Relatório sobre os resultados operacionais e financeiros da BR Properties (BRPR3) no 2° trimestre de 2015

LinkedIn

Em 04 de Agosto de 2015, a BR Properties divulgou relatório sobre seus resultados operacionais e financeiros durante o segundo trimestre de 2015. As informações financeiras e operacionais contidas nesse relatório, exceto quando indicado de outra forma, são apresentadas em bases consolidadas, em reais brasileiros, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, incluindo a Legislação Societária e a convergência às normas internacionais do IFRS. As comparações realizadas neste comunicado levam em consideração o segundo trimestre de 2014, exceto quando especificado em contrário.

A BR Properties (BRPR3) atua na aquisição, leasing, gerenciamento, desenvolvimento e venda de propriedades comerciais, incluindo  espaço para escritórios, armazéns industriais e lojas de varejo. A empresa deriva a receita dos aluguéis através do gerenciamento de propriedades especializado, além de agregar valor às suas propriedades através de melhorias, expansões de área a ser alugada e redução do custo de ocupação. A BR Properties também oferece transações de venda e arrendamento e serviços de locação customizados, além de desenvolver propriedades comerciais para leasing.

 

 

Conjuntura Econômica da BR Properties no 2° Trimestre de 2015

BR Properties (BRPR3) registrou receita líquida de R$177,4 milhões no segundo trimestre de 2015. Considerando as mesmas propriedades, a receita líquida no segundo trimestre de 2014 foi de R$169,2 milhões, representando um aumento de 5% no período.

A Companhia apresentou no segundo trimestre de 2015 EBITDA ajustado de R$157,9 milhões, com margem de 89%.

O lucro líquido registrado no segundo trimestre de 2015 foi de R$34,9 milhões, representando margem líquida de 20%.

O FFO ajustado do segundo trimestre de 2015 foi de R$24,2 milhões, com margem FFO de 14%.

O aluguel médio por m² das mesmas propriedades cresceu 3,6% nos últimos 12 meses.

Ainda no trimestre, a companhia renovou e renegociou 208.742 m² de ABL do portfólio, com um aumento nominal nos aluguéis de 2% sobre os contratos anteriores.

O portfólio da BR Properties fechou o trimestre com taxas de vacância financeira e física consolidadas de 10,4% e 9,8%, respectivamente. Se excluídas as vacâncias do recém-entregue Ed. Vargas, as taxas de vacância financeira e física seriam de 9,4% e 8,7%, respectivamente.

Ao final do segundo trimestre de 2015 a Companhia apresentou dívida líquida de R$3.897,2 milhões. Redução de 8% em relação ao segundo trimestre de 2014, quando a mesma totalizou R$4.219,9 milhões.

O custo médio da dívida ao final do trimestre era de 13,97%, ou 98,9% do CDI.

A Companhia contratou no trimestre empréstimo de R$30,0 milhões para o financiamento do projeto de retrofit do Ed. Vargas.

No mês de maio foram pagos dividendos ordinários no montante de R$ 66,1 milhões ou R$0,22 por ação.

Como parte de sua estratégia de reciclagem, a companhia realizou a venda do Ed. Raja Hills por R$36,0 milhões, um imóvel de qualidade “B” localizado em Belo Horizonte – MG.

No mês de junho foi emitido o certificado de Habite-se referente ao imóvel JK Torre B e, portanto, passará a gerar receita de locação a partir do terceiro trimestre de 2015. Vale destacar que o JK Torre B já se encontra 98% ocupado.

 

 

A receita líquida da BR Properties no 2° Trimestre de 2015

A receita líquida da BR Properties (BRPR3) foi de R$177,4 milhões, que corresponde a um aumento de 5% em relação ao segundo trimestre de 2014, se consideramos a receita das mesmas propriedades.

A receita bruta ao final do segundo trimestre de 2015 totalizou R$193,8 milhões, correspondendo a um aumento de 7% em relação ao segundo trimestre de 2014, se consideramos a receita das mesmas propriedades. 85%, ou R$165,5 milhões, resultaram da receita de locação de escritórios; 10%, ou R$18,6 milhões, resultaram da receita de locação de imóveis industriais; 1%, ou R$2,8 milhões, resultou da receita de locação de imóveis de varejo; 2%, ou R$4,5 milhões, resultaram da receita de serviços (administração predial); 1%, ou R$2,4 milhões resultou da linearização da receita.

 

 

O lucro líquido da BR Properties no 2° Trimestre de 2015

O lucro líquido da BR Properties (BRPR3) no segundo trimestre de 2015 registrou R$ 34.901 milhões. No segundo trimestre de 2014, o lucro líquido totalizou R$ 182.892 milhões, 80,92% superior ao trimestre atual.

 

 

Despesas gerais e administrativas da BR Properties no 2° Trimestre de 2015

As despesas gerais e administrativas da BR Properties (BRPR3), excluindo despesas com vacância e plano de opções, alcançaram o montante de R$12,3 milhões, enquanto no segundo trimestre de 2014 essas despesas totalizavam R$14,0 milhões, uma redução de 12%. As despesas gerais e administrativas (ex-vacância e SOP) representaram 7% da receita líquida, 1% acima do valor registrado no mesmo período do ano passado. Este resultado é explicado pela perda na economia de escala em decorrência das vendas de ativos realizadas nos últimos 12 meses.

 

 

O EBTIDA da BR Properties no 2° Trimestre de 2015

O EBITDA ajustado da BR Properties (BRPR3), excluídas despesas não caixa como provisão de bônus e plano de opções, alcançou R$157,9 milhões no segundo trimestre de 2015, redução de 23% em comparação com o segundo trimestre de 2014, com uma margem EBITDA ajustada de 89%, uma das mais altas do setor. A redução no EBITDA ajustado é explicada pela perda de receita de aluguel resultante das vendas de ativos ocorridas – totalizando R$3,0 bilhões – nos últimos 12 meses, que representavam um EBITDA de aproximadamente de R$53,0 milhões por trimestre.

 

 

Resultado financeiro líquid0 da BR Properties no 2° Trimestre de 2015

No segundo trimestre de 2015 as despesas financeiras líquidas da BR Properties (BRPR3) totalizaram R$96,6 milhões, o que corresponde a uma redução de 13% em relação ao segundo trimestre de 2014, quando o resultado financeiro apresentou uma despesa financeira líquida de R$111,6 milhões. Excluindo os efeitos não caixa na contabilização do bônus perpétuo denominado em dólar e variações de instrumentos derivativos, a despesa financeira líquida do segundo trimestre de 2015 totaliza R$119,7 milhões.

 

 

O endividamento da BR Properties no 2° Trimestre de 2015

A dívida bruta da BR Properties (BRPR3) no segundo trimestre de 2015 registrou R$ 4.318.477 bilhões. No primeiro trimestre de 2015, a dívida bruta totalizou R$ 4.353.635 bilhões, 0,81% superior ao trimestre atual.

A dívida líquida da BR Properties (BRPR3) no segundo trimestre de 2015 registrou R$ 3.897.209 bilhões. No primeiro trimestre de 2015, a dívida bruta totalizou R$3.838.605 bilhões, -1,53% inferior ao trimestre atual.

 

 

Os ativos totais da BR Properties no 2° Trimestre de 2015

Os ativos totais da BR Properties (BRPR3) no segundo trimestre de 2015 totalizaram R$ 12.128.071 bilhões, enquanto no primeiro trimestre de 2015 foram de R$ 12.152.930, 0,20% superior ao trimestre atual.

 

 

Patrimônio Líquido da BR Properties no 2° Trimestre de 2015

O patrimônio líquido da BR Properties (BRPR3) no segundo trimestre de 2015 totalizou R$ 6.138.570 bilhões, enquanto no primeiro trimestre de 2015 foi de R$ 6.101.127, 0,61% inferior ao trimestre atual.

 

 

A BR Properties no Mercado de Capitais

Negociada no Mercado Bovespa desde 22 de Outubro de 2007, a BRPR3 pertence à lista de ativos do Novo Mercado da principal bolsa de valores brasileira. Atualmente, das 298.228.434 ações ordinárias que compõem o capital social da BR Properties, 295.259.171 estão em circulação no mercado.

Dentre os direitos que a BR Properties garante ao acionista BRPR3, estão: o direito de tag along de 100%; o direito a voto pleno; o direito ao dividendo mínimo obrigatório sobre o lucro líquido de cada exercício social; e o direito de reembolso de capital.

A BR Properties (BRPR3) assegura ao investidor detentor de ações ordinárias BRPR3 o direito de tag along de 100% sobre o preço pago pelas ações ordinárias do acionista controlador no caso de venda do controle acionário da empresa.

Os acionistas BRPR3 têm direito a dividendos sobre o lucro, após as retenções estatutárias e previstas em lei. Será destinado valor anual obrigatório correspondente a 25% do lucro líquido do exercício, ajustado na forma da Lei das Sociedades por Ações. O Conselho de Administração pode declarar dividendos intermediários a débito da conta de lucros acumulados ou reservas de lucros existentes no último balanço anual ou semestral, se houver revisão estatutária. Adicionalmente, o Conselho de Administração pode declarar dividendos com base no lucro líquido constante do balanço semestral ou trimestral, se autorizado pelo estatuto social. A BR Properties (BRPR3) paga os dividendos às pessoas que, na data do ato da declaração do dividendo, estiverem inscritas como proprietárias ou usufrutuárias de ações de emissão da empresa.

Sobre a política de reembolso de capital da companhia, o valor a ser pago aos acionistas com direito de retirar-se da BR Properties (BRPR3) será calculado com base no valor econômico da mesma, caso o valor econômico seja inferior ao valor de patrimônio líquido constante do balanço aprovado pela última Assembleia Geral. O valor patrimonial líquido será utilizado para cálculo do reembolso aos acionistas nos casos em que for inferior ao valor econômico da companhia. No caso do exercício do direito de retirada, os acionistas terão direito a receber o valor contábil de suas ações, com base no último balanço aprovado pela Assembléia Geral. Se, todavia, a deliberação que ensejou o direito de retirada tiver ocorrido mais de 60 dias depois da data do último balanço aprovado, o acionista poderá solicitar levantamento de balanço especial levantado em data não anterior a 60 dias da data da deliberação, para avaliação do valor de suas ações. Nesse caso, devemos pagar imediatamente 80% do valor de reembolso calculado com base no último balanço aprovado.

Cabe salientar que, de acordo com a Lei das Sociedades por Ações, nem o Estatuto Social e tampouco as deliberações adotadas pelos acionistas da BR Properties (BRPR3) em Assembleias Gerais podem privar os acionistas dos seguintes direitos: direito de participar na distribuição dos lucros; direito a participar, na proporção da sua participação no capital social, na distribuição de quaisquer ativos remanescentes na hipótese de liquidação da companhia; direito de preferência na subscrição de ações, debêntures conversíveis em ações ou bônus de subscrição, exceto em determinadas circunstâncias previstas na Lei das Sociedades por Ações; direito de fiscalizar, na forma prevista na Lei das Sociedades por Ações, a gestão dos negócios sociais; e direito a retirar-se nos casos previstos na Lei das Sociedades por Ações.

 

 

Notícias Relacionadas

Relatório sobre os resultados operacionais e financeiros da BR Properties (BRPR3) no 1° trimestre de 2015

Deixe um comentário