Evolução da Taxa Selic em 2019

Veja abaixo um resumo sobre todas as reuniões do Copom em 2019.

 

1ª Reunião do Copom em 2019 - 05/02/19 e 06/02/19

Na primeira reunião de 2019, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou a manutenção da taxa Selic em 6,5%. Foi a sétima vez seguida que os juros ficam inalterados nesta patamar, o mais baixo desde que a Selic passou a ser usada como referência em 1996.

A decisão foi por unanimidade e confirmou a expectativa do mercado, de acordo com o último Boletim Focus divulgado dois dias atrás.

Este foi o primeiro encontro do Copom no Governo de Jair Bolsonaro, mas o último da gestão de Ilan Goldfajn, que preside a instituição desde junho de 2016. A próxima reunião está marcada já deve acontecer sob o comando de Roberto Campos Neto, escolhido de Jair Bolsonaro para o posto. Ele ainda precisa ser sabatinado pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado e aprovado tanto lá quanto em plenário. 

O comunicado emitido logo após o encerramento da reunião destacou que a economia brasileira segue em “recuperação gradual” e com inflação confortável, enquanto o cenário externo permanece desafiador mas com “alguma redução e alteração do perfil de riscos”.

Por um lado, caiu o risco de curto prazo após o Federal Reserve, banco central americano, ter mudado de tom na reunião da semana passada e adiado novas altas de juros por enquanto.

Isso tira uma fonte de pressão sobre as taxas dos mercados emergentes, que competem com os EUA por recursos.

“Por outro lado, aumentaram os riscos associados a uma desaceleração da economia global, em função de diversas incertezas, como as disputas comerciais e o Brexit”, completa o comunicado.

No cenário doméstico, o risco positivo é que a inflação fique ainda mais fraca devido à ociosidade econômica, e o risco negativo é uma “frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas e ajustes necessários na economia brasileira” que pode afetar prêmios de risco. 

 

2ª Reunião do Copom em 2019 - 19/03/19 e 20/03/19

Pela oitava vez seguida, o Banco Central decidiu não alterar os juros básicos da economia. Na primeira reunião após a posse do novo presidente do BC, Roberto Campos Neto, o Comitê de Política Monetária manteve a taxa Selic em 6,5% ao ano. A decisão era esperada pelos analistas financeiros.

Com a decisão, a Selic continua no menor nível desde o início da série histórica do BC, em 1986. De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015. Em outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que chegasse a 6,5% em março de 2018. Para os próximos meses, a expectativa de alguns setores da economia é de que a Selic caia ainda mais.

 

3ª Reunião do Copom em 2019 - 08/05/19 e 09/05/19

Na segunda reunião de Roberto Campos Neto à frente do Banco Central, o Comitê de Política Monetária decidiu manter a taxa básica de juros da economia em 6,5% ao ano. Foi a nona manutenção consecutiva. A Selic manteve-se no seu menor patamar da história desde março de 2018.  

A decisão já era esperada pelos economistas, uma vez que a economia ainda mostra sinais de fragilidade ante o potencial de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) e o alto nível de desemprego, e sobram incertezas no cenário internacional.

 

4ª Reunião do Copom em 2019 - 19/06/19 e 20/06/19

Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária do Banco Central decidiu manter a taxa básica de juros em 6,50% ao ano. A taxa permanecia sem alteração desde março de 2018. Com isso, a taxa Selic em junho de 2019 permanece no nível mais baixo da série histórica do Copom, iniciada em junho de 1996.

Ao justificar a decisão, o BC avaliou que a evolução do cenário básico e do balanço de riscos prescreve manutenção da taxa Selic em junho de 2019 no mesmo níveis das reuniões anteriores: "o Copom entende que essa decisão reflete seu cenário básico e balanço de riscos para a inflação prospectiva e é compatível com a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante para a condução da política monetária, que inclui o ano-calendário de 2019 e, principalmente, de 2020."

"O BC evitou dar sinalizações claras sobre as próximas decisões do colegiado. O comunicado apenas repetiu que os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação."

 

5ª Reunião do Copom em 2019 - 30/07/19 e 31/07/19

Na quinta reunião do ano para discutir a política monetária do país, o Banco Central do Brasil se juntou ao movimento global de alívio monetário aplicando uma redução de 0,50 ponto percentual na Selic.

A decisão dos membros do Comitê de Política Monetária foi tomada por unanimidade.

O mercado estava dividido entre a aposta de um corte de 0,25 ponto percentual ou de 0,50. Estacionada nos 6,5% há mais de um ano, a Selic passa para os 6% ao ano — uma nova mínima histórica no Brasil.  

No comunicado, o Copom destacou o avanço do processo de reformas e sinaliza um corte de mesma magnitude na próxima reunião: "o Copom avalia que a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir ajuste adicional no grau de estímulo”.

 

6ª Reunião do Copom em 2019 - 17/09/19 e 18/09/19

O Comitê de Política Monetária decidiu, na sexta reunião do ano, por unanimidade, reduzir a taxa básica de juros em 0,50 ponto porcentual, para 5,50% ao ano. O corte confirma a expectativa do mercado financeiro. 

Este foi o segundo corte da taxa no atual ciclo, após período de 16 meses de estabilidade. Também foi a segunda redução consecutiva dos juros. Com isso, a Taxa Selic atingiu um novo piso da série histórica do Copom, iniciada em junho de 1996.

Em sua 225ª reunião, o Copom avaliou que o processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira tem avançado, mas enfatizou que perseverar nesse processo é essencial para a queda da taxa de juros estrutural e para a recuperação sustentável da economia. O Comitê também ressaltou ainda que a percepção de continuidade da agenda de reformas afeta as expectativas e projeções macroeconômicas correntes. Em particular, o Comitê julga que avanços concretos nessa agenda são fundamentais para consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva.

Na avaliação do Copom, a evolução do cenário básico e do balanço de riscos prescreve ajuste no grau de estímulo monetário, com redução da taxa Selic em 0,50 ponto percentual. O Comitê avalia que a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir ajuste adicional no grau de estímulo. O Copom reitera que a comunicação dessa avaliação não restringe sua próxima decisão e enfatiza que os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação.

 

Entenda o que é a Taxa Selic

Também chamada de taxa básica de juros da economia brasileira, a Taxa Selic é a taxa de financiamento utilizada no mercado interbancário para remunerar as operações de um dia de duração (overnight), que possuem lastro em títulos públicos federais listados e negociados no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (SELIC) do Banco Central do Brasil (BC).

Em outras palavras, a Taxa Selic é a taxa de juros utilizada para transações de empréstimo de curto prazo de banco para banco, que utilizam títulos públicos federais como garantia, visando reduzir o risco, e, consequentemente, a remuneração da transação. Essa taxa é expressa na forma anual para 252 dias úteis.

Saiba mais sobre a Taxa Selic

 

Últimas notícias

FGV: prévia aponta recuo na confiança da indústria em outubro

©
A pesquisa prévia da Sondagem da Indústria, realizada pela Fundação...
 

Prévia da inflação é de 0,09% na menor taxa para outubro desde 1998

A prévia da inflação de outubro é de 0,09%. O Índice Nacional de...
 

Mercado financeiro reduz estimativa de inflação para 3,28% em 2019

Instituições financeiras reduziram, pela décima vez seguida, a estimativa para a...
 

Índice oficial de preços tem deflação de 0,04% em setembro

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado o oficial do...
 
Seu Histórico Recente
BOV
VALE5
Vale PNA
BOV
IBOV
iBovespa
BOV
PETR4
Petrobras
BOV
IGBR3
IGB SA
FX
USDBRL
Dólar EUA ..
Ações já vistas aparecerão nesta caixa, facilitando a volta para cotações pesquisadas anteriormente.

Registre-se agora para criar sua própria lista de ações customizada.

Ao acessar os serviços da ADVFN você estará de acordo com os Termos e Condições

P: V:br D:20191024 04:05:18