ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for smarter Negocie de forma mais inteligente, não mais difícil: Libere seu potencial com nosso conjunto de ferramentas e discussões ao vivo.

M.Dias Branco (MDIA3): lucro líquido de R$ 195 milhões no 3T22, queda de 0,8%

LinkedIn

M. Dias Branco, líder nos mercados de biscoitos e massas do Brasil, registrou lucro líquido de R$ 195 milhões no terceiro trimestre, leve queda de 0,8% no comparativo anual, pressionado por custos maiores principalmente com insumos, como o trigo, em função da guerra na Ucrânia.

A receita líquida alcançou a máxima histórica trimestral de R$ 2,97 bilhões, um avanço anual de 36,6%.

O crescimento da receita é fruto de um aumento em torno de 30% no preço médio do porfólio dos produtos e volumes de vendas 5,7% maiores, conforme balanço divulgado nesta sexta-feira.

Ebitda – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – subiu 16,2% no período, para R$ 333 milhões.

“Registramos aumento de preço médio em todas as categorias”, afirmou a companhia em relatório.

Os custos dos produtos vendidos representaram 77,8% da receita líquida, aumento de 3,6 p.p. e 6,9 p.p. na comparação com o 3T21 e 2T22 respectivamente, reflexo do aumento dos custos de trigo e óleo de palma, impactados pela forte alta dos preços no 2T22 com o conflito entre Rússia e Ucrânia.

O custo total dos produtos foi de R$ 2,31 bilhões e o trigo respondeu sozinho por R$ 1,08 bilhão, aumento de 55% em relação ao terceiro trimestre de 2021.

O lucro bruto totalizou R$ 188,7 milhões, que transitam pelo resultado em atendimento ao CPC 07 – Subvenções Governamentais.

A companhia também destacou uma despesa maior para contratação das operações de hedge e um resultado negativo de swap, devido ao aumento de juros CDI no período. Estes fatores desencadearam um resultado financeiro negativo em 69,5 milhões de reais, com as despesas superando as receitas.

Apesar destes gargalos, o volume de vendas cresceu 5,7% no comparativo anual, para 482 mil toneladas.

“(A despesa é) reflexo do aumento dos custos de trigo e óleo de palma, impactados pela forte alta dos preços no segundo trimestre de 2022 com o conflito entre Rússia e Ucrânia”, disse.

“Com as despesas administrativas e com vendas controladas… mitigamos o impacto do aumento das commodities na margem bruta”, disse a empresa, o que permitiu entregar um Ebitda com avanço no trimestre.

As despesas operacionais, segundo a empresa, seguem controladas, refletindo os ganhos de produtividade e eficiência capturados nos últimos dois anos. “Como percentual da receita líquida, encerramos o 3T22 em 20,1%, abaixo em 1,4 p.p. quando comparado com o 3T21 e 2,9 p.p. vs. o 2T22”, apontaram.

As despesas operacionais cresceram 27,5% no comparativo entre o 3T22 ante o 3T21, fruto do aumento da inflação, sobretudo em combustíveis, da inclusão das despesas operacionais de Latinex e Jasmine, que passaram a ser reconhecidas no resultado a partir de novembro de 2021 e setembro de 2022 respectivamente, e de despesas não recorrentes com aquisições. Já no comparativo com o 2T22, o aumento de 4,2% reflete os maiores volumes vendidos em 15,2%.

Os investimentos totalizaram R$ 71,3 milhões no 3T22 (+65,4% vs. 3T21) e R$ 186,3 milhões no 9M22 (+37,6% vs. 9M21). Destaque para os investimentos com a implantação do sistema SAP (projeto Simplifique) e adequação de maquinário para redução de gramatura e flow pack.

A Companhia encerrou o período com caixa de R$ 0,4 bilhão (R$ 1,9 bilhão no 3T21) e endividamento bruto de R$ 2,1 bilhões (R$ 1,8 bilhão no 3T21), resultando em uma alavancagem (dívida líquida pelo EBITDA últimos 12 meses) de 1,7x (caixa líquido de 0,1x no 3T21).

Os resultados da M.Dias Branco (BOV:MDIA3) referentes às suas operações do terceiro trimestre de 2022 foram divulgados no dia 11/11/2022. Confira o Press release na íntegra!

* Com informações da ADVFN, RI das empresas, Infomoney

Deixe um comentário