Semanário Bovespa: índice valoriza 3% repercutindo a cena interna e com aversão ao exterior

LinkedIn

Nesta semana, o Ibovespa teve valorização de 3%, em meio as tensões dos investidores com relação ao exterior e a política brasileira.

Dados da pesquisa Ibope divulgado na última quinta-feira (28), apontaram que, no cenário sem a participação do ex-presidente Lula, Jair Bolsonaro (PSL) lidera com 17%, seguido de Marina Silva (Rede), com 13%, Ciro Gomes (PDT), com 8%, e Geraldo Alckmin (PSDB) com 6%. Candidatos como Álvaro Dias (Podemos) tem 3%, e Fernando Haddad (PT) com 2% das intenções.

 Na sexta (29), o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), foi sorteado relator de uma reclamação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra decisão do ministro Edson Fachin, que enviou um pedido de liberdade do ex-presidente para ser julgado pelo plenário, e não pela Segunda Turma, como planejavam os advogados. No entanto, o julgamento do pedido do petista será avaliado apenas no dia 8 de gosto, devido a sessão de ontem (29) ser o último dia antes dos ministros tirarem o recesso forense.
Ainda em Brasilia, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu na terça-feira (26) soltar o ex-ministro José Dirceu que cumpria a pena de 30 anos de prisão na Operação Lava Jato. A medida partiu através de um  habeas corpus protocolado pela defesa de Dirceu. Votaram pela soltura o relator, Dias Toffoli, e os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski.
Outro politico que também recebeu liberdade nesta semana foi o deputado Eduardo Cunha. Preso desde 2016 pela Operação Lava Jato, Cunha, foi solto no final da tarde da última quinta-feira (28) a pedido do ministro Marco Aurelio Mello, do Supremo Tribunal Federal. Entretanto, o deputado seguirá preso devido a outros mandados de prisão decretados pelas justiças federais de Brasilia e do Paraná, onde ele é suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro, vinculados a Petrobras e a Caixa Econômica Federal.

Histórico

Ontem (29), o indicador teve alta de 1,39%, cotado a 72.762,51 pontos. Os

Após 21 pregões em junho, o índice desvalorizou 5,20%. Houveram 10 fechamentos positivos contra 11 negativos. Em maio, o indicador fechou com 76.753,62 pontos.

Já no comparativo com 2017, após 123 pregões, o Ibovespa desvalorizou 4,76%. Já foram 63 fechamentos positivos contra 60 negativos. Ano passado, o índice fechou com 76.402,08 pontos.

Resumo da Semana

Na segunda-feira (25), o Ibovespa aumentou 0,44%, cotado a 70.952,97 pontos. No dia seguinte, ele ampliou 0,64%, cotado a 71.404,59 pontos.

No meio da semana, o indicador recuou 1,11%, cotado a 70.609,00 pontos. Na quinta-feira (28), o indicador elevou de 1,64%, cotado a 71.766,52 pontos.

Ontem (29), o indicador teve alta de 1,39%, cotado a 72.762,51 pontos.

Deixe um comentário