BRF (BRFS3): prejuízo líquido de R$ 271 milhões

LinkedIn

A BRF, dona de Sadia e Perdigão, registrou prejuízo líquido de R$ 271 milhões no terceiro trimestre deste ano. No mesmo período de 2020, a companhia teve lucro líquido de R$ 219 milhões.

Segundo nota da empresa, o prejuízo líquido se deve principalmente ao resultado financeiro, “dada a atualização do valor justo da opção de venda relacionada à combinação de negócios da ‘put option’ Banvit”.

O número foi abaixo da média das projeções de analistas que previam ganho de 105,25 milhões de reais, de acordo com balanço financeiro.

A receita líquida proveniente das vendas da companhia no período somou R$ 12,390 bilhões, aumento de 24,6% sobre os R$ 9,943 bilhões do terceiro trimestre de 2020.

O ebtida – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – ajustado da BRF no terceiro trimestre do ano alcançou R$ 1,367 bilhão, avanço de 3,9% sobre o R$ 1,317 bilhão do mesmo intervalo do ano anterior. A margem Ebitda ajustado da BRF foi de 11,0%, ante 13,2% em igual trimestre do ano passado.

Já o volume comercializado subiu 5,1% no trimestre, para 1,168 milhão de toneladas.

“O cenário continua desafiador e enxergamos diversas variáveis que ainda podem impactar o consumo, como a alta da inflação, queda na confiança do consumidor e conjuntura econômica”, escreveu Luz Jr.

A companhia encerrou o trimestre com aumento de 11,9% no índice de alavancagem em comparação com o segundo trimestre de 2021, passando de 2,73 vezes para 3,06 vezes. A dívida líquida da empresa em 30 de setembro ficou em R$ 16,682 bilhões, alta de 14,6% sobre os R$ 14,557 bilhões de igual período de 2020. No terceiro trimestre do ano, a BRF comercializou 1,168 milhão de toneladas de produtos, um avanço de 5,1% em comparação com o 1,112 milhão de toneladas de um ano antes. A empresa informou ainda um consumo de caixa de R$ 308 milhões no período, ante geração de R$ 987 milhões do terceiro trimestre do ano anterior.

Já o fluxo de caixa operacional caiu 11,5%, para R$ 1,57 bilhão. A alavancagem líquida da dívida da companhia subiu de 2,90 vezes para 3,06 vezes no mesmo comparativo, quebrando a sequência de oito trimestres consecutivos de alavancagem abaixo de 3 vezes.

No Brasil, a BRF teve receita operacional líquida de R$ 6,392 bilhões no trimestre encerrado em 30 de setembro de 2021, aumento de 20,0% em comparação com igual intervalo do ano passado. A companhia destacou que repassou preços “para reequilibrar as margens da indústria ante um cenário inflacionário global e sem precedentes”.

A empresa afirma que inflação, queda na confiança do consumidor e conjuntura econômica ainda podem afetar o consumo; mas lembrou que o consumo per capita de carne de frango e de carne suína vem subindo, enquanto o da bovina recua.

O Segmento Brasil reportou 577 mil toneladas comercializadas, uma queda de 0,6%, na base anual.

Diante do cenário, as exportações diretas cresceram 17,9%, para 179 mil toneladas no período. A empresa apresentou um crescimento contínuo dos volumes de exportação, com preços em dólares, reflexo da maior demanda internacional por alimentos, principalmente nas regiões do Oriente Médio, Norte da África e Américas.

Para o segmento internacional, as vendas somaram 496 mil toneladas, crescimento de 7,5% em volume. O lucro bruto foi de R$ 923 milhões para R$ 980 milhões no período, uma alta de 6,2%, com Ebitda ajustado em R$ 411 milhões, queda de 13,7% em comparação com o mesmo período de 2020 (R$ 476 milhões).

Os resultados da BRF (BOV:BRFS3) referentes suas operações do terceiro trimestre de 2021 foram divulgados no dia 10/11/2021. Confira o Press Release completo!

VISÃO DO MERCADO

Bank of America 

Os analistas do banco destacaram a melhora operacional, com um Ebitda ajustado acima do esperado por eles, mas ainda apontam que a queima de caixa é uma preocupação em um cenário mais desafiador.

Bank of America tem recomendação neutra com preço-alvo de R$ 30,00…

Bradesco BBI

Bradesco BBI foi mais otimista com o balanço e destacou a receita líquida da empresa, de R$ 12,39 bilhões, 3% acima do consenso do mercado.

Bradesco BBI mantém recomendação de compra com preço-alvo de R$ 32,00…

Itaú BBA 

O Ebtida, contudo, veio 5% acima da estimativa do Itaú BBA e 6% acima do consenso do mercado. O banco diz que a margem de 13,7% da operação brasileira fica 2,4 pontos percentuais acima de sua estimativa, por conta de alta maior do que o esperado nos preços dos alimentos processados.

Os resultados das operações no exterior, porém, foram considerados fracos na avaliação do banco, principalmente por conta de margens menores do que o esperado em três divisões. O Ebitda dessas operações ficou 19% abaixo da expectativa do Itaú BBA. Outro ponto de atenção foi a dívida líquida, que cresceu de R$ 14,791 bilhões no segundo trimestre a R$ 16,682 bilhões.

Itaú BBA mantém recomendação market perform com preço-alvo de R$ 25,00…

XP Investimentos 

A XP enxerga sinais positivos, apesar da companhia ter reportado Ebitda abaixo das suas projeções. Isso porque o aumento do volume vendido e também nos preços ficou aquém da alta nos custos. Mas, diante da queda recente nos preços de milho e soja, as perspectivas de curto prazo são positivas.

XP mantêm recomendação de neutra com preço-alvo de R$ 30,00.

* Com informações da ADVFN, RI das empresas, Valor, Infomoney, Estadão, Reuters

Deixe um comentário