ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for charts Cadastre-se para gráficos em tempo real, ferramentas de análise e preços.

CCR: redução de custos e balanço mais leve, com menor alavancagem são teses de investimento do JPMorgan

LinkedIn

Abordagem mais conservadora com capital, redução de custos e balanço mais leve, com menor alavancagem são pilares da tese de investimento do JPMorgan para CCR.

O banco elevou a recomendação para o papel, de neutro para overweight (exposição acima da média, similar à compra), e o preço-alvo de R$ 15,50 para R$ 16,00 para 2024, ou um potencial de valorização (upside) de 35,5% frente o fechamento de sexta-feira (27). Com essa elevação, às 10h18 (horário de Brasília), os papéis CCRO3 subiam 4,91%, a R$ 12,39.

Essa não foi a única alteração no universo de cobertura do JPMorgan para o setor, uma vez que EcoRodovias (BOV:ECOR3) também teve sua meta de preço alterada para cima, de R$ 8,50 para R$ 9,00 (upside de 29%). O nome, contudo, não é considerado para compra pelo banco, que entende que os números de CCR (BOV:CCRO3) se destacam na comparação com a concorrente e oferecem “uma avaliação mais atrativa”.

“As operadoras de rodovias com pedágio têm apresentado surpresas positivas em termos de tráfego, o que implica em uma revisão de um dígito baixo a médio na receita para os próximos anos, ao mesmo tempo que demonstram um desempenho sólido no aspecto de custos, justificando uma revisão de dígitos médios a baixos no lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) para ambas as empresas”, considera o relatório.

A análise considera que as duas empresas apresentam bom desempenho nas últimas licitações, demonstrando diligência e disciplina em unir oportunidades de crescimento com retornos atraentes.

CCR melhor posicionada para leilões
A tese de investimento da CCR é pautada em taxa de corte mais alta que demonstra a média histórica e foco na reciclagem de portfólio como partes de uma “abordagem conservadora na alocação de capital” e iniciativas de redução de custos, que compõem o mandato atual da administração da companhia.

Além disso, o balanço se apresenta “mais leve” que antes, com alavancagem com pico de 3,5 vezes até 2024. Em comparação com a concorrente, a CCR se sai melhor nesse aspecto, uma vez que a EcoRodovias apresenta alavancagem de 4,0 vezes no próximo ano.

“Também vemos um risco de despesas de capitais (em inglês, chamado de CapEx) menor para a CCR em comparação com a Ecorodovias, uma vez que os investimentos da primeira atualmente representam 1,4 vezes seu valor de mercado, enquanto mais de 8 vezes para a segunda”, analisa o relatório.

Ainda assim, Ecorodovias apresenta “crescente eficiência operacional”, de acordo com o JPMorgan, e, motivado por isso, o Ebitda foi revisado em 13,5% para cima para 2023-24 pelo banco.

Em relação aos próximos projetos, o relatório aponta que a CCR se apresenta como melhor posicionada para aproveitar as oportunidades de leilões em andamento.

“Em nossa visão, a reação do mercado às potenciais oportunidades de crescimento dependerá do cenário competitivo para cada ativo, embora tenha havido competição limitada nos últimos leilões de rodovias – apenas um ou dois participantes nos leilões que ocorreram este ano”, afirma.

Como riscos para o nome, há consideração de desaceleração de crescimento do PIB, crescimento mais lento que o esperado nos negócios ainda em maturação e riscos políticos.

Informações Infomoney

Deixe um comentário