Petrorecôncavo (RECV3): lucro líquido de R$ 131 milhões no 2T22, aumento de 39%

LinkedIn

A PetroReconcavo teve lucro líquido de R$ 131 milhões no segundo trimestre deste ano, aumento de 39% sobre os ganhos de R$ 94,5 milhões em igual período do ano 2021, segundo demonstrações financeiras enviadas à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A receita líquida alcançou R$691 milhões no segundo trimestre de 2022, 2% de redução ao comparar com trimestre anterior.

ebtida – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – foi de R$ 379,8 milhões no segundo trimestre deste ano, aumento de 189% ante o Ebitda de R$ 131,3 milhões anotado no mesmo período do ano anterior. A margem Ebitda subiu de 52,7% para 54,9% entre os dois períodos.

A companhia de petróleo teve crescimento de 6% na produção total do 2T22 versus o 1T22 e de 69% na comparação anual acumulada na primeira metade do ano em relação a igual período do ano passado, destacou. 10 poços foram perfurados e 76 projetos de workover e completações realizados no trimestre.

“No trimestre, ampliamos a entrega de nosso gás natural processado a três importantes Companhias Distribuidoras de Gás no Nordeste brasileiro, sendo que fomos capazes de comercializar volumes substancialmente maiores do que originalmente previsto nos contratos assinados. Também ampliamos nossa base de clientes, comunicando ao mercado a assinatura do contrato com a Companhia de Gás do Ceará – Cegás. Além disso, assinamos os nossos primeiros contratos para a venda de gás na modalidade interruptível como parte de nossa estratégia de maior flexibilidade e maximização da monetização de nossa produção”, apontou a empresa no release de resultados.

No segundo trimestre, a produção média de gás natural em barris de óleo equivalente atingiu 39% de participação sobre a produção total, registrando incremento de 20 pontos percentuais frente ao mesmo período do ano anterior.

A empresa fechou o segundo trimestre de 2022 com uma produção média de 20.528 barris de óleo equivalente por dia, um aumento de 70% na comparação com o mesmo período do ano anterior e 6% na comparação trimestral.

“Destaque para o crescimento orgânico de 37% na comparação anual na produção do Ativo Potiguar e de 147% na produção do Ativo Bahia, já contabilizando a produção do Polo Miranga, adquirido e operado a partir de 7 de dezembro de 2021”, apontou.

O resultado financeiro líquido no segundo trimestre de 2022 foi negativo em R$127 milhões, comparado com um resultado positivo de R$186 milhões no primeiro trimestre de 2022.

O resultado é impactado pela variação cambial no período. A Companhia possui aplicações financeiras e financiamentos, além de passivos a pagar oriundos de aquisições de ativos, atrelados à taxa de câmbio do dólar.

O custo médio de produção consolidado do 2T22, que soma os custos totais dos serviços prestados e de vendas, excluindo-se os custos com aquisição, processamento e transporte do gás, os royalties, a depreciação, a amortização e a depleção, dividido pela produção bruta total em barris de óleo equivalente (BOE) no período (lifting cost) foi de US$ 13,88 por BOE, representando um aumento de 13% quando comparado ao primeiro trimestre do ano de 2022, sendo que 6% se
devem, basicamente, à desvalorização do Dólar contra o Real no período.

Os custos e despesas cresceram 9%, passando de R$226 milhões no primeiro trimestre de 2022, para R$246 milhões no segundo trimestre de 2022.

Em 30 de junho de 2022, a Companhia registrou posição de caixa, que representa a soma dos saldos de caixa e equivalentes e aplicações financeiras, de R$1,7 bilhão. Atualmente, a maior parte dos recursos da Companhia são aplicados em fundos cambiais.

O endividamento líquido da Companhia no segundo trimestre de 2022 diminuiu 99%, impactado, principalmente, pela captação de recursos através da oferta primária subsequente de ações – follow on.

Os resultados da Petrorecôncavo (BOV:RECV3) referente suas operações do segundo trimestre de 2022 foram divulgados no dia 10/08/2022. Confira o Press Release completo!

* Com informações da ADVFN, RI das empresas, Valor, Infomoney, Estadão, Reuters

Deixe um comentário