FAA começará a revisão do treinamento do Boeing 737 MAX na segunda-feira

LinkedIn

A Agência Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA) disse que uma revisão do treinamento do Boeing (NYSE:BA)  737 MAX começará na segunda-feira em Londres, um marco importante para o eventual retorno da aeronave ao serviço.

As ações da Boeing Company, avaliada em US$ 90 bilhões, são negociadas na B3 através da BDR (BOV:BOEI34).

A FAA disse que o Comitê Conjunto de Avaliação de Operações (JOEB, na sigla em inglês) para o Boeing 737 MAX fará a avaliação no Aeroporto Gatwick, de Londres, e se reunirá por aproximadamente nove dias “para revisar o treinamento proposto pela Boeing para tripulações de voo do 737 MAX”.

O comitê incluirá autoridades da aviação civil e tripulações de companhias aéreas dos EUA, CanadáBrasil e União Europeia.

Por 1,2 segundo Boeing 737 não se acidentou ao decolar de Londres

O órgão de investigação de acidentes e incidentes do Reino Unido (AAIB UK) divulgou seu relatório final apresentando as descobertas e recomendações após um incidente no qual um Boeing 737-800 da Royal Air Maroc, registrado sob a matrícula CN-RGJ, quase não saiu do solo a tempo do final da pista.

A aeronave estava decolando no voo AT-807 de Londres Gatwick, EN (Reino Unido) para Casablanca (Marrocos) com 139 passageiros e 6 tripulantes, quando as chamadas automatizadas de V1 e de rotação não ocorreram. A aeronave girou a 120 metros antes do final da pista, o que representa apenas 1,2 segundo.

GOL voou com 60 de suas 130 aeronaves Boeing 737 em agosto

 

A companhia aérea encerrou agosto com 130 aeronaves Boeing 737 na frota, das quais 60 estavam operacionais. As operações foram 26% do realizado no mês de agosto do ano passado a aumentaram 7% sobre julho, em decorrência da reabertura planejada de quatro bases e do aumento de voos entre São Paulo e Rio de Janeiro. Durante o mês, a Gol elevou sua oferta para um pico de 260 voos diários, aumentando as frequências nos hubs de Guarulhos, Galeão e Brasília.

Com o incremento para aproximadamente 300 voos por dia, as operações de setembro de 2020 devem alcançar cerca de 40% do realizado no mesmo mês do ano passado. Ainda neste mês de setembro, a GOL terá 74 aeronaves operacionais na malha e planeja a reabertura de mais três bases.

Até o final de agosto, a companhia reduziu sua frota em nove aeronaves 737 arrendadas e planeja devolver outros sete aviões até o fim desse ano. A GOL pode reduzir sua frota em até outras 30 aeronaves em 2021-2022, se necessário, com a flexibilidade de devolver um número superior se a demanda estiver desaquecida. Além disso, a companhia cortou 47 aviões dos recebimentos do Boeing 737 MAX previstos para 2020-2022, com planos de financiar totalmente o CAPEX e a revisão de motores remanescentes em 2020.

A GOL não possui aeronaves financiadas no mercado de capitais, EETCs ou arrendamentos financeiros. Sua frota é composta 100% de arrendamentos operacionais e a companhia tem recebido apoio de seus parceiros na forma de diferimentos, descontos e pagamentos variáveis por hora de voo (Power by the Hour) em determinadas aeronaves. Os acordos garantem pagamentos mensais de arrendamento em linha com a recuperação da demanda em 2020-2021 e não impactarão a estrutura de custos pós-pandemia da companhia com caros acordos de apenas diferimentos.

Deixe um comentário