EDP Brasil: empresa tem aumento de 16% no volume de energia distribuída entre abril e junho

LinkedIn

A EDP Brasil divulgou sua prévia operacional do segundo trimestre de 2021. No segmento de distribuição, a empresa viu aumento de 16% no volume de energia distribuída entre abril e junho, a 6,416 MWh, sendo alta de 18% na EDP São Paulo (3,888 MWh) e 13,2% na EDP Espírito Santo (2,527 Mhw).

O comunicado foi feito pela empresa (BOV:ENBR3) nesta segunda-feira (12). Confira o documento na íntegra.

No semestre, o volume de energia distribuída cresceu 10% ante igual período do ano anterior, com alta de 10,5% na EDP São Paulo e 9,3% na EDP Espírito Santo.

De acordo com a empresa, o maior consumo de energia distribuída no trimestre se deve aos impactos da recuperação da atividade econômica, refletindo o aumento da produção industrial e da atividade comercial, comparado ao ano anterior, quando houve o maior período de restrições da pandemia do covid 19. “Além disso, as condições climáticas também contribuíram positivamente para o desempenho do consumo”, acrescenta a EDP.

No período, a empresa registrou aumento de 2,5% no número de novos clientes e de 29,4% no número de clientes livres (233 clientes na EDP SP e 111 clientes na EDP ES) em função das migrações dos clientes cativos para o mercado livre.

VISÃO DO MERCADO

Credit Suisse

O Credit Suisse comentou o guidance (projeção) da EDP Brasil para seus volumes no segundo trimestre de 2021, indicando forte desempenho devido à recuperação econômica e a uma base de comparação fraca devido aos efeitos da pandemia em 2020. Os volumes totais subiram 16% na comparação anual, impulsionados pelo mercado livre, com alta de 29,4% na mesma comparação, e por uma alta de 6,1% nos volumes do mercado cativo.

Os volumes da unidade de distribuição de São Paulo subiram 18% na comparação anual, a partir de bom desempenho dos segmentos industrial, com alta de 32,5%, e do segmento comercial, com alta de 19,3%, ambos na comparação anual. O segmento residencial também apresentou volumes positivos, com alta de 3,2%, beneficiado por temperaturas mais altas, expansão da base de clientes e ao calendário.

As vendas totais de energia subiram 2,2% na comparação anual, impulsionadas pela alta de 5,2% dos ativos hidrográficos. O Credit Suisse avalia que os resultados da EDP devem se beneficiar da recuperação de volumes em suas distribuidoras, e que o segmento de geração também deve se beneficiar por uma estratégia de alocação melhor.

Credit Suisse mantém recomendação de compra preço-alvo de R$ 24,60.

XP Investimentos

Vemos o resultado operacional da EDP Energias do Brasil no trimestre como positivos, sinalizando uma recuperação da demanda. Temos recomendação de compra nas ações da EDP Energias do Brasil e preço-alvo de R$ 21,00/ação.

A EDP pretende divulgar os resultados do 2T21 no dia 26 de julho.

EDP Brasil (ENBR3): lucro líquido cresceu 82,9% no 1T21, para R$ 495,7 milhões

lucro líquido da Energias do Brasil (EDP Brasil), do grupo europeu EDP Energias de Portugal, cresceu 82,9% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior, para R$ 495,7 milhões, com maiores volumes de consumo de energia que ajudaram os negócios de distribuição e melhor desempenho também em transmissão e geração hídrica.

O lucro líquido ajustado, por sua vez, foi de R$ 337 milhões no período, alta de 58,6% na base anual.

receita operacional líquida da empresa subiu 7% no período e totalizou R$ 3,505 bilhões.

ebitda – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – alcançou R$ 1,048 bilhão no trimestre, alta de 50,1%, em base anual. O ebitda ajustado, que exclui os efeitos não recorrentes, subiu 34,3% no período, para R$ 807,4 milhões.

Informações Broadcast

Deixe um comentário