, com base em dados coletados entre julho de 2020 e junho de 2021, descreveu as regiões Central, Norte e Ocidental da Europa como aquelas cujo surto de crescimento foi impulsionado principalmente pelo aumento de empreendimentos de investidores institucionais no espaço, dando-lhe seus atuais 25% globais Quota de mercado. Os números mostram que, em julho de 2020, havia apenas $1,4 bilhão de investimento institucional, que subiu para expressivos US$ 43,6 bilhões em junho deste ano.

“Um influxo de investimento institucional, sinalizado por grandes transações, impulsionou a maior parte do crescimento, embora a atividade de varejo também tenha aumentado. Talvez o mais interessante seja o status único da CNWE como um centro internacional na economia mundial de criptomoedas”, dizia o blog.

O Reino Unido liderou o crescimento regional com US$ 170 bilhões em transações cripto, das quais cerca de metade do valor (49%) foi obtido através de protocolos de finanças descentralizadas (DeFi). França e Alemanha completaram a lista dos três primeiros, enquanto Holanda e Suíça ocuparam os cinco primeiros lugares, nessa ordem. Para quase todos os países da região, a participação de DeFi na atividade cripto vista foi razoavelmente nivelada.

A Chainalysis elaborou que DeFi foi uma das categorias que contribuíram significativamente para o boom da criptomoeda, já que as plataformas DeFi dominaram as enormes transferências de tamanho institucional.

“Os protocolos DeFi representam três a quatro dos cinco principais serviços na maioria dos meses, com Uniswap, Instadapp e dYdX fazendo aparições frequentes. BinanceCoinbase, enquanto isso, continuam sendo a troca centralizada mais popular.”

Além disso, os investidores institucionais que anteriormente estruturaram seus portfólios em torno da criptomoeda estão agora mudando para o DeFi, uma vez que permite o staking, por meio do qual esses investidores fornecem sua criptomoeda para os protocolos DeFi, que então a emprestam. Os fundos emprestados ganham juros, que são canalizados de volta para o investidor e, assim, a receita é gerada sem necessariamente ter que vender criptomoeda. O staking também tem a vantagem de taxas mais baixas em comparação com as transações tradicionais.

“O uso de protocolos DeFi pode ser considerado análogo a um mercado monetário em finanças convencionais, mas com taxas mais baixas devido à menor necessidade de intermediários humanos, uma vez que os protocolos funcionam de forma autônoma”, explicou Chainalysis.

A região CNWE também foi destacada como a maior contraparte de todas as outras regiões – um importante contribuidor para a cripto liquidez. O maior parceiro da região em transações foi a América do Norte. As outras regiões com as quais se associa são Europa Oriental, Ásia Oriental e Ásia Central e Meridional.

Deixe um comentário