As ações preferenciais da Gerdau são, por enquanto, uma das maiores quedas de 2024 do Ibovespa, em baixa de quase 10%. Outras siderúrgicas, como Usiminas e CSN, também ocupam a lista, com ambas tendo quedas de cerca de 9%.

O setor vem sofrendo já há algum tempo na Bolsa. Em 2023, a “invasão do aço chinês” no Brasil, motivada pelo desaquecimento da economia do gigante asiático e pela crise do setor imobiliário por lá, derrubou os lucros das companhias e se tornou uma detratora dos resultados das metalúrgicas.

“A China vem produzindo um volume maior de aço plano e focando em exportação para diversas regiões. Com isso, o resultado das siderúrgicas no Brasil estão pressionados desde então”, explica João Abdouni, analista da Levante Corp. “É incerto falar se ela continuará em 2024, pois a China pretende manter o patamar de crescimento do PIB em 5%, neste sentido é difícil que o gigante asiatico mude a postura. Em contrapartida, há quem especule que o ritmo das siderúrgicas chinesas será menor este ano”.

Outro fator que pesou neste começo de 2024 é que o minério de ferro, nos últimos dias, também vem caindo – e justamente por conta da baixa demanda na China. O recuo sinaliza, para especialistas, que as siderúrgicas estão com bastante aço estocado. Um menor estoque por lá pode sinalizar novas ondas de exportação, inclusive para o Brasil.

Fernando Ferrer, analista da Empiricus Research, menciona que o aço chinês chega ao Brasil com “preços predatórios”, reduzindo a atratividade das empresas locais. Já Fabrício Gonçalvez, CEO da Box Asset Management, destaca que há previsões de que as importações brasileiras de aço chinês podem voltar a subir em 2024.

Por fim, não ajuda também o fato de o preço minério estar alto, apesar das quedas recentes, o que pressiona ainda mais as margens da Gerdau (BOV:GGBR3) (BOV:GGBR4), da CSN (BOV:CSNA3) e da Usiminas (BOV:USIM5).

Visões para 2024

As visões para 2024, contudo, se dividem.

A Levante Corp, por exemplo, diz enxergar o setor pressionado, ainda por conta do cenário imobiliário chinês, preferindo mineradoras. Ferrer, da Empiricus, avalia que os próximos 12 meses não devem ser empolgantes para Gerdau, Usiminas e CSN. “Teremos uma manutenção de tendência do que aconteceu no ano passado, ou seja, não vai ser um grande ano. Obviamente que pode ser muito importante que a indústria consiga um aumento da taxa de importação”, pondera.

No entanto, ele menciona que o fator Estados Unidos pode ser positivo, principalmente a Gerdau, que tem forte participação no país norte-americano na sua receita.

Angelo Belitardo, gestor da Hike Capital, vai no mesmo caminho, apontando que a sinalização dos Estados Unidos de retirar o direito da sobretaxa de 103,4% da produção de aço brasileira, uma barreira comercial, pode ser positiva. Isso com o acréscimo de que a maior economia do mundo ainda estar rodando estímulos para o setor de infraestrutura, que demanda aço longo.

“A sobretaxa era considerada por mais de 30 anos uma barreira comercial para exportação brasileira no segmento de tubos soldados de aço ao continente norte-americano. A medida deve fortalecer as operações da Gerdau frente à concorrência chinesa”, diz Belitardo.

“Fora isso, a potencial queda de juros nos EUA ainda em 2024 torna as ações da Gerdau ainda mais atrativas na cotação atual e o setor de aço tende a ser beneficiado com a retomada do setor de e construção e infraestrutura no Brasil, China e nos países desenvolvidos. Tudo isso por conta do ciclo de queda na taxa de juros, o que impulsionará a demanda e cotação da commodity”, completa.

De acordo com compilação LSEG com analistas de mercado, Gerdau segue na preferência entre as siderúrgicas brasileiras.

Informações Infomoney
GERDAU ON (BOV:GGBR3)
Gráfico Histórico do Ativo
De Mar 2024 até Abr 2024 Click aqui para mais gráficos GERDAU ON.
GERDAU ON (BOV:GGBR3)
Gráfico Histórico do Ativo
De Abr 2023 até Abr 2024 Click aqui para mais gráficos GERDAU ON.