FinCen: A resposta dos principais bancos envolvidos em relatório de fraude

LinkedIn

O setor financeiro global está sob os holofotes novamente depois que uma série de documentos vazados mostram anos de transações realizadas pelos maiores bancos do mundo, vinculadas à lavagem de dinheiro, corrupção e fraude.

O relatório, que foi apelidado como “os arquivos de FinCEN”, foi divulgado pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos e com base em documentos vazados obtidos pelo BuzzFeed New.

Em alguns casos, os bancos continuaram movimentando fundos ilícitos após receberem advertências de autoridades americanas. Aqui estão alguns dos principais fatos e números.

Quanto dinheiro está envolvido?

Os bancos movimentaram mais de US $ 2 trilhões em transferências que seus próprios diretores de conformidade sinalizaram como suspeitos em cerca de 2.100 registros na Rede de Execução de Crimes Financeiros do Tesouro dos EUA, ou FinCEN. Os documentos cobrem principalmente os pagamentos de 2011 a 2017. Os registros analisados ​​representam apenas 0,02% dos mais de 12 milhões de relatórios de atividades suspeitas arquivados naquele período.

Quem está listado?

Quase 90 instituições financeiras aparecem nos documentos, incluindo muitos dos maiores bancos do mundo.

O Deutsche Bank AG administrou cerca de US$ 1,3 trilhão em transações suspeitas. O JPMorgan Chase & Co. processou US$ 514 bilhões, o Standard Chartered Plc , US$ 166 bilhões e o Bank of New York Mellon Corp., US$ 64 bilhões. No HSBC Holdings Plc, US$4,5 bilhões. Outras instituições nomeadas incluem Barclays Plc, Societe Generale SA, State Street Corp., Commerzbank AG e China Investment Corp.

Centenas de milhões de dólares em dinheiro russo e ucraniano passaram pelo ING Bank Slaski SA, escreveu o jornal polonês Gazeta Wyborcza no domingo. Os fundos foram transferidos através da unidade para paraísos fiscais, como no Chipre, até 2016.

O relatório observou que o JPMorgan moveu mais de US $ 1 bilhão para o financista fugitivo por trás do escândalo do 1MDB na Malásia, com base em registros. O banco também processou pagamentos para Paul Manafort, o ex-gerente de campanha do presidente Donald Trump, depois que ele renunciou à campanha em meio a alegações de lavagem de dinheiro e corrupção de seu trabalho com um partido político pró-russo na Ucrânia, de acordo com a investigação.

O que está em questão?

Os bancos são obrigados a apresentar Relatórios de Atividades Suspeitas, ou SARs, com o governo dos Estados Unidos dentro de 30 ou 60 dias após saber de uma transação questionável. Os relatórios não são necessariamente indicativos de conduta criminosa ou outras irregularidades, mas refletem as preocupações dos responsáveis ​​pela conformidade.

Multas cobradas contra o HSBC e o Standard Chartered em 2012 geraram um aumento nos relatórios de atividades suspeitas, por volta de 60.000 naquele ano para mais de 2 milhões anualmente nos últimos anos. As autoridades acompanham os bancos em cerca de 4% dos relatórios, de acordo com uma pesquisa de 2018 com os maiores credores dos EUA.

Resposta dos bancos

Os credores enfatizaram que os relatórios vazados mostram que seus sistemas de triagem e monitoramento estão funcionando conforme o esperado.

“Nós relatamos atividades suspeitas ao governo para que a polícia possa combater o crime financeiro”, disse o JPMorgan em um comunicado. “Desempenhamos um papel de liderança na reforma contra a lavagem de dinheiro que modernizará a forma como o governo e as autoridades policiais combatem a lavagem de dinheiro, o financiamento do terrorismo e outros crimes financeiros.”

“As questões já foram investigadas e levaram á resoluções regulatórias nas quais a cooperação e remediação do banco foram publicamente reconhecidas”, segundo o Deutsche Bank.

Impacto no mercado

As ações do HSBC atingiram a maior baixa em 25 anos na segunda-feira. O Standard Chartered caiu 5% nas negociações de Londres, enquanto as ações do Barclays e do Deutsche Bank caíram mais de 8% enquanto os investidores digeriam o relatório e também se preocupavam com restrições mais rígidas aos vírus.

Ainda assim, alguns analistas disseram que o impacto duradouro do relatório no setor pode ser relativamente baixo.

“Uma boa parte do que esses arquivos revelam cobre problemas conhecidos”, disse Joseph Dickerson, analista da Jefferies. “É muito cedo para fazer uma chamada sobre qual será o resultado da publicação disso, mas é difícil ver como esses dados podem ser interpretados como ‘novas notícias’ para os reguladores bancários. Portanto, é difícil ver consequências financeiras materiais diretas para bancos como o Standard Chartered e HSBC neste momento. ”

Deixe um comentário