Braskem: oferta de ações tem inovação que sinaliza que as vendas de papéis não vão parar agora

LinkedIn

A oferta de ações da Braskem, que pode render R$ 8 bilhões para a Petrobras e a Novonor, tem uma inovação que sinaliza que as vendas de papéis não vão parar agora.

O comunicado foi feito pela companhia (BOV:BRKM5) nesta terça-feira (18).

O “registro de prateleira”, mecanismo ainda raro entre empresas brasileiras, mas comum nos Estados Unidos, agiliza futuras ofertas, permitindo uma nova operação apenas com o registro de informações suplementares. Analistas da XP lembram que a Petrobras ainda detém 212,4 milhões de ações ordinárias (ON, com direito a voto) da companhia.

O “registro de prateleira” (shelf registration) foi usado por poucas empresas no Brasil até agora. Petrobras, Vale e Suzano estão entre as que utilizaram o mecanismo nos últimos anos. No caso da Braskem, primeiro foi protocolado na Securities and Exchange Commission (SEC, que regula o mercado acionário americano), esse registro, que é um prospecto genérico de 40 páginas, falando da empresa. Em seguida, entrou o prospecto da operação atual, que terá oferta de ações no Brasil e no mercado americano, com precificação dos papéis marcada para o próximo dia 27.

As apresentações para investidores (roadshows), locais e internacionais, começaram na sexta-feira (14) e vão até o dia 27. Nessa primeira oferta pública, serão vendidas até 154,9 milhões de ações preferenciais da série A, sem lotes extras. Petrobras e Novonor (ou seus credores) manterão o controle da petroquímica neste primeiro momento. Mas, como o Broadcast já revelou, a própria Petrobras sinalizou a intenção de vender toda a fatia na petroquímica.

João Zuñeda, sócio fundador da consultoria MaxiQuim, especializada no setor químico, diz que se surpreende com a rapidez com que a operação está sendo realizada. Na sua avaliação, os controladores aproveitam o bom momento financeiro da Braskem, após os excelentes resultados de 2021, para vender os papéis. Segundo ele, Novonor e Petrobras (BOV:PETR3) (BOV:PETR4) também se blindam de um ano difícil que vem pela frente, “com as eleições e o histerismo do mercado financeiro” em relação a um novo governo, para vender o papel na alta.

Nova tranche

“Quando se vende uma empresa para um ou dois interessados usa-se o valuation. Nesse caso, o comprador coloca algumas contingências para tentar baixar o valor da empresa, enquanto o vendedor, na outra ponta, mostra as oportunidades como tentativa de elevar o preço. Agora, a Braskem será vendida no mercado e começa com essas ofertas públicas a testar qual o preço para a venda. Por isso, podemos esperar mais de uma tranche”, afirma Zuñeda.

A forma como as ações serão vendidas, apenas como uma parcela pequena para a pessoa física, chamou a atenção do analista, que explica que a maior parte das ações ficará com os grandes grupo financeiros. A oferta global de ações da Braskem para venda das participações das duas controladoras destinará só 10% do lote total ofertado ao varejo. E da parcela destinada ao varejo, 90% terá lock up de 45 dias. Ou seja, por esse prazo, a contar da finalização da operação, os detentores desses papéis não poderão negociá-los. Apenas 1% da operação global será oferecida ao varejo sem qualquer trava.

“Será muito pouco para o varejo e mais para grupos financeiros, que têm interesse em petroquímica. Assim, essa forma de registro de prateleira é um teste. O que vai acontecer é que esses grupos vão analisar as informações antes de comprar. É uma forma um pouco diferenciada de venda”, diz o especialista.

João Abdouni, analista da Inversa publicações, diz que a Petrobras e a Novonor têm interesse em se desfazer dos papéis da Braskem neste momento em que o dólar alto e o preço do petróleo ajudam a nortear os preços dos produtos da petroquímica, que estão altos. “Petrobras e Novonor têm interesse em sair nesse valuation. Pode não ser o ponto mais alto do ciclo, mas é um bom ponto certamente”, comenta.

Para Zuñeda, o mercado já está precificando para 2022 a pressão da alta do petróleo e do gás natural, que afeta os custos da matéria-prima utilizada pela Braskem na fabricação dos produtos.

Informações Broadcast

Deixe um comentário