Goldman Sachs começa a negociar produto derivativo vinculado ao Ethereum

LinkedIn

A Bloomberg informou na segunda-feira (13) que o Goldman Sachs (NYSE:GS) começou a negociar uma espécie de derivativo vinculado ao Ethereum (BINA:ETHUSDT).

O Goldman Sachs também é negociado na B3 através do ticker (BOV:GSGI34).

Goldman Sachs lança produto derivado

Quando uma torrente de dinheiro institucional entrou no mercado em 2021, o banco de investimento relançou suas atividades de criptografia, com o núcleo de seus serviços focados em derivativos vinculados a criptomoedas como bitcoin.

O Goldman iniciou um produto derivativo relacionado ao preço do Ether, em um cenário caótico – a perspectiva de um produto derivativo vinculado ao ETH foi sugerida pela primeira vez pela empresa em junho de 2021.

Esta foi a primeira negociação de criptomoedas no mercado de balcão (OTC) sem entrega (NDF) do Goldman em ether, de acordo com um comunicado divulgado na segunda-feira, com a Marex servindo como contraparte. A negociação foi organizada pela Marex Solutions, divisão de soluções de hedge e investimento da Marex.

Um non-deliverable forward (NDF) é um contrato derivativo que permite ao detentor ganhar exposição a um ativo sem realmente possuí-lo. Isso é pago em dinheiro no momento da liquidação, dependendo do preço do ETH.

A ação do Goldman demonstra interesse institucional em criptomoedas em um momento em que o mercado ainda está sofrendo com o colapso da stablecoin TerraUSD (UST) e uma perspectiva macroeconômica sombria. 

Cripto enfrenta obstáculos regulatórios

Bancos e outras organizações financeiras importantes estão formando grupos de trabalho internos de criptomoedas e mesas de negociação, além de desenvolver fundos futuros. Auditores e provedores de custódia, por exemplo, já estão prestando serviços e pretendem expandir. As grandes empresas tradicionais de pagamento não estão esperando que a interrupção aconteça com elas: no trimestre mais recente, o uso de cartões de crédito vinculados a criptomoedas da Visa foi de US$ 2,5 bilhões, graças a 65 parceiros de carteiras de criptomoedas.

O maior desafio que o setor de criptomoedas tem e vem fazendo campanha por uma solução é mais segurança regulatória, o que implicaria menos riscos e preocupações com conformidade e ainda mais adoção. A ordem executiva assinada pelo presidente dos EUA, Joe Biden, destacou uma abordagem coordenada das agências governamentais dos EUA para melhor entender e dar segurança jurídica futura aos ativos digitais.

A SEC pode estar interessada em plataformas e tokens de negociação de criptomoedas, pois o chefe Gary Gensler afirmou que eles são semelhantes a títulos regulares e devem seguir as mesmas leis.

A Autoridade de Conduta Financeira do Reino Unido também indicou que a regulamentação de criptomoedas será reforçada. Enquanto isso, os políticos europeus acabaram de aprovar um projeto de lei amplamente criticado que tornará ilegais todas as transações anônimas de criptomoedas, uma medida que os participantes da indústria de criptomoedas temem prejudicar a privacidade e a inovação. O governo e os reguladores reconhecem que precisam fazer alguma coisa, de acordo com Noah Perlman, COO da Gemini Exchange, então eles dizem que vão realizar um estudo ou afirmam que estão colocando em prática um plano.

Com informações de Bitcoinist

Deixe um comentário