ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for charts Cadastre-se para gráficos em tempo real, ferramentas de análise e preços.

BC: estoque total de crédito subiu 0,3% em maio, para R$ 5,387 trilhões

LinkedIn

O estoque total de crédito no Brasil subiu 0,3% em maio sobre o mês anterior, a 5,387 trilhões de reais, divulgou o Banco Central nesta quarta-feira (28).

Esse resultado decorreu, basicamente, do incremento de 0,5% no estoque de crédito das operações com pessoas físicas, R$3,3 trilhões, enquanto o estoque de crédito às pessoas jurídicas permaneceu estável no período, em R$2,1 trilhões. Comparativamente ao mesmo mês do ano anterior, o crédito total cresceu 10,4%, desacelerando em relação ao crescimento em doze meses observado em abril, 11,3%.

Por segmento, na mesma base de comparação, o saldo de crédito com as pessoas jurídicas e com as pessoas físicas também desaceleraram, com aumentos de 4,4%, ante 4,8%, e de 14,6%, ante 15,8%, na ordem.

No mês, a inadimplência no segmento de recursos livres subiu a 4,9%, ante 4,8% no mês anterior. Já o spread bancário no mesmo segmento foi a 33,3 pontos percentuais, ante 32,7 pontos em março.

A base monetária somou R$396,3 bilhões em maio, diminuição de 3,4% no mês e de 0,5% em doze meses. No mês, o volume de papel-moeda em circulação retraiu 0,4% e as reservas bancárias 15,2%.

Crédito Ampliado

Em maio, o saldo do crédito ampliado ao setor não financeiro situou-se em R$15,1 trilhões (146,9% do PIB), crescendo 0,2% no mês, devido principalmente à alta de 1,5% dos empréstimos da dívida externa. Na comparação interanual, o crédito ampliado aumentou 9,9%, sobressaindo as elevações na carteira de empréstimos, 10,3%, e nos títulos de dívida, 9,3%.

O crédito ampliado a empresas totalizou R$5,2 trilhões (51,1% do PIB), aumento de 0,4% no mês, influenciado principalmente pela elevação de 1,6% nos empréstimos da dívida externa, decorrente da depreciação cambial de 1,9%. Na comparação com maio de 2022, a expansão de 13,0% do crédito ampliado a empresas refletiu principalmente os aumentos de 29,7% em títulos de dívida e de 11,1% no total da dívida externa.

O crédito ampliado às famílias situou-se em R$3,5 trilhões (34,4% do PIB) em maio, com expansão de 0,5% no mês e de 14,0% em doze meses, refletindo, principalmente, o incremento nos empréstimos do SFN.

Confira os dados completos

 

Deixe um comentário