Santander (SANB11): lucro líquido gerencial de R$ 4,340 bilhões, alta de 12,5%

LinkedIn

O Santander Brasil teve lucro líquido gerencial de R$ 4,340 bilhões no terceiro trimestre de 2021, alta de 12,5% em um ano e de 4,1% em um trimestre.

A margem financeira líquida atingiu R$ 10,9 bilhões no 3T21, aumento de 17,6% na comparação ano a ano.

A carteira de crédito ampliada, que inclui outras operações com risco de crédito e avais e fianças, atingiu R$ 526,488 bilhões, incremento de 13,1% em 12 meses (ou 13,3% desconsiderando o efeito da variação cambial). Em relação a junho, avançou 3,2%.

Os ativos totais atingiram R$ 970.041 milhões em setembro de 2021, queda de 1,2% no ano e aumento de 3,1%, quando comparado ao segundo trimestre de 2021. No ano a diminuição foi impactada pela queda na carteira de câmbio e no trimestre pelo aumento em função da variação positiva em TVM e outros créditos.

A carteira de pessoas físicas, que é a mais relevante para o Santander, cresceu 5,5% no trimestre e 21,3% em 12 meses, para R$ 200,157 bilhões no fim de setembro. O segmento foi impulsionado pelas linhas de crédito imobiliário (alta anual de 26,1%, a R$ 51,584 bilhões), crédito rural (alta de 25,0%, a R$ 9,344 bilhões) e leasing/veículos (alta de 25,0%, a R$ 4,262 bilhões). A carteira PJ subiu 7,2% em um ano, mas recuou 0,5% em um trimestre.

O patrimônio líquido atingiu R$ 78.830 milhões em setembro de 2021 ou R$ 77.608 milhões, desconsiderando o saldo do ágio. O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) foi de 22,4%, maior patamar histórico.

A inadimplência, medida por atrasos acima de 90 dias, foi de 2,4%, alta de 0,2 ponto porcentual em um trimestre, e de 0,4 ponto no espaço de um ano. Segundo o Santander, a alta pode ser atribuída ao crescimento da carteira de crédito e às mudanças no mix de produtos. A inadimplência de pessoas físicas subiu de 3,2% para 3,3% entre o segundo e o terceiro trimestres, e a inadimplência de pessoas jurídicas, de 1,1% para 1,3%.

No indicador de atrasos entre 15 e 90 dias, a inadimplência foi de 3,3% para 3,4% entre o segundo e o terceiro trimestre. Entre os clientes pessoa física, subiu de 4,8% para 5,0%. Entre empresas, caiu de 1,5% para 1,2%.

Provisões

O resultado das provisões de créditos de liquidação duvidosa, as chamadas PDDs, ficou em R$ 3,676 bilhões no terceiro trimestre deste ano, um aumento de 26,1% em 12 meses, atribuído pelo banco aos maiores volumes de crédito e também aos produtos. Em relação ao segundo trimestre, o acréscimo foi de 10,6%.

No trimestre, as despesas com provisões foram de R$ 4,798 bilhões, e a receita de recuperação de créditos baixados como prejuízo, de R$ 1,122 bilhão.

Os resultados do Santander (BOV:SANB3) (BOV:SANB4) (BOV:SANB11) referente a suas operações do terceiro trimestre de 2021, foram divulgados no dia 26/10/2021. Confira a apresentação oficial dos resultados!

* Com informações da ADVFN, RI das empresas, Valor, Infomoney, Estadão, Reuters

Deixe um comentário