A Lockheed Martin Corp (NYSE:LMT) anunciou sua retirada da competição da Força Aérea dos Estados Unidos para construir pelo menos 75 aviões-tanque de reabastecimento, o que representa um impulso significativo para o KC-46 Pegasus da Boeing (NYSE:BA) e seu contrato de defesa multibilionário em destaque.

A Lockheed Martin Corp e a Boeing também são negociadas na B3 através dos tickers (BOV:LMTB34) e (BOV:BOEI34), respectivamente.

Em 2018, a Airbus (EU:AIR) se juntou à Lockheed para oferecer seu avião-tanque multifuncional A330, mas agora a empresa europeia de aviação deve decidir se continuará na competição sem a Lockheed como contratante principal. A Airbus afirmou na segunda-feira que mantém seu compromisso de fornecer à Força Aérea dos EUA um novo avião-tanque.

A retirada da Lockheed fortalece as chances da Boeing de vencer o programa, apesar dos problemas anteriores com a frota existente de aviões-tanque KC-46, que incluem defeitos como problemas com um sistema de vídeo a bordo e uma barreira de reabastecimento que não conecta adequadamente com as aeronaves que precisam de reabastecimento, causando perdas de US$ 7 bilhões à Boeing.

As ações da Boeing reagiram positivamente às notícias da retirada da Lockheed, registrando um aumento de 1,62% no momento da publicação.

Uma vitória da Lockheed-Airbus teria marcado o primeiro contrato da Airbus com a Força Aérea dos EUA, após duas décadas de esforços para entrar no mercado de defesa dos EUA. Isso também representa a segunda vez que a Airbus foi abandonada por um parceiro dos EUA, depois de um esforço anterior com a Northrop Grumman Corp (NOC, NOCG34) ter sido frustrado por um protesto da Boeing em 2008.

A Força Aérea dos EUA, que planejava substituir centenas de aviões-tanque KC-135 da era Eisenhower em três lotes, reduziu mais tarde esse esforço para 75 aviões. A Lockheed afirmou que redirecionará sua equipe e recursos do avião-tanque para outros programas, incluindo soluções de reabastecimento aéreo em apoio à iniciativa do Sistema de Reabastecimento Aéreo de Próxima Geração (NGAS) da Força Aérea dos EUA, cuja conclusão está prevista para a década de 2030.

A surpreendente retirada da oferta da Lockheed, conhecida como LMXT, deixou alguns assessores do Capitólio surpresos. A empresa havia feito uma extensa campanha em defesa do LMXT, que seria fabricado no Alabama e na Geórgia, gastando consideravelmente para convencer que seu avião era a escolha certa para a segunda parcela do contrato. A Boeing, por sua vez, venceu a primeira fase da aquisição em 2011, garantindo o contrato para 179 KC-46.

Airbus (EU:AIR)
Gráfico Histórico do Ativo
De Mar 2024 até Abr 2024 Click aqui para mais gráficos Airbus.
Airbus (EU:AIR)
Gráfico Histórico do Ativo
De Abr 2023 até Abr 2024 Click aqui para mais gráficos Airbus.