Em reunião, BCE aprovou novas medidas de estímulo

LinkedIn

Os legisladores do Banco Central Europeu debateram um aumento menor nas compras de títulos de emergência no mês passado e fizeram questão de enfatizar que eles podem não gastar toda a cota, mostraram as contas da reunião de 10 de dezembro nesta quinta-feira.

Enfrentando uma nova recessão em meio a bloqueios generalizados, o BCE aprovou novas medidas de estímulo na reunião, na esperança de manter os custos dos empréstimos baixos até que o bloco esteja pronto para reabrir.

“Argumentou-se que o foco na preservação de condições de financiamento favoráveis ​​implicava um afastamento de um ritmo mensal constante de compras para ajustar o ritmo de acordo com as condições de mercado”, disse o BCE.

“Esta abordagem, combinada com uma comunicação vigorosa, pode permitir ao Conselho do BCE reduzir o ritmo das compras, tendo um efeito equivalente nas condições de financiamento”, disseram os decisores políticos, de acordo com as contas.

Os legisladores do BCE começaram as discussões antes da reunião de dezembro com uma proposta de 750 bilhões de euros em compras adicionais de títulos, antes de se contentar com meio trilhão de euros desta quinta-feira, disseram fontes à Reuters na época.

“Um aumento mais moderado no envelope do PEPP foi defendido por vários membros com base no argumento de que ainda havia um espaço significativo para compras disponível em decisões anteriores e que em um ambiente de alta incerteza valia a pena ‘manter um pouco de pó seco,” o BCE acrescentou.

O próximo encontro do BCE será em 21 de janeiro e os formuladores de políticas devem reafirmar a política ultrafácil do banco, incluindo 1,85 trilhão de euros em compras de títulos como parte do Programa de Compra de Emergência Pandêmica até março de 2022.

Reunião de Política Monetária

Na mais recente reunião de política monetária do BCE, realizada nos dias 9 e 10 de dezembro, dirigentes consideraram que uma nova redução da taxa de juros teria efeito apenas marginal no crescimento e inflação da zona do euro, segundo ata do encontro divulgada hoje. Os dirigentes afirmaram que o programa de compra de ativos da pandemia (PEPP, na sigla em inglês), foi mais eficiente que os cortes de juros para dar suporte à economia durante a crise.

O documento afirma que os dirigentes do banco concordaram que a nova extensão do programa de compra de ativos está “em linha” com a duração esperada da crise, a incerteza quanto à distribuição de vacinas e o retorno esperado da atividade ao nível pré-pandêmico. Segundo os membros do BCE, “os benefícios das compras de ativos superaram os seus custos potenciais”.

“Todos os membros concordaram que, tendo em vista as consequências econômicas do ressurgimento da pandemia, a revisão em baixa da trajetória de inflação projetada e os riscos resultantes de um desancoramento das expectativas de inflação, medidas adicionais de política monetária foram necessárias para preservar o fluxo de crédito para todos os setores da economia e sustentar a recuperação econômica”, afirma a ata.

Alguns dirigentes do BCE defenderam uma ampliação menor das compras de ativos, argumentando que seria prudente deixar um pouco de espaço para a política monetária para decisões futuras. Outros membros, porém, argumentaram que o aumento proposto à PEPP ainda era insuficiente para facilitar as condições de financiamento e trazer a inflação da zona do euro mais próxima da meta do BCE.

Euro

Na reunião do BCE, dirigentes da entidade afirmaram ter observado com atenção o papel da taxa de câmbio para o cenário de inflação na zona do euro, e comentaram que a recente apreciação da moeda comum ante o dólar americano pode contribuir para um cenário de inflação deprimida. Segundo a ata do encontro, a taxa de câmbio nominal do euro atingiu recordes históricos em 2020.

De acordo com o documento, dirigentes notaram que as perspectivas de inflação para a zona do euro ainda estão “muito abaixo” da meta do BCE, de taxa próxima, mas menor, de 2%. O conselho da entidade concordou que deve monitorar “cuidadosamente” o cenário de estabilidade de preços e que não deve ser visto como “complacente” em relação à inflação. O grupo considerou que o nível de preços ainda está muito baixo, por conta da demanda e mercado de trabalho fracos, seguindo os impactos da ressurgência da covid-19 nos últimos meses do ano passado.

Com a melhora do cenário da crise sanitária, o BCE espera que a inflação ganhe impulso. “Uma vez que o impacto da pandemia diminuir, uma recuperação da demanda, apoiada por políticas fiscais e monetárias acomodatícias, pressionaria a inflação no médio prazo”, diz a ata.

Os dirigentes argumentaram que o cenário econômico se enfraqueceu ao fim de 2020 por conta da covid-19, além da perspectiva de não sair o acordo pós-Brexit com o Reino Unido e uma “política de estímulos fiscal vacilante em diversos países” da zona do euro. O risco que a pandemia traz à atividade na União Europeia se concentra, em especial, no curto prazo, afirmaram os membros do conselho diretivo do BCE citando indicadores recentes.

Veja também:
Pedidos de seguro-desemprego dos EUA atingem o maior total semanal desde agosto
Produto Interno Bruto da Alemanha teve queda de 5% em 2020 em relação ao ano anterior
China teve superávit comercial de US$ 78,17 bilhões em dezembro

(Com informações da Reuters)

Deixe um comentário