“É necessário permitir que bancos trabalhem com Bitcoin”, diz presidente de agência Federal dos EUA

LinkedIn

Jelena McWilliams, presidente da agência governamental FDIC responsável pela garantia de depósitos bancários, afirmou em entrevista à Reuters que é necessário permitir que bancos entrem no setor de criptomoedas.

A experiência de vida de Jelena é um dos principais motivos da sua posição favorável às criptomoedas e a inovação trazida por elas. Há três décadas atrás ela vivenciou a dificuldade de realizar transferências internacionais, ainda muito precárias nos dias de hoje.

Segundo Jelena, esta evolução de envios e pagamentos ocorrerá com ou sem a ajuda de bancos e governos. Agora o Estado precisa decidir se quer ter algum controle, e lucro, sobre isso ou então deixar que empresas possam explorar este nicho.

A história de Jelena McWilliams

Em discurso durante o Money 20/20, maior evento global de fintech, Jelena contou um pouco de sua história e os motivos pelos quais é necessário que leis governamentais deixem o setor aberto para inovações.

Jelena conta que nasceu na Iugoslávia e imigrou para os EUA há trinta anos atrás com apenas 500 dólares no bolso, precisando trabalhar em vários empregos, vendendo carros e facas, bem como limpando casas e pegando horários alternativos em uma locadora de filmes.

Parte do dinheiro ganho era então enviado para sua família na Iugoslávia, que passava por um período de hiperinflação. A atual presidente da FDIC explica que enviar dinheiro naquela época era difícil e além disso muitas vezes o dinheiro era roubado no caminho.

Por conta de sua história, Jelena acredita que o governo americano não deve criar leis que proíbam a inovação do setor de criptomoedas. Afinal hoje enviar Bitcoin para outros países é a forma mais barata e rápida para realizar remessas internacionais.

Com ou sem bancos, está acontecendo

Em entrevista a Reuters nesta terça-feira, Jelena defendeu que o governo precisa permitir que bancos trabalhem com Bitcoin. Afirmando que essa inovação vai acontecer com ou sem eles, e da segunda forma o governo não terá controle nenhum.

“Se não trouxermos essa atividade para dentro dos bancos, ela vai se desenvolver fora dos bancos. Os reguladores federais não serão capazes de regulá-la.”

Dando sequência, ela explicou que é necessário oferecer um caminho para que bancos possam fazer a custódia de criptomoedas, bem como usá-las até mesmo como forma de garantia.

Hoje mais da metade dos maiores bancos já estão expostos a criptomoedas de alguma forma, e esta porcentagem é ainda maior se excluirmos os bancos chineses da equação. Fornecer uma clareza regulatória permitirá que eles ofereçam mais opções a seus clientes, bem como melhorarão seus serviços devido a competição.

Por Henrique Kalashnikov

Deixe um comentário