O ETF de futuros de bitcoin sobe na estreia na NYSE

LinkedIn

As ações do primeiro fundo negociado em bolsa vinculado ao bitcoin nos Estados Unidos subiram ligeiramente em sua estreia na terça-feira (19).

O ETF ProShares Bitcoin Strategy, ticker ‘BITO’, teve uma alta de cerca de 3% por volta das 10h40 (horário de Brasília). O fundo rastreia os futuros do bitcoin da CME, ou contratos especulando sobre o preço futuro do bitcoin, em vez da própria criptomoeda. Destina-se a permitir que os participantes do mercado tenham acesso ao mercado bitcoin e proteção e exposição direta ao preço do bitcoin.

Isso significa que os investidores no ETF devem esperar que o preço e o desempenho das ações sejam um pouco diferentes do preço do bitcoin em si. Isso não é ideal para investidores existentes; muitos deles têm uma visão de longo prazo das criptomoedas e esperavam um ETF que rastreasse o bitcoin físico que os investidores pudessem comprar e manter.

O preço do bitcoin estava ligeiramente mais alto na manhã de terça-feira, adicionando 2% a cerca de US$ 62.864, aproximando-se de seu maior recorde de 64.899 em 14 de abril. Os futuros do Bitcoin também subiram cerca de 2%.

“O fundo procura proporcionar uma valorização do capital principalmente através da exposição gerida a contratos futuros de bitcoin. O fundo não investe diretamente em bitcoin”, afirma o site do ProShares sobre o fundo. O fundo tem um índice de despesas de 0,95%.

ProShares é o oitavo maior provedor de ETF por ativos, de acordo com ETDB.com. A empresa é conhecida por seus fundos que usam a alavancagem para rastrear movimentos em certos índices multiplicados por um determinado montante. Os executivos da ProShares tocaram o sino de abertura da NYSE, onde o ETF vai negociar.

A indústria de criptografia anseia por um ETF relacionado ao bitcoin há muitos anos. Por volta de 2017, os gestores de ativos começaram a se inscrever para lançar ETFs de bitcoin à vista, mas suas propostas foram rejeitadas pela Securities and Exchange Commission, que sustentou que nenhuma era capaz de provar a resistência do mercado à manipulação. A onda de pedidos de ETFs baseados em futuros veio este ano, logo depois que o presidente Gary Gensler assumiu o comando da agência.

“O que você tem aqui é um produto supervisionado há quatro anos pelo regulador federal dos EUA CFTC, e que está sendo embalado dentro de algo dentro de nossa jurisdição chamado Investment Company Act de 1940, então temos alguma capacidade de trazê-lo para dentro da proteção”, disse Gensler ao programa ‘Squawk on the Street’ da CNBC na terça-feira. “Ainda é uma classe de ativos altamente especulativa e os ouvintes devem entender que, por baixo disso, ainda tem o mesmo aspecto de volatilidade e especulação”.

Alguns argumentam que o impacto de um ETF, principalmente vinculado a contratos futuros, é atenuado pela adoção de criptomoedas por empresas e fintechs. Os investidores têm muitas maneiras de obter exposição indireta ao bitcoin sem realmente possuí-lo, por meio de fundos de nível institucional, aplicativos financeiros como PayPal e CashApp da Square ou ações relacionadas a criptomoedas como Coinbase e ações de mineração.

(Com CNBC)

Deixe um comentário