Dia bom pra acompanhar o mercado financeiro de chinelo na praia

LinkedIn

Rio de Janeiro, 21 de Fevereiro de 2014 – Dia de poucas emoções para o mercado financeiro brasileiro. Depois de dois dias de grande ansiedade por conta da divulgação da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária do Federal Reserve (Fed) na quarta-feira e da meta fiscal do governo brasileiro para o ano de 2014 na quinta-feira, a semana acaba sem grandes novidades.

Pela manhã, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga a prévia da inflação oficial de fevereiro, enquanto que o Banco Central emite seu parecer sobre as contas externas brasileiras neste início de ano. Nada que deva abalar as estruturas no Mercado Bovespa ou no Mercado de Câmbio.

Após a abertura do mercado norte-americano, teremos a divulgação do relatório semanal sobre o número de casas usadas vendidas (Existing Home Sales). Porém, após o Fed afirmar que pretende reduzir seu pacote de estímulos à economia em US$ 10 bilhões por mês e que só repensaria essa decisão caso acontecesse alguma catástrofe ou algum indicador saísse completamente dos trilhões, dificilmente os dados divulgados nesta sexta-feira promoverão algum tipo de pânico ou euforia no mercado.

 

Tecnicamente falando…

 

Apesar das duas últimas altas, o Ibovespa ainda encontra-se em sua trajetória descendente de longo prazo. Nada indica que os últimos resultados impliquem em uma mudança da mesma.

É muito mais plausível acreditar em continuação da queda com períodos de ajuste dos preços em dias de bons indicadores e bom desempenho das bolsas norte-americanas.

Falando nisso, seria bom ficar de olho no movimento do Índice Dow Jones, que fechou o pregão desta quinta-feira em alta, porém no limite de uma pequeno zona de resistência de preços.

Para o movimento do dólar, a lógica é a mesma, só que no sentido inverso. Apesar de todas as intevenções do governo, o valor da moeda norte-americana frente o real tende a subir.

 

Ásia com espírito americano

 

E foi com esse sentimento, que as principais bolsas de valores asiáticas fecharam o último pregão da semana: todos os principais índices fecharam em alta.

Os investidores asiáticos tiveram um dia mais sereno, baseando-se no fechamento positivo do Índice Dow Jones (+0,6%) na véspera – impulsionado pelo aumento da atividade manufatureira americana em fevereiro.

É bom lembrar que no pregão de quinta-feira, as bolsas asiáticas sofreram com a divulgação da atividade industrial chinesa, que vem recorrentemente diminuindo de rítmo.

 

Mais lucro

 

Duas empresas divulgaram balanços financeiros bastante positivos entre a noite desta quinta-feira e o alvorecer desta sexta-feira.

A primeira foi a Positivo (POSI3), que divulgou um aumento de lucro líquido de 230% na comparação entre os últimos trimestres de 2013 e 2012. O acréscimo de R$ 30,9 milhões no caixa da empresa paranaense no trimestre foi impulsionado pelo forte aumento nas vendas de tables e smartphones. Com o resultado, a empresa conseguiu reverter o prejuízo acumulando nos primeiros nove meses de 2013, fechando o ano com um lucro líquido de R$ 15,6 milhões, abaixo dos R$ 30,2 milhões obtidos em 2012. A empresa também divulgou que conseguiu aumentar seu Market Share em 1,4%, dominando atualmente 16,1% do mercado de computadores pessoais brasileiro.

A segunda empresa a divulgar um forte aumento dos lucros no último trimestre de 2013 foi a Gerdau (GGBR3 e GGBR4). A siderúrgica lucrou R$ 491,6 milhões no fim de 2013 – um aumento de 244,6% em relação ao quarto trimestre de 2012. O resultado impulsionou o lucro anual da empresa (R$ 1,69 bilhões), que aumentou 13,2% em relação à 2012. Além disso, permitirá que a empresa distribua mais R$ 119,3 milhões para seus acionistas em 17 de março (R$ 0,07 por ação). Em 2013, a empresa já havia distribuído R$ 476,7 milhões entre dividendos e/ou juros sobre capital próprio (R$ 0,28 por ação).

 

Contas Externas

 

O Banco Central divulgou o pior resultado histórico das contas externas brasileiras para o mês de janeiro. O Brasil acumulou um déficit de US$ 11,6 bilhões no primeiro mês do ano em suas transações correntes (balança comercial + operações não comerciais que gerem entrada ou saída de capital) com outros países.

Só o turista brasileiro, gastou cerca de US$ 2,1 bilhões no exterior em janeiro. O valor, no entanto, é 8,7% menor que o que foi gasto no mesmo período ano passado (US$ 2,3 bilhões).

 

IPCA-15

 

Pelo jeito, a inflação oficial não dará refresco em fevereiro. Na comparação com os primeiros quinze dias de janeiro, o crescimento do IPCA-15 de fevereiro acelerou: 0,70% x 0,67%. O principal culpado para o aumento da taxa foram os ítens relacionados à educação.

 

Abriu tal qual fechou

 

Em dia de poucas novidades, os mercados de ações e de câmbio abriram estáveis.

O Ibovespa pouco se abalou com a divulgação da aceleração da inflação medida pelo IPCA-15 ou pelo aumento do déficit  nas contas correntes a um patamar histórico. O índice abriu praticamente estável, cotado em 47.615,35 pontos.

Assim como o Ibovespa, o dólar também iniciou a sexta-feira operando bem próximo da estabilidade, após o recuo da véspera que se seguiu à divulgação da nova meta fiscal para 2014. Ainda pela manhã, o Banco Central ofertará 4 mil swaps cambiais tradicionais com vencimento em 1º de agosto e 1º de dezembro deste ano. Além disso, fará mais um leilão de rolagem dos contratos com vencimento em 5 de março, com oferta de até 10,5 mil swaps.

 

Mais tesouro do que nunca

 

Parece que a divulgação da nova meta fiscal para 2014 e o novo corte do orçamento na véspera animou o mercado de títulos públicos brasileiro. Todos os papéis negociados no Tesouro Direto registraram forte valorização, exceção feita para a Letra Financeira do Tesouro (LFT), depois do anúncio das medidas do governo e das palavras do ministro da Fazenda Guido Mantega.

O ministro afirmou categoricamente que com o novo corte no orçamento, menos R$ 40 bilhões circularão pela economia ao longo do ano, o que pressionará menos os preços. Assim, o Banco Central poderá adotar uma política de juros menos severa do que a atual.

E o que aconteceu depois? A LFT, indexada pela taxa básica de juros da economia (Taxa SELIC), pouco variou (0,04%). Os demais, subiram como um foguete – com destaque para o NTN-B Principal de longo prazo, com vencimento em 15 de maio de 2035, que subiu 1,89% em um único dia. No acumulado semanal, esse título já subiu 3,32%.

 

Nota triste do dia

 

Estava achando muito estranha essa economia de R$ 40 bilhões que o governo pretende fazer num ano eleitoral. Muita coisa foi explicada, mas muito pouco foi esclarecido durante a divulgação do orçamento na véspera. Por exemplo, a parcela do corte de R$ 13,5 bilhões que outrora estava destinada a gastos obrigatórios.

Pois não é que o ministro Guido Mantega começou a deixar as coisas mais claras: existe a possibilidade de haver aumento dos tributos ainda neste ano.

De chorar, né? Eles continuarão gastando a doidado e o que restou do meu, do seu, do nosso dinheirinho é que vai encher o cofrinho do governo pra pagar os juros da dívida no fim do ano.

 

Mercado de Câmbio

 

O dólar manteve o movimento de queda frente ao real das duas últimas sessões e registrou nova baixa nesta sexta-feira de pouca movimentação no mercado de câmbio. A moeda norte-americana fechou cotada a R$ 2,3527 para compra e a R$ 2,3534 para venda, registrando uma oscilação de -0,8131 em relação ao pregão da véspera.

Pela manhã, o Banco Central (BC) interviu mais uma vez no mercado, incitando uma nova baixa na moeda. A instituição vendeu 4 mil swaps cambiais tradicionais com vencimento em 1º de agosto e 1º de dezembro deste ano. Além disso, faz mais um leilão de rolagem dos contratos com vencimento em 5 de março, com oferta de até 10,5 mil swaps. Até agora, o BC já rolou cerca de 77% do lote para o próximo mês, que equivalem a US$ 7,378 bilhões.

 

Mercado Bovespa

 

Após um dia de grande volatilidade, o Índice Bovespa fechou em alta pelo terceiro pregão consecutivo, impulsionado pela meta fiscal anunciada pelo governo na véspera e pela divulgação de bons balanços financeiros de algumas empresas que participam da composição do índice.

Após abrir estável e chegar a cair ainda pela manhã, o Ibovespa passou a acompanhar a movimentação do Índice Dow Jones após a abertura das bolsas de valores de Nova Iorque. O principal índice de ações do Brasil fechou a sexta-feira em alta de 0,19%, cotado a 47.380 pontos. Na semana, no entanto, o índice acumulou uma queda acumulada de 1,7%. Na parcial de fevereiro, as perdas são ainda maiores (-2,45%). Enquanto que no acumulado do ano, as perdas do Ibovespa já acumulam -9,96%.

Deixe um comentário