Biden está preparado para liberar ainda mais reservas de petróleo para esfriar os mercados

LinkedIn

A administração do presidente Joe Biden está pronta para liberar ainda mais barris de petróleo de suas reservas estratégicas caso a necessidade surja novamente, de acordo com o assessor sênior do Departamento de Estado dos EUA para segurança energética global.

“Absolutamente. Esta é uma ferramenta que estava disponível para nós e estará disponível novamente”, disse Amos Hochstein na segunda-feira (29).

Seus comentários foram feitos enquanto analistas de energia avaliam a eficácia de uma promessa liderada pelos EUA de liberar milhões de barris de petróleo de reservas estratégicas depois que os produtores da OPEP + resistiram aos apelos para bombear mais para ajudar a esfriar o mercado.

“Lembre-se, este não foi um lançamento de 50 milhões de barris, 30 milhões de barris foram uma bolsa onde as empresas e comerciantes podem pegar o petróleo agora e devolvê-lo dentro de um período de tempo programado. Isso significa que a Reserva Estratégica de Petróleo será reabastecida”, disse Hochstein.

“E, portanto, temos mais flexibilidade para poder fazer isso novamente no futuro, se houver necessidade. Acho que queríamos fazer algo que fosse impactante para o mercado e que também tivesse a capacidade e a flexibilidade para nos permitir fazer isso novamente, caso fosse necessário para a economia americana”.

No primeiro movimento desse tipo, Biden anunciou em 23 de novembro o lançamento coordenado de petróleo entre os EUA, Índia, China, Japão, Coreia do Sul e Reino Unido.

Segundo o plano, os EUA devem liberar 50 milhões de barris da Reserva Estratégica de Petróleo. Desse total, 32 milhões de barris serão uma troca nos próximos meses, enquanto 18 milhões de barris serão uma aceleração de uma venda previamente autorizada.

A OPEP e os produtores não-OPEP aliados, um grupo influente conhecido como OPEP +, têm ignorado repetidamente a pressão dos EUA para aumentar a oferta de petróleo bruto para impedir a alta dos preços dos combustíveis.

Liderado pelo chefe da Opep, a Arábia Saudita, e pela Rússia, não pertencente à Opep, o grupo se reunirá novamente na quinta-feira para discutir a próxima fase da política de produção.

Há poucos sinais de que o grupo pretende mudar o rumo de seu plano de produção atual.

Os futuros do petróleo Brent benchmark internacional foram negociados a US$ 74,60 o barril na segunda-feira, alta de mais de 2,5% na sessão, enquanto os futuros do US West Texas Intermediate ficaram em US$ 70,62, cerca de 3,6% acima.

Vários países anunciaram restrições de viagens na sexta-feira com notícias da variante ômicron recém-identificada. Isso levou alguns participantes do mercado de energia a temer um retorno das proibições de viagens, o que poderia enfraquecer a demanda por combustível.

Analistas acreditam que a recuperação dos preços do petróleo na segunda-feira mostra que a queda da semana passada pode ter sido exagerada, embora ainda não esteja claro como a demanda será afetada.

A Organização Mundial da Saúde reconheceu a cepa de Covid-19 recém-identificada, inicialmente referida como linhagem B.1.1.529, como uma ‘variante de preocupação’. A OMS disse na segunda-feira que o omicron representa um risco global ″muito alto”, embora um médico sul-africano tenha descrito os sintomas identificados até agora como “extremamente leves”.

A agência de saúde da ONU disse que levará semanas para entender como a variante pode afetar o diagnóstico, a terapêutica e as vacinas.

Fontes: CNBC, WSJ, FX empire, FX Street, Reuters, The Street, TipRanks

Deixe um comentário