Fluxo Cambial

O fluxo cambial indica o volume de divisas externas que entram ou saem do Brasil. Ele é calculado com base nos saldos do fluxo financeiro (investimentos em títulos, remessas de lucros e dividendos ao exterior e investimentos estrangeiros diretos, entre outras operações) e do fluxo comercial (operações de câmbio relacionadas a exportações e importações).

Fluxo Cambial = Saldo Comercial + Saldo Financeiro

O volume de moedas estrangeiras que entram e saem do Brasil é divulgado semanalmente pelo Banco Central (BC), com os valores convertidos em dólares norte-americanos. A divulgação do fluxo cambial em bases semanais é realizada desde 1982, ano de início da série histórica do indicador.

 

Saldo Comercial

O saldo comercial é o indicador econômico que representa a relação entre o total de exportações e importações de bens e serviços de um país em determinado período.

Saldo Comercial = Exportações - Importações

Quando o total de exportações de bens e serviços for superior ao total de importações, registra-se um superávit no saldo comercial. O superávit comercial é um fator positivo na economia de um país, já que mostra que o mesmo está exportando (vendendo) mais bens e serviços do que está importando (comprando). O resultado positivo do saldo comercial gera um lucro que pode ser utilizado para investir no próprio sistema econômico do país.

Superávit do Saldo Comercial = Exportações > Importações

Quando o total de exportações de bens e serviços for inferior ao total de importações, registra-se um déficit no saldo comercial. O déficit comercial é um fator negativo na economia de um país, já que mostra que o mesmo está exportando (vendendo) menos bens e serviços do que está importando (comprando). O resultado negativo do saldo comercial gera um prejuízo que deve ser coberto pelas reservas financeiras do país.

Déficit do Saldo Comercial = Importações > Exportações

Quando o saldo do fluxo cambial é positivo significa que entraram no País mais divisas do que saíram. Quando ocorre o movimento contrário, o saldo do fluxo cambial é negativo, significando que saíram do País mais divisas do que entraram.

 

Saldo Financeiro

O saldo financeiro refere-se ao movimento de fluxos financeiros entre o país e o exterior, comportando cinco tipos de operações: 

Investimento Estrangeiro Direto

Saldo entre o valor total empregado por investidores não residentes para a compra ou criação de uma nova empresa no país (Investimento Estrangeiro Direto do Exterior no País) e o valor total empregado por investidores residentes para a compra ou criação de uma nova empresa no exterior (Investimento Estrangeiro Direto do País no Exterior).

Investimento de Carteira

Saldo entre a compra, no país, de produtos financeiros por investidores não residentes (Investimento de Carteira do Exterior no País) e a compra, no exterior, de produtos financeiros por investidores residentes no país (Investimento de Carteira do País no Exterior). O investimento em carteira refere-se à compra e venda de ações de empresas e títulos públicos e privados, que ocorrem no ambiente de bolsa de valores e/ou mercado de balcão de títulos e ações. 

Investimento em Derivados Financeiros

Saldo entre a compra, no país, de drivados financeiros por investidores não residentes (Investimento em Derivados Financeiros do Exterior no País) e a compra, no exterior, de derivados financeiros por investidores residentes no país (Investimento em Derivados Financeiros do País no Exterior). O investimento em derivados financeiros refere-se à compra e venda de contratos com vencimento futuro de instrumentos financeiros, que ocorrem no ambiente de bolsa de mercadorias e futuros.

Outro Investimento

Este investimento corresponde aos créditos comerciais e aos ativos não considerados reserva, incluindo também a obtenção de empréstimos por residentes ou a constituição de depósitos em bancos não residentes.

Ativos de Reservas

Este item inclui os ativos de investidores não residentes no país, expressos em moedas estrangeiras. Exemplo: títulos do Banco do Brasil denominados em real e emitidos por entidades estrangeiras.

 

Fluxo Cambial Positivo

Quando o saldo do fluxo cambial é positivo significa que entraram no país, em determinado período, mais divisas – expressas em dólar – do que saíram. Ou seja, somando todos os valores que entraram e que saíram entre as operações comerciais e financeiras do Brasil com os demais países, o total de valores (previamente convertidos em dólares norte-americanos) que entrou no país foi superior ao que saiu.

 

Fluxo Cambial Negativo

Quando o saldo do fluxo cambial é negativo significa que saíram do país, em determinado período, mais divisas – expressas em dólar – do que emtraram. Ou seja, somando todos os valores que entraram e que saíram entre as operações comerciais e financeiras do Brasil com os demais países, o total de valores (previamente convertidos em dólares norte-americanos) que saiu do país foi superior ao que entrou.

 

Fluxo Cambial x Cotação do Dólar

O fluxo cambial demonstra a quantidade de fluxos de capital, que são direcionados para dentro e para fora do país por investidores estrangeiros. Um fluxo de capital positivo é essencial para a economia de mercados em desenvolvimento e emergentes. Ele contribui para o aumento de investimentos e para o financiamento de eventuais déficits em conta.

Um fluxo cambial positivo tende a aumentar a oferta de dólar no país, diminuindo a pressão compradora, o que faz com que o preço da moeda norte-americana caia ante o real. Por outro lado, um fluxo cambial negativo tende a diminuir a oferta de dólar no país, aumentando a pressão compradora, o que faz com que o preço da moeda norte-americana suba ante o real.

Uma entrada de dólares no país maior do que a esperada deve ser considerada como um fator positivo (bullish) para o real brasileiro (BRL). Por sua vez, uma saída de dólares acima do esperado deve ser tomada como um fator negativo (bearish) para o BRL.

 

Fluxo Cambial do Brasil em 2019

Encerrada a vigésima segunda semana do ano, o Brasil apresentou um fluxo cambial positivo de US$ 3,164 bilhões no acumulado de 2019. Esse resultado é fruto de um saldo comercial acumulado positivo de US$ 10,057 bilhões e de um saldo financeiro acumulado negativo de US$ 6,893 bilhões.

Saiba Mais

Fluxo Cambial do Brasil em 2018

O fluxo cambial total de 2018 ficou negativo em US$ 995 milhões. Em 2017, o resultado havia sido positivo em US$ 625 milhões.

O montante representa a totalidade do movimento do ano passado, porque no dia 31 de dezembro não houve registro de operações. Chama atenção o fato de o fluxo acumulado em 2018 ter passado de positivo para negativo na semana passada. Isso ocorreu em função do forte movimento de remessas na conta financeira visto em dezembro, com empresas e fundos enviando recursos ao exterior.

A saída pelo canal financeiro em 2018 foi de US$ 48,735 bilhões. O resultado é fruto de aportes no valor de US$ 524,655 bilhões e de envios no total de US$ 573,390 bilhões. O segmento reúne os investimentos estrangeiros diretos e em carteira, remessas de lucro e pagamento de juros, entre outras operações.

No comércio exterior, o saldo anual acumulado em 2018 ficou positivo em US$ 47,740 bilhões, com importações de US$ 179,080 bilhões e exportações de US$ 226,820 bilhões. Nas exportações estão incluídos US$ 34,173 bilhões em Adiantamento de Contrato de Câmbio (ACC), US$ 74,912 bilhões em Pagamento Antecipado (PA) e US$ 117,735 bilhões em outras entradas.

Saiba Mais

Fluxo Cambial do Brasil em 2017

Em 2017, as atividades econômicas diversas trouxeram mais dólares para o Brasil do que levaram para fora do país. Ao todo, o saldo positivo foi de US$ 625 milhões. No total, a entrada de dólares em transações chegou a US$ 678,336 bilhões, enquanto a saída somou US$ 677,711 bilhões.

Na balança comercial, as exportações totalizaram US$ 195,612 bilhões, enquanto a saída foi de US$ 142,688 bilhões, resultando em um superavit de US$ 52,924 bilhões. Nas transações envolvendo papel-moeda, o desempenho foi o inverso, com compras de US$ 482,724 bilhões e vendas de US$ 535,023 bilhões, produzindo um deficit de US$ 52,299 bilhões.

O superavit comercial recorde em 2017 se deveu ao aumento das exportações e das importações durante o ano. Bem diferente do saldo aferido em 2016, quando o resultado positivo ocorreu em virtude de uma queda nas importações de 20% e também das exportações de 3,5%, em relação a 2015. 

 

Fluxo Cambial do Brasil em 2016

O Brasil fechou 2016 com saldo de fluxo cambial negativo, repetindo o que ocorrera em 2013 e 2014. Isso significa que saíram mais dólares do país do que entraram ao longo do ano. O fluxo cambial brasileiro ficou negativo em US$ 4,2542 bilhões.

Apesar do ótimo ano para a balança comercial brasileira, que registrou um superávit de US$ 47,309 bilhões, o saldo negativo de US$ 51,562 bilhões da balança financeira acabou sendo primordial para o resultado final.

 

Fluxo Cambial do Brasil em 2015

Em 2015, mesmo com toda a desconfiança política, em relação ao Governo Federal recém reeleito, e de diversos indicadores econômicos bastante ruins, que levaram o Brasil a perder o selo de bom pagador por duas agências de classificação de risco, o fluxo cambial total brasileiro ficou positivo em US$ 9,414 bilhões.

Este foi o melhor resultado referente ao fluxo cambial, para o período de um ano, desde 2012. A entrada líquida de US$ 25,486 bilhões através da balança comercial, que registrou seu melhor desempenho desde 2011, mais do que compensou o terceiro déficit consecutivo registrado pela balança financeira.

O bom resultado vem em um ano marcado pela forte alta do dólar em relação ao real, que torna os produtos brasileiros mais baratos para compradores estrangeiros. A moeda norte-americana subiu 48,5% em 2015, registrando a maior valorização nos últimos treze anos. Ainda assim, a balança financeira – por onde passam os investimentos estrangeiros diretos, em portfólio e outros – terminou o ano com um déficit de US$ 16,071 bilhões. Mesmo com a taxa básica de juros brasileira estipulada 14,25% ao ano, maior nível desde 2006, os investidores estrangeiros preferiram tirar seus investimentos do país.

 

Fluxo Cambial do Brasil em 2014

O fluxo cambial brasileiro encerrou o ano de 2014 negativo em US$ 9,287 bilhões. Isso significa que a saída de dólares do país superou a entrada.

O saldo negativo no ano foi causado, principalmente, pelo segmento financeiro (investimentos em títulos, remessas de lucros e dividendos ao exterior e investimentos estrangeiros diretos, entre outras operações), que apresentou saídas em dólares maiores que entradas em US$ 13,424 bilhões.

O segmento comercial (operações de câmbio relacionadas a exportações e importações), por sua vez, registrou saldo positivo de US$ 4,137 bilhões.

 

Fluxo Cambial do Brasil em 2013 

O fluxo cambial brasileiro registrou déficit de US$ 12,261 bilhões em 2013, o pior resultado em mais de uma década, num sinal de que as saídas de recursos devem continuar e colocar mais pressão sobre a cotação do dólar em relação ao real. O resultado de 2013 também foi o primeiro negativo desde 2008, no auge da crise financeira global. 

O resultado negativo no ano é o pior desde 2002, quando o saldo foi negativo em US$ 12,989 bilhões, e foi afetado pelo forte déficit na conta financeira, de US$ 23,396 bilhões no período. Já a conta comercial registrou entrada líquida de US$ 11,136 bilhões em 2013.

 

Seu Histórico Recente
BOV
VALE5
Vale PNA
BOV
IBOV
iBovespa
BOV
PETR4
Petrobras
BOV
IGBR3
IGB SA
FX
USDBRL
Dólar EUA ..
Ações já vistas aparecerão nesta caixa, facilitando a volta para cotações pesquisadas anteriormente.

Registre-se agora para criar sua própria lista de ações customizada.

Ao acessar os serviços da ADVFN você estará de acordo com os Termos e Condições

P: V:br D:20190620 05:19:10