O CEO da Pfizer está confiante de que a pílula para Covid-19 será eficaz contra a variante ômicron

LinkedIn

O CEO da Pfizer (NYSE:PFE), Albert Bourla, disse na segunda-feira (29) que espera que a pílula de tratamento contra a Covid-19 da empresa seja eficaz contra a variante ômicron.

“A boa notícia quando se trata de nosso tratamento é que ele foi projetado com isso em mente, com o fato de que a maioria das mutações vem nos picos”, disse Bourla ao “Squawk Box” da CNBC. “Isso me dá um alto nível de confiança de que o tratamento não será afetado, nosso tratamento oral não será afetado por este vírus”.

A Pfizer (BOV:PFIZ34) apresentou seu pedido no início deste mês à Food and Drug Administration para autorizar a pílula, Paxlovid, para uso de emergência. Em um ensaio clínico com pessoas com 18 anos ou mais, a Pfizer descobriu que a pílula reduz a hospitalização e a morte em 89% quando tomada com um medicamento amplamente utilizado para o HIV dentro de três dias do início dos sintomas.

A pílula bloqueia uma enzima que o vírus precisa se replicar. É usado em combinação com o ritonavir para o HIV, que retarda o metabolismo humano para permitir que o Paxlovid permaneça ativo no corpo por mais tempo em uma concentração mais elevada para combater o vírus.

Segundo a CNBC, Bourla disse que a Pfizer agora espera fabricar 80 milhões de pílulas, um aumento em relação à meta original de 50 milhões. O governo Biden já comprou 10 milhões Paxlovids em um negócio de US$ 5 bilhões.

A Organização Mundial da Saúde, em um artigo técnico publicado no domingo, alertou que a variante ômicron representa um risco global “muito alto” com uma grande probabilidade de transmissão posterior. A variante tem mais de 30 mutações na proteína spike que se liga às células humanas. Algumas das mutações estão associadas a maior transmissão e diminuição da proteção de anticorpos, de acordo com a OMS.

Enquanto Bourla estava otimista sobre a eficácia do Paxlovid, ele disse que o impacto da ômicron na vacina de duas doses da empresa ainda está para ser divulgado.

“Não acho que o resultado será que as vacinas não protegem”, disse Bourla. “Acho que o resultado pode ser, o que ainda não sabemos, é que as vacinas protegem menos”.

Bourla disse que a Pfizer já começou a trabalhar para fabricar uma nova vacina, se necessário. A empresa fez seu primeiro modelo de DNA na sexta-feira, disse ele, a primeira etapa do processo de desenvolvimento.

“Deixamos claro várias vezes que poderíamos ter a vacina em menos de 100 dias”, disse Bourla. Ele observou que a empresa foi capaz de criar vacinas para as variantes beta e delta rapidamente, embora elas não fossem usadas porque as vacinas originais permaneceram eficazes.

Fontes: CNBC, WSJ, FX empire, FX Street, Reuters, The Street, TipRanks

Deixe um comentário