Huawei entra na corrida de veículos elétricos na China competindo com a Tesla

LinkedIn

PEQUIM – Menos de uma semana após a startup de carros elétricos chinesa Nio (NYSE:NIO) anunciar seu mais recente concorrente para a Tesla, a Huawei divulgou detalhes sobre um veículo com especificações que afirma vencer o Modelo Y.

A gigante chinesa da tecnologia Huawei é mais conhecida por seus produtos de telecomunicações e smartphones, e afirma que não fará carros por conta própria. Mas tem trabalhado com montadoras em tecnologia automotiva, como direção autônoma.

O primeiro carro com o sistema operacional HarmonyOS da Huawei será o Aito M5, um carro que funciona com eletricidade e combustível, disse Richard Yu, diretor executivo e CEO do grupo de negócios de consumo da Huawei, na quinta-feira no evento de lançamento de produtos de inverno da empresa.

As entregas estão programadas para começar em torno de 20 de fevereiro após o Ano Novo Lunar, disse Yu, que também é CEO da unidade de soluções de negócios automotivos inteligentes da Huawei.

Os preços pós-subsídio para o Aito M5 começam em 250.000 yuans (US$ 39.063). Isso é mais baixo do que o Modelo Y de Tesla, que começa em 280.752 yuans após os subsídios.

No sábado, a Nio revelou que as entregas de seu sedã elétrico ET5 seriam em setembro com um preço inicial de 328.000 yuans (US$ 51.250) de pré-subsídio. O sedã ET7 de Nio, com entrega prevista para março, tem preço inicial de 448 mil yuans.

Yu afirmou em sua apresentação de uma hora que o Aito M5 oferece potência de pico e alcance de condução melhores do que o Modelo Y. No entanto, ao contrário dos carros de Tesla, o Aito M5 não é puramente movido a eletricidade, pois tem um tanque de combustível para estender o alcance de condução quando a bateria fica sem carga.

O startup Li Auto apresenta um recurso semelhante de extensão de alcance movido a combustível para seu Li One, o último modelo que apresenta um preço de 338.000 yuans, sem subsídios.

Algumas das inúmeras outras características que Yu descreveu incluíam vidro à prova de som de camada dupla.

“Você saberá se é premium ou não pelo som”, disse Yu por meio da tradução da empresa para o inglês de seus comentários em mandarim. “Somos capazes de oferecer a experiência de qualidade de ‘grau de biblioteca’”.

Próprio sistema operacional da Huawei

O Aito M5 é o primeiro modelo da marca Aito, que significa “adicionar inteligência ao automóvel”. É parte da montadora Seres, cujos carros já incorporaram componentes da Huawei, mas não o design, disse Yu.

A Seres, também conhecida como SF Motors, é uma subsidiária do Vale do Silício da fabricante de automóveis Sokon com sede em Chongqing, de acordo com o site da controladora. A Seres afirma em seu site que está “posicionada para construir e vender de forma independente em dois dos maiores mercados do mundo, os Estados Unidos e a China”.

A integração do HarmonyOS com o novo carro Seres na China é significativa, já que muitas startups de carros elétricos estão tentando vender a ideia de que os automóveis passarão a se assemelhar ao papel dos smartphones na vida dos consumidores. Cada um dos carros elétricos vem com uma tela sensível ao toque para ajustar as funções do carro e ouvir música ou assistir a filmes.

Um dos relógios inteligentes da Huawei também pode ser usado como chave do carro para o Aito M5.

A Huawei lançou o HarmonyOS em 2019 depois que a administração do ex-presidente Donald Trump colocou a empresa em uma lista negra que restringia as empresas americanas de vender tecnologia para a empresa chinesa, alegando preocupações com a segurança nacional. A Huawei negou que seja uma ameaça.

Mas a lista negra isolou a Huawei do sistema operacional Android, do Google. A Huawei começou a trabalhar no HarmonyOS em 2016.

Yu abriu e fechou o evento de quinta-feira com a mesma descrição da empresa como uma sobrevivente. A apresentação sobre o carro ocupou a última hora de um evento de 2,5 horas que anunciou um smartphone dobrável, um novo laptop e óculos inteligentes graduados.

“Muitas rodadas de sanções nos últimos três anos nos fizeram mergulhar no inverno mais longo, porque nenhum inverno dura mais que três anos”, disse ele. “Apesar das grandes dificuldades, recebemos forte apoio de consumidores e parceiros em todo o mundo.”

Deixe um comentário