Futuros do petróleo abrem em queda após acordo com corte histórico na produção

LinkedIn

Os preços do petróleo caíram no início do pré-market após a OPEP e seus aliados concordarem em reduzir a produção em 9,7 milhões de barris por dia. O acordo, que foi finalizado no domingo após discussões em maratonas que duraram quatro dias, é o maior corte de produção da história.

FuturoPetroleo120420

Acompanhe as ações do Brent, WTI e mais de 70 bolsas em tempo real no Monitor ADVFN

O grupo, conhecido como OPEP +, propôs inicialmente cortar a produção em 10 milhões de barris por dia – correspondendo a cerca de 10% do suprimento global de petróleo – na quinta-feira, mas o México se opôs à quantia que estava sendo solicitada a cortar, atrasando o acordo final. Sob o novo acordo, o México cortará 100.000 barris por dia, em vez de sua alocação inicial de 400.000 barris por dia.

O corte de 9,7 milhões de barris por dia começará em 1º de maio e se estenderá até o final de junho. Os cortes serão reduzidos para oito milhões de barris por dia, de julho até o final de 2020, e seis milhões de barris por dia, de janeiro de 2021 a abril de 2022.

“Medidas sem precedentes para tempos sem precedentes”, escreveu Ed Morse, chefe global de commodities do Citi, em nota aos clientes no domingo. Morse disse que o corte terá um impacto significativo na segunda metade do ano e ajudará a elevar os preços para US $ 40 no final do ano, mas que haverá dor de curto prazo enquanto o mercado se reequilibra.

“É simplesmente tarde demais para impedir a criação de um estoque super grande de mais de um bilhão de barris entre meados de março e o final de maio e impedir que os preços spot caiam em um dígito”, disse ele.

Na quinta-feira, o petróleo bruto do WTI caiu mais de 9%, já que os comerciantes temiam que o corte não fosse grande o suficiente para combater a queda na demanda causada pela pandemia de coronavírus. No ano, o WTI caiu 62%, enquanto o Brent perdeu 52%.

“Isso é pelo menos um alívio temporário para o setor de energia e para a economia global”, disse o chefe de análise da Rystad Energy, Per Magnus Nysveen, por email. “Embora os cortes na produção sejam menores do que o mercado precisava e apenas adie o problema de restrições de construção de estoque, o pior é agora evitado.”

O presidente Donald Trump, que estava fortemente envolvido na intermediação de um acordo entre a Arábia Saudita e a Rússia após o início de uma guerra de preços entre os dois países, aplaudiu o acordo dizendo em um tweet que é “um grande negócio para todos”. “Isso economizará centenas de milhares de empregos em energia nos Estados Unidos”, acrescentou.

A OPEP + espera que países fora do grupo, incluindo EUA, Canadá, Brasil e Noruega, também reduzam a produção, em um esforço para aumentar os preços. Trump disse que as forças do mercado reduzirão naturalmente a produção.

 

Deixe um comentário