Geração de hidrogênio pode se tornar um mercado de US$ 1 trilhão por ano, diz Goldman Sachs

LinkedIn

O hidrogênio tem um papel importante a desempenhar em qualquer transição para zero líquido e sua geração pode se transformar em um mercado de mais de US$ 1 trilhão por ano, de acordo com o Goldman Sachs (BOV:GSGI34).

“Se queremos chegar a zero líquido, não podemos fazê-lo apenas por meio de energia renovável”, disse Michele DellaVigna, líder da unidade de negócios de commodities do banco para a região EMEA no início desta semana.

“Precisamos de algo que assuma o papel atual do gás natural, especialmente para gerenciar a sazonalidade e a intermitência, e isso é o hidrogênio.”

O hidrogênio tem uma gama diversificada de aplicações e pode ser implantado em uma ampla gama de indústrias.

“É uma molécula muito poderosa”, disse DellaVigna. “Podemos usá-lo para transporte pesado, podemos usá-lo para aquecimento e podemos usá-lo para indústria pesada”.

A chave, ele argumentou, era “produzir sem emissões de CO2. E é por isso que falamos de verde, falamos de hidrogênio azul”.

Descrito pela Agência Internacional de Energia como um “transportador de energia versátil”, o hidrogênio pode ser produzido de várias maneiras. Um método inclui o uso de eletrólise, com uma corrente elétrica dividindo a água em oxigênio e hidrogênio.

Se a eletricidade usada neste processo vem de uma fonte renovável, como eólica ou solar, alguns chamam de hidrogênio verde ou renovável.

O hidrogênio azul refere-se ao hidrogênio produzido usando gás natural – um combustível fóssil – com as emissões de CO2 geradas durante o processo capturadas e armazenadas. Houve um intenso debate em torno do papel que o hidrogênio azul pode desempenhar na descarbonização da sociedade.

“Seja com eletrólise ou com captura de carbono, precisamos gerar hidrogênio de maneira limpa”, disse DellaVigna.

“E assim que tivermos, acho que temos uma solução que pode se tornar, um dia, pelo menos 15% dos mercados globais de energia, o que significa que será … mais de um trilhão de dólares por ano”.

“É por isso que acho que precisamos nos concentrar no hidrogênio como o sucessor do gás natural em um mundo net-zero”.

Os comentários de DellaVigna ecoam a análise em um relatório recente da Goldman Sachs Research (NYSE:GS), do qual ele é coautor.

Publicado no início deste mês, o cenário otimista do relatório vê o mercado endereçável total da geração de hidrogênio com potencial para atingir mais de US$ 1 trilhão até 2050, em comparação com cerca de US$ 125 bilhões hoje.

Embora haja entusiasmo em alguns setores sobre o potencial do hidrogênio, a grande maioria de sua geração atualmente é baseada em combustíveis fósseis. Esforços estão sendo feitos para resolver isso, no entanto.

A Comissão Europeia, por exemplo, estabeleceu planos para instalar 40 GW de capacidade de eletrolisador de hidrogênio renovável na UE até o ano de 2030.

Durante sua entrevista, DellaVigna foi questionado sobre as ações que os investidores devem procurar para aproveitar o crescimento projetado do setor de hidrogênio.

“Há duas maneiras de investir em hidrogênio”, disse ele. “Uma é comprar as empresas de eletrolisadores puros que… têm a exposição pura ao hidrogênio”.

A alternativa seria investir “através de conglomerados que já possuem hidrogênio como parte de seus negócios em andamento”. Isso inclui empresas de serviços de energia, empresas de gás industrial e empresas de petróleo e gás, disse ele.

Com informações de CNBC

Deixe um comentário