Dólar fecha com alta, embalado por aparente recuperação econômica dos EUA e as habituais incertezas fiscais no Brasil

LinkedIn

O dólar comercial fechou em R$ 5,6080, com alta de 0,25%. Mesmo perdendo fôlego no final, a moeda norte-americana mostrou grande força durante toda a sessão, embalada pela aparente recuperação econômica dos Estados Unidos e as já habituais incertezas fiscais no Brasil.

Para o analista da Levante Investimentos, Enrico Cozzolino, “o petróleo valorizado impacta diretamente no dólar, além de mostrar um sinal de retomada econômica dos países desenvolvidos, capitaneados pelos Estados Unidos. A inflação que estas economias apresentam é ligada a este movimento de recuperação, o que torna mais fácil de controlá-las”.

Já no aspecto interno, Cozzolino acredita que a situação política e econômica não permite um cenário favorável ao real: “Isso aumenta o risco país, aumentando a insegurança fiscal”, observa.

De acordo com o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno, “as moedas emergentes estão recuando e o real indo na esteira”. Ele faz menção especial à lira turca, que voltou a ter forte depreciação e gera temor com uma crise futura.

Rostagno acredita que a continuidade do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, afasta as incertezas sobre uma postura mais dovish (menos propensa ao aumento de juros) da diretora do Fed, Lael Brainard, que era cotada para substituir o atual presidente, mas pondera: “Embora exista uma pressão da ala hawkish (mais propensa ao aumento de juros) para o aumento dos juros, isso não deve ocorrer antes do segundo trimestre do próximo ano”, pontua.

No cenário doméstico, o Indice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), que subiu 0,96% na terceira quadrissemana de novembro, também aumenta as expectativas pelo Indice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que será divulgado na próxima semana: “Isso pode apontar para um aumento maior da Selic (taxa básica de juros) maior do que o previsto”, opina Rostagno.

Para o economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, “lá fora está bem dividido, com as moedas emergentes sem um rumo claro, o que impacta aqui”.

Vieira, porém, não acredita que o Fed irá aumentar os juros tão cedo: “Não acho que este aumento de juros irá ocorrer antes do final do próximo ano, mesmo com o Powell ouvindo mais os outros membros do que antes”, pontua.

Já no âmbito doméstico, Vieira acredita que o mercado está em compasso de espera com a PEC dos Precatórios, mas que agora ela dá sinais positivos: “Passar na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) é bem visto pois pode destravar a pauta e parar de gerar incertezas”, analisa.

Data Compra Venda Variação Variação
03/11/2021  5,5887 5,5897 -1,416% -0,0803
05/11/2021 5,5222 5,5227 -1,488% -0,0834
08/11/2021 5,54 5,541 0,331% 0,0183
09/11/2021 5,4943 5,4948 -0,834% -0,0462
10/11/2021 5,4996 5,5001 0,097% 0,0053
11/11/2021 5,4037 5,4042 -1,744% -0,0959
12/11/2021 5,4564 5,4569 0,975% 0,0527
16/11/2021 5,4992 5,4997 0,784% 0,0428
17/11/2021 5,5237 5,5242 0,446% 0,0245
18/11/2021 5,5694 5,5699 0,827% 0,0457
19/11/2021 5,6084 5,6089 0,7% 0,039
22/11/2021 5,5931 5,5936 -0,273% -0,0153
23/11/2021 5,6082 5,6087 0,27% 0,0151

💵 Está pensando em viajar? Faça a conversão de moedas gratuitamente!

🇧🇷 – US$ 1 = R$ 5,60

🇪🇺 – US$ 1 = €$ 0,88

🇬🇧 – US$ 1 = £$ 0,74

Gráficos GRATUITOS na br.advfn.com

(Com informações da TC, UOl e Agencia CMA)

Deixe um comentário