Boeing (BA, BOEI34) tem prejuízo de US$ 7,69 por ação mas gerou fluxo de caixa positivo no 4T21

LinkedIn

A Boeing (NYSE:BA) teve uma cobrança antes de impostos de US$ 3,5 bilhões por seus 787 Dreamliners depois que problemas de produção impediram a empresa de entregar os aviões às companhias aéreas durante a maior parte dos últimos 15 meses.

A empresa, no entanto, disse na quarta-feira (26) que gerou fluxo de caixa positivo no quarto trimestre, atingindo esse marco importante antes do previsto pelos executivos da Boeing. Foi impulsionado por um salto nas entregas no ano passado de seu 737 Max, depois que os reguladores suspenderam as proibições dos jatos após dois acidentes fatais.

Veja como a empresa se saiu em comparação com as estimativas dos analistas consultados pela Refinitiv:

  • Lucro por ação (EPS): prejuízo de US$ 7,69 por ação versus prejuízo de US$ 0,42 centavos por ação esperado.
  • Receita: US$ 14,79 bilhões contra US$ 16,59 bilhões esperados pelos analistas.

No ano, a Boeing registrou sua terceira perda anual consecutiva, pois os problemas de pandemia e produção continuaram prejudicando seus resultados.

“2021 foi um ano importante de reconstrução para nós e, juntos, superamos obstáculos significativos”, disse o CEO David Calhoun em nota aos funcionários na quarta-feira. “Embora tenhamos mais trabalho a fazer, estou confiante de que estamos bem posicionados para acelerar nosso progresso em 2022 e além”.

As ações da Boeing subiram mais de 1% nas negociações de pré-mercado depois que a empresa divulgou os resultados.

A Boeing também é negociada na B3 através do ticker (BOV:BOEI34).

As vendas e entregas de aeronaves da Boeing aumentaram no ano passado, mas as entregas de novos aviões para as companhias aéreas ainda ficaram atrás da rival Airbus.

A Boeing foi prejudicada pela pausa nas entregas de seu avião 787 Dreamliner durante grande parte do ano passado devido a uma série de falhas de fabricação, desafiando clientes como American Airlines e Hawaiian Airlines.

A American disse no mês passado que reduziria sua programação internacional por causa dos atrasos nas entregas dos 787. O CFO da transportadora, Derek Kerr, disse em uma teleconferência de resultados na semana passada que a Boeing já estava pagando multas pelos atrasos e “nos compensará pelas perdas” se houver atrasos adicionais.

Calhoun disse que espera que o pior esteja para trás do setor de aviação depois que a pandemia devastou a demanda por viagens. Executivos de companhias aéreas disseram no início de janeiro que esperam que a demanda por viagens internacionais se recupere nesta primavera e no verão, depois que as restrições de viagens foram suspensas nos últimos meses.

A General Electric, fornecedora da Boeing e da Airbus, previu na terça-feira um aumento de 20% na receita este ano em sua principal unidade de aviação, que produz e repara motores de aeronaves.

A empresa realizará uma ligação às 12h30 (horário de Brasília) com analistas, quando os executivos provavelmente serão questionados sobre seu ritmo de produção, problemas na cadeia de suprimentos e possíveis impactos na empresa devido às crescentes tensões sobre a Ucrânia.

Fontes: CNBC, WSJ, FX empire, FX Street, Reuters, The Street, TipRanks

Deixe um comentário