GPC Participações (GPCP3 e GPCP4) apresentou lucro de R$ 114.46 milhões em 2017

LinkedIn

A companhia GPC Participações anunciou um lucro líquido de R$ 114.46 milhões em 2017, valor 97,48% superior ao lucro líquido apurado no ano anterior (R$ 57.96 milhões). O desempenho da companhia no ano também foi superior ao valor médio dos cinco anos anteriores (prejuízo médio anual de R$ 4.26 milhões).

A receita líquida da companhia aumentou 10,50% de um ano para o outro, passando de R$ 437.89 milhões em 2016 para R$ 483.88 milhões em 2017. Esse montante também foi maior que o valor médio dos últimos cinco anos (R$ 407.24 milhões), quando a receita líquida da companhia GPC Participações cresceu, em média, 8,49% por ano.

Os ativos totais da GPC Participações totalizaram R$ 809.69 milhões no 4º trimestre de 2017, soma 11,39% maior que o saldo de R$ 726.91 milhões registrado no encerramento do mesmo período do ano anterior.

O patrimônio líquido da companhia, por sua vez, apresentou expansão de 1.285,88%, ao comparar todos os valores contábeis que os seus sócios possuíam no fechamento do 4º trimestre de 2017 (R$ 182.77 milhões) com a mesma data em 2016 (R$ 13.19 milhões).

A dívida líquida ficou em R$ 112.74 milhões no encerramento do 4º trimestre de 2017, queda de 35,40% ante os R$ 174.52 milhões registrados no ano anterior.

Todos estes dados referem-se à consolidação do resultado financeiro da companhia GPC Participações (BOV:GPCP3 e BOV:GPCP4) com o resultado financeiro de todas as suas companhias subsidiárias (empresas controladas, de maneira direta ou indireta, pela companhia) relacionadas ao ano de 2017.

Resultado da GPC Participações no 4º Trimestre de 2017

A companhia GPC Part anunciou um lucro líquido de R$ 124.9 milhões no 4º trimestre de 2017, valor 103,01% superior ao lucro líquido apurado no mesmo período do ano anterior (R$ 61.52 milhões). Já a receita líquida da companhia aumentou 39,46% de um ano para o outro, passando de R$ 99.08 milhões no 4º trimestre de 2016 para R$ 138.18 milhões no 4º trimestre de 2017.

Acesse o balanço financeiro completo desta companhia, clicando aqui. Não deixe de conferir também seus indicadores fundamentalistas, clicando aqui.

Conheça a GPC Participações

Fundado em 1929 pelo patriarca, Antônio Joaquim, o Grupo Peixoto de Castro já foi um dos mais importantes conglomerados do país. No auge, foi dono da Refinaria de Manguinhos e de cinco outras empresas.

A decadência financeira começou em 2005, quando a refinaria paralisou parte da produção em razão da alta do preço internacional do petróleo e da competição com a Petrobras.

Endividada, a família vendeu a empresa em dezembro de 2008. Os outros negócios do clã foram caindo como dominós. Em abril, o grupo pediu recuperação judicial para se proteger dos credores da dívida de 248 milhões de reais. As ações do grupo na bolsa de valores foram suspensas.

O pedido de recuperação judicial é efeito direto do rolo em que os Peixoto de Castro se meteram com seu banco, o Prosper — liquidado em 2012 pelo Banco Central após anos de problemas. Em 2008, durante a crise que se abateu sobre os bancos médios brasileiros, o Prosper esteve perto de quebrar.

Para continuar vivo, o banco negociou um empréstimo de cerca de 50 milhões de reais com o Fundo Garantidor de Créditos (FGC), órgão que protege depósitos de correntistas de bancos brasileiros. Mas a solução foi temporária. Em 2011, o patrimônio do Prosper ficou abaixo do patamar mínimo exigido pelo Banco Central.

Os donos resolveram vender. No fim de 2011, bateram à porta dos Índio da Costa, então donos do banco Cruzeiro do Sul e com quem tinham uma relação de longa data.  Além de membros das duas famílias serem colegas no conselho consultivo do Jockey Club, no Rio de Janeiro, seus bancos venderam carteiras de crédito um ao outro no passado.

A compra do Prosper pelo Cruzeiro do Sul foi fechada no fim de 2011 por 55 milhões de reais (10 milhões para a família, 45 para pagar o empréstimo com o FGC). Só que, em junho do ano passado, o Banco Central interveio no Cruzeiro do Sul por suspeita de irregularidades.

Usuários ADVFN acompanham, gratuitamente e em tempo real, a cotação de todas as ações negociadas na BM&FBOVESPA através das ferramentas Monitor, Cotação e Gráfico.

Deixe um comentário