ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for alerts Cadastre-se para alertas em tempo real, use o simulador personalizado e observe os movimentos do mercado.

Momento Cripto: Fantom reduz requisitos de staking, Queda na paridade do TrueUSD, e mais

LinkedIn

Contraste no mercado: Bitcoin sobe enquanto ETFs registram quedas

Nas últimas 24 horas, enquanto o Bitcoin (COIN:BTCUSD) mostra um aumento modesto, ligeiramente acima de US$ 43.000, os fundos negociados em bolsa (ETFs) experimentam uma tendência oposta. Notáveis ETFs da BlackRock (NASDAQ:IBIT) e Van Eck (AMEX:HODL) sofreram perdas, caindo -1,1% cada nas últimas 24 horas. Essa queda é parte de uma tendência geral de declínio desde o lançamento, com ambos os ETFs registrando uma diminuição de mais de 10%. Outras criptomoedas e ativos relacionados, como MicroStrategy (NASDAQ:MSTR), também estão enfrentando retrações, destacando a volatilidade do mercado.

Apesar do aumento na terça-feira, desde a introdução dos ETFs à vista nos EUA, o Bitcoin enfrenta uma pressão descendente significativa. Após atingir o pico de US$ 49.102 na quinta-feira, o valor do Bitcoin caiu mais de 8%. Esta queda é atribuída principalmente aos traders realizando lucros em posições longas estabelecidas antes do lançamento dos ETFs. O indicador Delta de Volume Cumulativo (CVD) revela que os traders da Binance lideraram essa onda de vendas. O CVD mede a diferença líquida entre volumes de compra e venda. Segundo Fernando Pereira, analista da Bitget, o Bitcoin pode recuar ainda mais nas próximas semanas: “após cair desde a máxima do dia 11, o Bitcoin ainda tem mais espaço para recuo. Imagino um recuo até aproximadamente US$ 36.000 nas próximas semanas”.

COPA vs. Wright: Julgamento crucial na história do Bitcoin

O julgamento da COPA (Crypto Open Patent Alliance) contra Craig Wright, marcado para começar em 5 de fevereiro, representa um momento decisivo para o Bitcoin (COIN:BTCUSD), desafiando as alegações de Wright de ser Satoshi Nakamoto. Este caso simboliza a luta entre o espírito de código aberto da comunidade Bitcoin e as reivindicações potencialmente restritivas de Wright. A COPA, com o apoio de grandes players da indústria, confronta Wright, acusado de apresentar provas questionáveis. Este julgamento não apenas visa esclarecer a verdadeira identidade de Nakamoto, mas também definirá o futuro do desenvolvimento e da governança do Bitcoin.

Volatilidade e desafios do TrueUSD: Queda na paridade e redução de oferta

A stablecoin TrueUSD enfrentou um período de instabilidade significativa, despencando abaixo de US$ 1 e não recuperando a paridade até o momento. No momento da escrita o TrueUSD (COIN:TUSDUSD) indica uma queda para US$ 0,986300. A venda massiva de TUSD foi evidente, com dados da Binance revelando um desequilíbrio entre vendas e compras, resultando em um déficit substancial. Fatores como a ausência da TUSD nos pools de lançamento da Binance e um desequilíbrio no pool Curve do TUSD, favorável a outras stablecoins, contribuíram para essa volatilidade. Além disso, o Whale Alert noticiou a queima de milhões de tokens TUSD. Preocupações com relatórios de garantias também surgiram, embora o atestado tenha se normalizado posteriormente. A oferta total da TUSD sofreu uma queda acentuada, atingindo seu ponto mais baixo desde junho de 2023.

SEC posterga julgamento contra Terraform Labs e Do Kwon

A SEC dos EUA adiou o julgamento contra a Terraform Labs e seu cofundador, Do Kwon, para 15 de abril, a pedido do próprio Kwon, que concordou com a extradição de Montenegro e deverá chegar aos EUA em março. Originalmente marcado para 29 de janeiro, o adiamento busca garantir a participação de Kwon, que atualmente cumpre pena por fraude de passaporte. A SEC opõe-se a julgamentos separados para a Terraform Labs e Kwon, argumentando que os casos são quase idênticos.

Tether responde a alegações da ONU sobre uso ilegal de USDT

O emissor da stablecoin Tether (COIN:USDTUSD) rebateu as alegações de um relatório da ONU sobre o uso de seus tokens USDT em atividades ilícitas. Em um comunicado, Tether enfatizou o intenso monitoramento regulatório sobre suas stablecoins, superando até mesmo sistemas bancários tradicionais, com fiscalizações de agências como DOJ, FBI e USSS. Os representantes da Tether afirmaram que os blockchains públicos usados tornam os tokens Tether uma opção desfavorável para atividades ilícitas, contrastando com o relatório da ONU que aponta o uso do USDT em fraudes. Tether aconselha uma compreensão mais profunda da tecnologia blockchain pela ONU e expressa disposição para colaborar na luta contra o crime financeiro.

CEO da Circle prevê aprovação de leis de stablecoin nos EUA em 2024

De acordo com a CNBC, Jeremy Allaire, CEO da Circle, expressou otimismo no Fórum Econômico Mundial em Davos sobre a provável aprovação de leis de stablecoin nos EUA em 2024. Ele acredita que o progresso regulatório global aumenta as chances de os EUA regulamentarem stablecoins, uma visão apoiada por vários setores do governo. Allaire também comentou sobre o impacto positivo dos recentes ETFs de bitcoin à vista no uso do USDC. Paralelamente, a Circle prepara uma oferta pública inicial (IPO), apesar de uma queda na participação de mercado do USDC no ano passado, marcada por um desvinculamento temporário do dólar após um problema com o Silicon Valley Bank.

Manta Pacific supera Base como 4ª maior solução de escalonamento

A Manta Pacific, camada 2 da Manta Network, ultrapassou a Base da Coinbase, tornando-se a quarta maior solução de escalonamento com um TVL de US$ 845 milhões. A métrica TVL “Total Value Locked” é crucial para avaliar protocolos DeFi, indicando a popularidade e confiança dos usuários. O crescimento da Manta Pacific foi impulsionado pelo seu programa de ponte de paradigma e a adoção de criptografias de conhecimento zero, destacando-se na competição DeFi.

Coinbase Prime registra aumento recorde de atividade após lançamento de ETFs de Bitcoin

Coinbase Prime, voltada para investidores institucionais e de alto patrimônio, viu um salto na atividade de negociação com o lançamento dos ETFs de Bitcoin dos EUA. Uma análise revelou que a carteira quente da plataforma registrou movimentos significativos, com entradas e saídas de US$ 5,7 bilhões na última semana, superando a Binance. Apesar de um histórico dominante da Binance, a Coinbase Prime mostrou um aumento notável em grandes transações, indicando um impacto profundo dos ETFs no mercado de Bitcoin.

OKX expande globalmente com licença de serviços de ativos virtuais em Dubai

A OKX conquistou uma licença de provedor de serviços de ativos virtuais em Dubai através de sua filial, OKX Middle East Fintech FZE. Este passo faz parte da expansão global da empresa, que aguarda a ativação da licença após cumprir certas condições e requisitos. A licença permitirá à OKX Middle East oferecer um leque maior de serviços de ativos virtuais regulamentados, fortalecendo sua presença na crescente região de Web3 e criptografia em MENA.

Binance inicia operações na Tailândia após parceria com Gulf Innova

A joint venture entre Binance e Gulf Innova, Binance Thailand, anunciou o início de suas operações de exchange de criptografia. Após um ano de planejamento detalhado e colaboração com reguladores tailandeses, a plataforma oferece serviços de troca de ativos digitais, incluindo pares com baht tailandês e integração com bancos locais. Supervisionada pela SEC da Tailândia, a Binance Thailand representa um passo estratégico na inclusão financeira e no avanço do cenário financeiro digital global.

Fantom reduz requisito de staking em 90% para fortalecer a segurança da rede

Fantom (COIN:FTMUSD) anunciou uma redução de 90% nos requisitos para executar um nó de auto-staking, baixando para 50.000 FTM. Esta mudança visa aumentar a segurança da rede, facilitando a participação de mais validadores. Diferente do Ethereum, no Fantom, cada validador processa transações independentemente, melhorando a distribuição e segurança da rede. Apesar da alteração, os preços do FTM mantiveram-se estáveis no mercado em 0,415820.

Chainlink e Circle colaboram para ampliar uso do USDC em múltiplas blockchains

Chainlink (COIN:LINKUSD) integrou o protocolo CCTP da Circle (COIN:USDCUSD) ao seu sistema CCIP, visando facilitar a movimentação segura do stablecoin USDC em diversas blockchains. Essa colaboração promete expandir o uso de stablecoins em pagamentos e DeFi. Enquanto o CCIP da Chainlink permite a transferência de dados e ativos entre blockchains, o CCTP da Circle possibilita transferências nativas do USDC, queimando e cunhando a moeda em redes suportadas. A integração dessas tecnologias marca um avanço significativo na interoperabilidade e na aplicação de stablecoins.

Solana Mobile prepara lançamento de segundo smartphone com criptografia

Solana Mobile está planejando lançar um segundo smartphone, seguindo o sucesso inesperado de seu primeiro dispositivo focado em criptografia, Saga. O novo modelo manterá características similares, como carteira criptográfica integrada e uma loja de aplicativos descentralizados, mas será oferecido a um preço mais acessível e com hardware diferente. O lançamento busca atender a demanda crescente no mercado secundário, onde o Saga tem alcançado preços elevados devido à sua oferta limitada.

HashKey Group se aproxima da meta de US$ 100 milhões em arrecadação de fundos

HashKey Group, operadora de uma exchange de criptomoedas em Hong Kong, anunciou que está perto de atingir sua meta de arrecadação de US$ 100 milhões. A rodada de financiamento, iniciada após a obtenção de uma licença para negociação de criptografia no varejo, impulsionou a avaliação da empresa para US$ 1,2 bilhão, alcançando o status de unicórnio. A HashKey não divulgou os investidores da rodada, destacando-se em um período desafiador para o setor de criptomoedas.

Digital Infrastructure capta US$ 11,5 milhões em série A para DIMO Network

Digital Infrastructure Inc, focada em redes descentralizadas de infraestrutura física, arrecadou US$ 11,5 milhões na Série A liderada pela CoinFund. A rodada contou com a participação de investidores como Slow Ventures, ConsenSys Mesh, e outros, elevando o financiamento total para US$ 22 milhões. A startup desenvolve a rede DIMO, um protocolo de dados automotivos descentralizado, e o app DIMO Mobile, permitindo aos motoristas coletar dados de seus carros e ganhar recompensas em tokens DIMO (COIN:DIMOUSD). Com mais de 36.000 carros conectados, representando mais de US$ 1 bilhão em ativos, a empresa prevê um aumento na utilidade e nas ferramentas para desenvolvedores.

Animoca Brands lança Anichess, jogo de xadrez Web3 em parceria com Chess.com

Animoca Brands, investidor Web3 de Hong Kong, lançou a primeira fase da Anichess, um jogo de xadrez descentralizado desenvolvido em colaboração com o Chess.com e com o apoio do campeão Magnus Charlsen. Esta fase inicial apresenta jogabilidade solo, com planos de adicionar modos jogador contra jogador ainda neste trimestre. Anichess oferece quebra-cabeças diários de xadrez, onde os jogadores podem ganhar recursos in-game e desbloquear novos desafios. A Animoca Brands destaca que Anichess inova ao combinar estratégia tradicional de xadrez com elementos fantásticos e funcionalidades Web3. O projeto, que arrecadou US$ 1,5 milhão em junho de 2023, reúne estratégia clássica e tecnologia moderna.

Vivek Ramaswamy encerra campanha presidencial em apoio a Trump

Vivek Ramaswamy, conhecido por sua postura pró-cripto, anunciou a suspensão de sua campanha presidencial para apoiar Donald Trump. Em uma declaração via mídia social, Ramaswamy expressou seu compromisso em garantir a eleição de Trump. Apesar da retórica anteriormente anticripto de Trump, ele recentemente se envolveu em projetos de NFTs. Ramaswamy destacou-se durante sua campanha por criticar a abordagem regulatória da SEC e propor políticas favoráveis à cripto, visando maior liberdade econômica e proteção dos direitos dos desenvolvedores.

Autoridade Bancária Europeia estabelece diretrizes anti-lavagem de dinheiro para criptoativos

A Autoridade Bancária Europeia (EBA) emitiu novas orientações para empresas de criptografia visando o cumprimento das normas anti-lavagem de dinheiro e contra o financiamento do terrorismo. As diretrizes, que ampliam as medidas existentes para incluir o setor de criptoativos, visam harmonizar as práticas de provedores de serviços de criptoativos (CASP) em toda a UE. A EBA alerta sobre os riscos aumentados devido à velocidade das transações e recursos que podem ocultar identidades de usuários, exigindo que os CASPs implementem medidas eficazes de mitigação. Além disso, as novas diretrizes também se aplicam a instituições financeiras que interagem com ativos criptográficos, reforçando a abordagem integrada da UE no combate ao crime financeiro. As diretrizes entrarão em vigor em 30 de dezembro, alinhadas com a legislação do Mercados de Criptoativos (MiCA).

Deixe um comentário