ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for tools Aumente o nível de sua negociação com nossas ferramentas poderosas e insights em tempo real, tudo em um só lugar.

Bolsas iniciam a semana em baixa, antes da decisão de juros do FED e outros bancos centrais

LinkedIn

Bem-vindo à sua leitura matinal de cinco minutos de como os mercados estão reagindo ao redor do mundo nesta manhã.

ÁSIA: As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa nesta segunda-feira, enquanto os mercados chineses voltavam das comemorações do Ano Novo Lunar.

As bolsas da China continental subiram no retorno às negociações depois de uma pausa de uma semana. O Shenzhen Component subiu 0,98%, fechando em 12.097,76 pontos e o composto de Xangai subiu 0,14%,em 3.269,32 pontos, contrariando a tendência regional. O CSI 300, que acompanha as maiores ações listadas no continente, ganhou cerca de 20% em relação às mínimas recentes vistos no final de outubro do ano passado.

O índice Hang Seng de Hong Kong negociou em baixa de 2,37%, em 22.069,73 pontos, com as ações imobiliárias e de tecnologia liderando as perdas.

No Japão, o Nikkei ganhou 0,19%, em 27.433,40 pontos.

O Kospi da Coreia do Sul caiu 1,35%, em 2.450,47 pontos.

O S&P/ASX 200 da Austrália caiu 1,23%, para 6.474,20 pontos, com nove dos 11 setores fechando em território negativo. Os setores de materiais e energia conseguiram fechar em alta, apoiado pela alta nos preços das commodities, na reabertura das negociações na China. O peso-pesado BHP saltou 0,92%, Rio Tinto ganhou 2,73% e Fortescue Metals subiram 0,24%. As produtoras de petróleo Santos e Woodside Energy fecharam em alta de 1,2% e 0,2%, respectivamente. As ações de tecnologia e bancos arrastaram o índice para baixo.

O índice MSCI para a Ásia-Pacífico, exceto Japão, registrou uma queda de 0,72%.

EUROPA: Os mercados europeus operam em baixa na segunda-feira, com os investidores de olho nas reuniões de diversos bancos centrais.

O Federal Reserve dos EUA inicia sua reunião na terça-feira e anuncia seu próximo movimento de aumento de juros na quarta-feira, enquanto o Banco da Inglaterra e pelo Banco Central Europeu anunciam suas decisões na quinta-feira.

O índice pan-europeu Stoxx 600 cai quase 1% no meio da manhã, com quase todos os setores no vermelho. O setor de tecnologia lidera as perdas.

O rendimento do bund alemão de 10 anos subia 2,0%, para 2,289%, enquanto o DAX 30 caia 0,7%. A economia alemã contraiu ligeiramente no quarto trimestre de 2022, contrariando as expectativas de uma profunda recessão há alguns meses atrás, à medida que o clima ameno do inverno e o estímulo do governo amorteceram o impacto de um aumento nos preços da energia. O PIB da Alemanha caiu 0,2% de outubro a dezembro em comparação com o trimestre anterior, ante uma expansão de 0,5% revisada para cima registrada no terceiro trimestre. A leitura está abaixo da estagnação esperada pelos economistas e também abaixo da estimativa inicial que o Destatis forneceu em meados de janeiro, que apontava para uma economia amplamente achatada. O menor consumo privado, que apoiou a economia alemã nos três primeiros trimestres de 2022, foi o principal impulsionador da contração. As perspectivas econômicas da Alemanha melhoraram nas últimas semanas, já que os altos níveis de armazenamento de gás, os preços mais baixos da energia, os pacotes fiscais do governo e a rápida reabertura da China provavelmente apoiarão a atividade. A maior economia da zona do euro deve expandir 0,2% em 2023, de acordo com o Ministério da Economia alemão, revisando para cima a previsão de outono para uma contração de 0,4%. Ainda assim, os economistas alertam que o crescimento econômico da Alemanha provavelmente permanecerá moderado este ano em meio ao rápido aumento das taxas de juros e um cenário de recessão leve não pode ser descartado.

O CAC 40 da França e o FTSE MIB da Itália caem 0,5% e 0,2%, respectivamente.

Na Península Ibérica, o IBEX 35 da Espanha cai 0,2% e o português PSI 20 recua 0,5%.

Em Londres, o FTSE 100 cai 0,1%. Entre as mineradoras listadas na LSE, Anglo American cai 0,3%, Antofagasta e BHP recuam 0,4% cada e Rio Tinto sobe 0,2%. A petrolífera British Petroleum sobe 0,4%.

As ações da European Metals Holdings sobem 17,3% na segunda-feira, depois que a empresa disse que seu projeto de lítio Cinovec terá prioridade de financiamento depois de ter sido classificado como estratégico para a região de Usti, na República Tcheca. “Esta aprovação fornece mais uma evidência de forte apoio do governo tcheco e da União Europeia e o reconhecimento em toda a Europa do papel importante que o Projeto Cinovec desempenhará para permitir que a UE atinja suas metas de autossuficiência de lítio até 2030”, disse o presidente executivo Keith Coughlan.

O Indicador de Sentimento Econômico da Zona do Euro em janeiro subiu 2,8 pontos, para 99,9, a terceira alta consecutiva. Na área da União Europeia como um todo, o índice avançou 2,3 pontos, para 98,0.

EUA: Os contratos futuros dos índices de ações dos EUA negociam em baixa na manhã de segunda-feira, com os investidores se preparando para uma semana de balanços corporativos importantes e um possível aumento da taxa de juros do Federal Reserve.

Wall Street está saindo de uma semana positiva com a continuidade do rali dos mercados de ações em janeiro. O Nasdaq Composite ganhou 4,3% na semana, enquanto o S&P 500 e o Dow subiram 2,5% e 1,8%, respectivamente.

Os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA sobem nesta segunda-feira. Por volta das 6h30 (horário de Brasília), o rendimento do título do Tesouro de 10 anos subia quase dois pontos-base, para 3,5366%. O rendimento do Tesouro de 2 anos estava sendo negociado pouco mais de dois pontos-base, a 4,2279%. Os rendimentos e os preços movem-se em direções opostas e um ponto-base é igual a 0,01%.

O FOMC se reúne na terça e quarta-feira e os investidores estarão procurando pistas sobre o quanto o banco central irá aumentar as taxas na luta contra a inflação. A expectativa é de que Fed aumente as taxas em um quarto de ponto percentual. Isso seria mais uma desaceleração do ritmo de aumento de juros implementado pelo Fed em sua batalha contra a inflação. Muitos investidores esperam por isso, pois as preocupações sobre o banco central levar a economia dos EUA a uma recessão ao aumentar as taxas muito rapidamente vem se aumentando.

Dados divulgados no início deste mês mostraram que os preços ao consumidor e no atacado na base mensal caíram em dezembro. Na sexta-feira, o índice de gastos com consumo pessoal, uma das medidas de inflação preferidas do Fed, indicou que embora os preços ainda estejam subindo, acontece em um ritmo reduzido.

Na segunda-feira, os investidores acompanharão a divulgação do relatório do índice de manufatura do Dallas Fed de janeiro, que acompanha a atividade empresarial na região.

Uma série de relatórios importantes do mercado de trabalho, incluindo vagas de emprego e números da vagas na área urbana, devem ser divulgados ao longo da semana.

A temporada de lucros corporativos inclui relatórios do McDonald’s e da General Motors na terça-feira. Depois a temporada continua com uma série de empresas de tecnologia, como as gigantes da tecnologia Apple, Meta Platforms, Amazon e Alphabet mais para o final da semana.

CRIPTOMOEDAS: As criptomoedas recuam nesta segunda-feira, depois de disparar durante o fim de semana antes do banco central dos EUA revelar sua mais recente decisão de taxa de juros.

Os operadores estão de olho na decisão de juros do Fed na quarta-feira como o próximo grande catalisador para ações e ativos digitais. As criptomoedas vem se correlacionando com as ações no ano passado em meio à um cenário macro de aumento das taxas de juros, o que amortece a demanda por ambas as classes de ativos sensíveis ao risco.

O Bitcoin chegou perto de US $ 24.000, nível visto última vez apenas em meados de agosto. A maior criptomoeda por capitalização de mercado superou US $ 23.900 no domingo antes de recuar para cerca de US $ 23.300 nesta segunda-feira. O Bitcoin saltou cerca de 40% em questão de semanas e apagou as perdas desde que a falência da exchange cripto FTX em novembro.

O Ethereum, a segunda maior criptomoeda, registra em baixa de 1% nas últimas 24 horas, ligeiramente abaixo de US $ 1.600. No domingo, o Ethereum subiu quase 5%, ultrapassando os US $ 1.650 em um determinado momento, mas também perdeu força.

Bitcoin: -0,76% em US $ 23.264,80
0Ethereum: -1,16% em US $ 1.592,64
Cardano: -2,11%
Solana: -1,00%
Terra Classic: -2,82%

ÍNDICES FUTUROS – 7h45:
Dow: -0,55%
SP500: -0,88%
NASDAQ: -1,18%

COMMODITIES:
MinFe Dailan: +1,98%
MinFe Singapura: +1,53%
Brent: -0,01%
WTI: -0,13%
Soja: +1,23%
Ouro: -0,09%

OBSERVAÇÃO: Este material é um trabalho voluntário, independente, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado, enquanto a europeia e a americana estão no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados. O texto não é indicação de compra, manutenção ou venda de ativos.

Deixe um comentário