Cosan (CSAN3) 3T20: Lucro líquido cai para R$ 303,8 milhões; Queda de 62,9%

LinkedIn

A Cosan registrou lucro líquido de R$ 303,8 milhões no período, recuo de 62,9% em base anual. O lucro ajustado, que desconsidera efeitos não recorrentes, foi de R$ 272,8 milhões, recuo de 43,7% na mesma comparação.

Os resultados da Cosan (BOV:CSAN3) referente a suas operações do terceiro trimestre de 2020, foram divulgados no dia 13/11/2020.

O Ebitda ajustado – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização –mais que triplicou, chegando a R$ 1,7 bilhão – também acima do esperado pelo mercado e do R$ 1,6 bilhão registrado no terceiro trimestre de 2019. No acumulado de janeiro a setembro, porém, o Ebitda ajustado de cerca de R$ 4 bilhões ficou 6,2% abaixo do visto no mesmo período de 2019. “Boa parte” da variação negativa, conforme o executivo, reflete os resultados dos negócios mais afetados pela pandemia, que “já apontam para níveis mais normais no segundo semestre”. “Essa tendência deve se manter no quarto trimestre”, comentou, em teleconferência com analistas.

A receita líquida do grupo atingiu 17,55 bilhões de reais de julho a setembro, queda de quase 7% ano a ano. A Cosan investiu 723 milhões de reais no período, alta de 6%.

Outras informações do Balanço

Segundo a Cosan, após meses de impactos da pandemia de coronavírus, o trimestre evidenciou a tendência de recuperação da atividade e gradual retomada da normalidade, “impulsionando a demanda por combustíveis, lubrificantes e gás natural”.

A companhia, no entanto, viu o resultado impactado pela desvalorização cambial e pela marcação a marcado de ações de sua controlada Rumo.

A Cosan disse que a perda de valor nas ações da Rumo no período afetou seu resultado financeiro em 165 milhões na linha “outros encargos e variações monetárias”, que teve contribuição positiva de 49 milhões no ano anterior.

A empresa comprou ações em meio a uma operação de emissão de novos papéis (follow-on) realizada pela controlada.

Além disso, a Cosan viu os rendimentos de aplicações financeiras caírem 99%, com a menor taxa CDI e efeito da marcação a mercado de títulos públicos.

O resultado financeiro foi negativo em R$ 417 milhões, ante 130,8 milhões negativos no mesmo trimestre de 2019.

A Cosan fechou setembro com dívida líquida de R$ 15,94 bilhões de reais, 6,4% maior do que em junho e 23% acima em 12 meses.

O índice de alavancagem dado pela relação entre dívida líquida e Ebitda aumentou para 2,7 vezes, de 2,4 vezes ao final de junho e 1,9 vezes em setembro do ano passado.

→ O grupo Cosan atua nos setores de agronegócio, distribuição de combustíveis e de gás natural e de lubrificantes e logística, com empresas como Raízen, Comgas, Moove e Rumo e marcas como Shell. O grupo possui R$ 34,4 bilhões de valor de mercado. Confira a Análise completa da empresa com informações exclusivas.

COMBUSTÍVEIS E AGRONEGÓCIO

A Raízen Combustíveis no Brasil teve salto de 27% nas vendas frente ao segundo trimestre, em meio ao gradual relaxamento de quarentenas adotadas contra o coronavírus, mas o volume ainda ficou 9% inferior ao do terceiro trimestre de 2019.

As vendas de gasolina recuaram 11% na comparação ano a ano, embora com aumento de 21% frente ao trimestre anterior. No diesel, as vendas avançaram 6% em base anual e ainda apontaram disparada de 25% frente ao trimestre anterior.

Na Argentina, o volume de rendas recuou 32% na comparação ano a ano, mas subiu 34% na base sequencial.

Já a Raízen Energia registrou moagem de 27,6 milhões de toneladas de cana no trimestre, contra 26,7 milhões no ano anterior. A empresa destinou 54% da cana para produzir açúcar e 46% para etanol, contra um mix de 50%-50% em 2019.

O Ebitda ajustado da Raízen Energia avançou 15% na comparação ano a ano, para 974 milhões de reais.

O desempenho foi “suportado pelo maior volume de vendas de açúcar próprio, em linha com o plano de venda da safra, com preços médios superiores, refletindo a estratégia de proteção de preços em reais”, explicou a empresa.

O menor volume de chuvas permitiu aceleração da moagem, acrescentou a Cosan, ao citar também um aumento de produtividade que permitiu aumentar a produção de açúcar equivalente em 6%.

Teleconferência

De acordo com o gerente-executivo de relações com investidores da Cosan, Phillipe Casale, a demanda brasileira de combustíveis confirmou no terceiro trimestre a recuperação que se desenhava em junho, na esteira da flexibilização das medidas de isolamento social, e o retorno já voltou aos níveis vistos antes da pandemia de covid-19. “Vimos uma nítida melhora no ambiente de negócios, apesar do cenário de volatilidade, mas sem oscilação brusca de preços e com a demanda perto da normalidade”, afirmou, em teleconferência com analistas.

De julho a setembro, a forte demanda de diesel se destacou no Brasil, puxada pelo agronegócio e pela retomada da produção industrial. No ciclo Otto (gasolina e etanol), as vendas seguiram afetadas pelo menor consumo na esteira da pandemia e o segmento de aviação confirmou que a recuperação será “de fato, mais lenta”, conforme o executivo.

Conforme Casale, o Grupo Nós, joint venture com a Femsa na área de varejo de conveniência e proximidade, vai inaugurar ainda neste ano as primeiras lojas próprias com a bandeira Oxxo e tem dado continuidade à abertura de lojas Shell Select, sobretudo no modelo de franquias. O primeiro centro de distribuição também será inaugurado neste ano e até o fim do ano-safra, serão 1,1 mil unidades.

Na Argentina, acrescentou o executivo, a Raízen registrou forte recuperação da demanda, com melhora no resultado operacional apoiada ainda na queda do custo unitário e no aumento gradual dos preços de combustíveis no país vizinho. “O quarto trimestre deve ter demanda parecida [de combustíveis no país] com o terceiro trimestre”, acrescentou Casale.

Depois de meses bastante difíceis no segundo trimestre, os números do terceiro trimestre mostram “boa tendência de recuperação da economia” e os resultados da Cosan confirmam a robustez de seu portfólio de negócios, segundo Casale. Conforme o executivo, o intervalo foi marcado pela aceleração da demanda em combustíveis, lubrificantes e gás natural.

“A pandemia segue afetando as empresas e a vida das pessoas, portanto seguimos atentos”, afirmou. O resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado da Cosan no terceiro trimestre totalizou R$ 1,7 bilhão, com alta de 6% na comparação anual e três vezes acima do resultado operacional no segundo trimestre, que concentrou os efeitos negativos da pandemia.

No acumulado dos nove meses do ano, o Ebitda ajustado de cerca de R$ 4 bilhões ficou 6,2% abaixo o visto no mesmo intervalo de 2019 e “boa parte” da variação negativa reflete os resultados dos negócios que foram mais afetados pela pandemia, que “já apontam para níveis mais normais no segundo semestre”. “Essa tendência deve se manter no quarto trimestre”, comentou.


Gráficos GRATUITOS na br.advfn.com

VISÃO TÉCNICA

Aprenda a analisar graficamente os seus ativos. Acesse: www.youtrade.pro.br

Peça uma análise do seu portfolio de investimentos e ações.
Clique e fale com o especialista da YouSave ou acesse www.yousave.com.br


FaleComEspecialista

Deixe um comentário