Rússia diz que encontrará outros importadores para seu petróleo

LinkedIn

Moscou prometeu encontrar outros importadores para seu petróleo logo após o maior bloco comercial do mundo concordar em impor um embargo parcial ao petróleo russo.

A União Européia decidiu na segunda-feira proibir a maioria das importações de petróleo russo até o final do ano como parte de novas medidas destinadas a punir o Kremlin por sua invasão na Ucrânia.

A medida foi saudada pelo chefe de política externa da UE, Josep Borrell, como uma “decisão histórica para paralisar a máquina de guerra do [presidente russo Vladimir] Putin”.

Abrange o petróleo russo trazido para o bloco por mar, com uma isenção para as importações entregues por oleoduto após a oposição da Hungria.

O sexto pacote de sanções da UE contra a Rússia, há muito adiado, exigia a aprovação de todos os 27 estados membros.

Respondendo às medidas, Mikhail Ulyanov, representante permanente da Rússia nas organizações internacionais em Viena, disse que a proibição do petróleo reflete negativamente no bloco.

“Como ela disse ontem com razão, a #Rússia encontrará outros importadores”, disse Ulyanov via Twitter, referindo-se especificamente à presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen. A comissão é o órgão executivo da UE.

“É digno de nota que agora ela contradiz sua própria declaração de ontem. Uma mudança muito rápida de mentalidade indica que a #UE não está em boa forma”, acrescentou.

Von der Leyen, da UE, saudou o acordo do bloco sobre sanções petrolíferas contra a Rússia. Ela disse que a política reduziria efetivamente cerca de 90% das importações de petróleo da Rússia para o bloco até o final do ano e logo voltaria à questão dos 10% restantes do petróleo oleoduto.

Cerca de 36% das importações de petróleo da UE vêm da Rússia, um país que desempenha um papel descomunal nos mercados globais de petróleo.

Com certeza, a Rússia é  o terceiro maior produtor de petróleo do mundo  atrás dos EUA e da Arábia Saudita, e o maior exportador mundial de petróleo para os mercados globais. É também um grande produtor e exportador de gás natural.

Autoridades ucranianas insistiram repetidamente que a UE imponha um embargo total ao petróleo e gás russos, com os países importadores de energia continuando a encher o baú de guerra de Putin diariamente.

A primeira-ministra da Estônia, Kaja Kallas, pediu na terça-feira que a UE vá ainda mais longe e discuta a perspectiva de um embargo de gás russo na próxima rodada de sanções. O chanceler da Áustria, Karl Nehammer, rejeitou abruptamente essa ideia, no entanto, dizendo que não será um tema para discussão no próximo conjunto de medidas.

A separação ocorre quando compradores de gás holandeses e dinamarqueses alertam que esperam que a gigante estatal russa de energia Gazprom pare de fornecer gás devido a uma disputa de pagamento de rublos.

‘Tão bom quanto poderia ser alcançado’

Os preços do petróleo subiram na manhã de terça-feira. Os contratos futuros de petróleo Brent de referência internacional subiram 1,7%, para US$ 123,76 o barril, durante os primeiros negócios em Londres, enquanto os futuros do West Texas Intermediate subiram 3,5%, para US$ 119,04.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse que o compromisso sobre as sanções ao petróleo reafirma a unidade do bloco em resposta ao ataque do Kremlin. Pensava-se que o fracasso em garantir qualquer tipo de acordo provavelmente teria sido anunciado como uma vitória para Putin.

“Acho que é o melhor que poderia ser alcançado”, disse Adi Imsirovic, pesquisador sênior do Instituto Oxford de Estudos de Energia, ao “ Squawk Box Europe ” da CNBC na terça-feira.

Imsirovic disse que a decisão da UE abre caminho para o bloco, juntamente com os EUA, aumentar a pressão sobre outros países importadores de energia, como a Índia, para impor medidas semelhantes ao petróleo russo.

“Antes era impossível porque é muito difícil pedir à Índia, por exemplo, que abandone suas importações se a própria Europa não está fazendo isso. Então, acho que isso é muito importante do ponto de vista político”, disse.

A Índia rejeitou as críticas sobre suas compras contínuas de energia russa após a guerra do Kremlin na Ucrânia.
A Índia rejeitou as críticas sobre suas compras contínuas de energia russa após a guerra do Kremlin na Ucrânia.
Bloomberg | Bloomberg | Imagens Getty

A Índia, o terceiro maior importador de petróleo do mundo, viu suas importações de petróleo da Rússia subirem constantemente desde que a Rússia invadiu a Ucrânia no final de fevereiro, segundo a Reuters, citando dados da Refinitiv Eikon.

A terceira maior economia da Ásia rejeitou as críticas sobre suas compras contínuas de energia russa após a guerra do Kremlin na Ucrânia, dizendo que uma interrupção repentina nas importações de petróleo russo acabaria prejudicando seus consumidores.

Separadamente, a China foi vista discretamente aumentando as compras de petróleo da Rússia a preços com desconto, informou a Reuters, citando dados de remessa e comerciantes de petróleo não identificados. Parece mostrar que o maior importador de petróleo do mundo está se movendo para preencher o vácuo deixado pelos compradores ocidentais que romperam os laços com a Rússia devido à crise humanitária na Ucrânia.

O que mais foi proposto?

Juntamente com as sanções petrolíferas da UE, o bloco concordou com medidas para cortar o maior banco da Rússia, o Sberbank, do sistema de mensagens SWIFT e proibir mais três emissoras estatais.

Há também uma proibição de seguro e resseguro de navios russos por empresas da UE, disse von der Leyen.

“O outro ponto que acho que não foi muito mencionado, acho que esse pacote quase certamente incluirá uma proibição de seguro de transporte. Ainda não vi os detalhes disso, mas quase certamente isso será incluído”, disse Imsirovic.

Ele estimou que aproximadamente 95% do seguro de transporte para o petróleo russo foi realizado na Europa, principalmente em Londres. “Então, isso não afetaria apenas as exportações russas para a Europa agora, afetaria as exportações russas em todos os outros lugares.”

As cinco rodadas anteriores de medidas incluíram acesso restrito aos mercados de capitais, congelamento de ativos do banco central da Rússia, exclusão de instituições financeiras russas da SWIFT e proibição de importações de carvão russo e outras commodities, entre outras.

Com informações de Sam Meredith/CNBC

Deixe um comentário