ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for default Cadastre-se gratuitamente para obter cotações em tempo real, gráficos interativos, fluxo de opções ao vivo e muito mais.

Conselho da Shell é processado por não administrar os riscos associados à emergência climática

LinkedIn

Os diretores da Shell Plc (NYSE:SHEL) estão sendo processados ​​pessoalmente por supostamente não administrar adequadamente os riscos associados à emergência climática em um processo inédito que pode ter implicações generalizadas sobre como outras empresas planejam reduzir as emissões.

A Shell Plc também é negociada na B3 através do ticker (BOV:RDSA34).

O escritório de advocacia ambiental ClientEarth, na qualidade de acionista, entrou com a ação contra o conselho da petrolífera britânica no tribunal superior da Inglaterra e do País de Gales na quinta-feira (9).

Ele alega que 11 membros do conselho da Shell estão administrando mal o risco climático, violando a lei das empresas ao não implementar uma estratégia de transição energética alinhada com o histórico Acordo de Paris de 2015.

A ação, que tem o apoio de investidores institucionais com mais de 12 milhões de ações da empresa, é considerada o primeiro caso no mundo que busca responsabilizar um conselho de administração por não se preparar adequadamente para a transição energética.

“A Shell pode estar obtendo lucros recordes agora devido à turbulência do mercado global de energia, mas a escrita está na parede para os combustíveis fósseis a longo prazo”, disse Paul Benson, advogado sênior da ClientEarth, em comunicado.

“A mudança para uma economia de baixo carbono não é apenas inevitável, ela já está acontecendo. No entanto, o Conselho persiste com uma estratégia de transição que é fundamentalmente falha, deixando a empresa seriamente exposta aos riscos que a mudança climática representa para o sucesso futuro da Shell – apesar do dever legal do Conselho de administrar esses riscos”, disse Benson.

Esperamos que toda a indústria de energia se levante e preste atenção – Mark Fawcett, diretor de investimento da Nest

O grupo de investidores que apóiam a reivindicação inclui os fundos de pensão britânicos Nest e London CIV, o fundo de pensão nacional sueco AP3, o gestor de ativos francês Sanso IS e o Danske Bank Asset Management, entre outros. Juntos, os investidores institucionais detêm mais de meio trilhão de dólares americanos em ativos totais sob gestão.

“Não aceitamos as alegações da ClientEarth”, disse um porta-voz da Shell. “Nossos diretores cumpriram seus deveres legais e, em todos os momentos, agiram no melhor interesse da empresa.”

“A tentativa da ClientEarth, por meio de uma reivindicação derivada, de derrubar a política do conselho conforme aprovada por nossos acionistas não tem mérito. Vamos nos opor ao pedido deles para obter a permissão do tribunal para prosseguir com essa reclamação”, acrescentaram.

A Shell, que pretende se tornar um negócio de emissões líquidas zero até 2050, disse acreditar que suas metas climáticas estão alinhadas com Paris.

ClientEarth disse que as principais avaliações de terceiros sugeriram que esse não é o caso, no entanto, observando que a estratégia da Shell exclui metas de curto a médio prazo para reduzir as emissões dos produtos que vende, conhecidas como emissões de Escopo 3, apesar de representar mais de 90% das emissões totais da empresa.

O objetivo aspiracional do Acordo de Paris é buscar esforços para limitar o aquecimento global a 1,5 grau Celsius acima dos níveis pré-industriais, reduzindo as emissões de gases de efeito estufa. A luta para manter o aquecimento global abaixo de 1,5 grau Celsius é amplamente considerada extremamente importante porque os chamados pontos de inflexão tornam-se mais prováveis ​​além desse nível. Esses são limites nos quais pequenas mudanças podem levar a mudanças dramáticas em todo o sistema de suporte da Terra.

Certamente, a queima de combustíveis fósseis, como petróleo e gás, é o principal fator da emergência climática.

Bonança de lucro da Big Oil

O caso ocorre logo após a Shell reportar seu maior lucro anual de quase US$ 40 bilhões.

Os ganhos da gigante de energia em 2022 quebraram seu recorde de lucro anual anterior de US$ 28,4 bilhões em 2008 e foram mais do que o dobro do lucro da empresa em 2021, de US$ 19,3 bilhões.

O CEO da Shell, Wael Sawan, descreveu 2022 como um “grande ano” para a empresa, dizendo que se sentiu privilegiado por assumir o cargo que iniciou em 1º de janeiro.

“Ao olharmos para frente, acho que temos uma oportunidade única de sermos bem-sucedidos como vencedores na transição energética. Temos um portfólio que acho incomparável”, disse Sawan.

Os resultados da Shell vieram como parte de uma bonança de lucro do Big Oil no ano passado, reforçada pelo aumento dos preços dos combustíveis fósseis e demanda robusta desde a invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia.

O diretor de investimentos da Nest, Mark Fawcett, disse que o caso contra o conselho de administração da Shell mostra que os investidores estão preparados para desafiar aqueles que não estão fazendo o suficiente para fazer a transição de seus negócios.

“Esperamos que toda a indústria de energia se levante e preste atenção”, disse Fawcett.

Separadamente, a chefe de investimento responsável da London CIV, Jacqueline Amy Jackson, disse: “Em nossa opinião, um conselho de administração de uma empresa de alta emissão tem o dever fiduciário de gerenciar o risco climático e, ao fazê-lo, considerar os impactos de suas decisões sobre a mudança do clima e reduzir sua contribuição para ela”.

“Consideramos que a reivindicação da ClientEarth é do interesse dos fundos de nossos clientes como acionista da Shell e a apoiamos”, acrescentou Jackson.

Com informações de CNBC

Deixe um comentário