Confira os Indicadores Econômicos desta quarta-feira (12/05/2021) - Inflação EUA, Fluxo Cambial, PIB…

LinkedIn

Confira os principais indicadores econômicos de hoje, em destaque a inflação nos Estados Unidos acelerou em seu ritmo mais rápido em mais de 12 anos em abril, com a recuperação econômica acelerando e os preços da energia subindo.

Brasil

  • Volume de serviços no Brasil caiu 4,0% frente ao mês anterior

Em março de 2021, o volume de serviços caiu 4,0% frente ao mês anterior, na série com ajuste sazonal. Na série sem ajuste sazonal, frente a igual mês de 2020, o volume de serviços avançou 4,5%, após doze taxas negativas seguidas nesta comparação.

No acumulado do ano, o volume de serviços recuou 0,8% frente a igual período de 2020, quinta queda consecutiva nas comparações trimestrais. A taxa acumulada nos últimos 12 meses, ao passar de -8,6% em fevereiro para -8,0% em março de 2021, interrompeu a trajetória descendente iniciada em janeiro do ano passado (1,0%).

O recuo de 4,0% do volume de serviços, de fevereiro para março de 2021, foi acompanhado por três das cinco atividades investigadas, com destaque para serviços prestados às famílias (-27,0%), com sua queda mais intensa desde abril de 2021 (-45,6%).

Os demais resultados negativos vieram de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-1,9%) e de profissionais, administrativos e complementares (-1,4%), com o primeiro setor devolvendo parte do ganho acumulado de 7,4% nos dois primeiros meses de 2021; e o segundo eliminando pequena fração da expansão de 9,6% assinalada entre outubro de 2020 e fevereiro último.

  • Fluxo cambial brasileiro ficou negativo em US$ 1,517 bilhão até o dia 07 de maio

O saldo entre a entrada e a saída de dólares no País ficou negativo em US$ 1,517 bilhão em maio até o dia 07, resultado déficit comercial de US$ 394 milhões e de fluxo financeiro negativo em US$ 1,124 bilhão, segundo dados divulgados pelo Banco Central (BC).

O saldo da balança comercial corresponde a exportações de US$ 3,834 bilhões e a importações de US$ 4,228 bilhões. O saldo do fluxo financeiro é resultado de US$ 8,530 bilhões em compras e de US$ 9,654 bilhões em vendas na moeda estrangeira.

No ano o fluxo cambial é positivo em US$ 11,196, oposto ao déficit de US$ 12,292 bilhões observado no mesmo período do ano passado.

Estados Unidos

  • Inflação nos Estados Unidos acelerou em seu ritmo mais rápido em mais de 12 anos em abril

A inflação nos Estados Unidos acelerou em seu ritmo mais rápido em mais de 12 anos em abril, com a recuperação econômica acelerando e os preços da energia subindo, informou o Departamento do Trabalho nesta quarta-feira.

O Índice de Preços ao Consumidor, que mede uma cesta de bens e também custos de energia e habitação, subiu 4,2% em relação ao ano anterior, em comparação com a estimativa do Dow Jones de um aumento de 3,6%. O ganho mensal foi de 0,8%, contra 0,2% esperado.

Excluindo os preços voláteis de alimentos e energia, o núcleo do CPI aumentou 3% em relação ao mesmo período em 2020 e 0,9% em uma base mensal. As respectivas estimativas foram de 2,3% e 0,3%. O aumento na taxa de CPI principal foi o mais rápido desde setembro de 2008.

  • Estoques de petróleo dos EUA caem 426 mil barris na semana, revela DoE

Os estoques de petróleo nos Estados Unidos recuaram 426 mil barris, a 484,691 milhões de barris, na semana passada, informou o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) do país. Analistas ouvidos pelo The Wall Street Journal previam queda de 2,2 milhões de barris.

Os estoques de gasolina aumentaram 378 mil barris, a 236,189 milhões de barris, contrariando a projeção de analistas de queda de 600 mil barris. Os estoques de destilados tiveram baixa de 1,734 milhão de barris, a 134,419 milhões de barris, ante expectativa de redução de 1,2 milhão de barris.

A taxa de utilização das refinarias recuou de 86,5% para 86,1% na última leitura, ante expectativa de alta a 86,9% dos analistas. Já os estoques de petróleo em Cushing caíram 421 mil barris, a 45,905 milhões de barris, informou o DoE.

  • Tesouro dos EUA teve um déficit nominal de US$ 225,579 bilhões em abril

O Tesouro dos Estados Unidos teve um déficit nominal de US$ 225,579 bilhões em abril, segundo dados do governo. Em março, houve saldo negativo de US$ 659,603 bilhões, enquanto em abril de 2020 houve déficit de US$ 738,022 bilhões.

As receitas de abril totalizaram US$ 439,186 bilhões, enquanto os gastos foram de US$ 664,766 bilhões. No ano fiscal até abril de 2021, o déficit soma US$ 1,931 trilhão.

Reino Unido

  • Déficit comercial do Reino Unido somou 1,966 bilhão de libras em março

O déficit comercial do Reino Unido somou 1,966 bilhão de libras em março, de acordo com dados divulgados pelo escritório de estatísticas britânico, após saldo negativo de 856 milhões de libras em fevereiro.

As exportações somaram 48,147 bilhões de libras em fevereiro, alta de 5,8% ante fevereiro, enquanto as importações subiram 8,0% na mesma base de comparação, para 50,113 bilhões de libras.

“O momento previamente anunciados da saída do Reino Unido da União Europeia (UE) e o período de transição subsequente, juntamente com o impacto da pandemia do novo coronavírus (covid-19), causaram níveis mais altos de volatilidade nas estatísticas de comércio nos últimos dois anos”, diz o escritório.

  • Economia britânica atingida pela pandemia cresceu mais do que o esperado em março

A economia britânica atingida pela pandemia cresceu mais fortemente do que o esperado em março, à medida que ganhava velocidade para se recuperar de sua queda por coronavírus em 2020, dados oficiais mostraram na quarta-feira.

O crescimento de 2,1% em relação a fevereiro foi liderado pela reabertura de escolas que, juntamente com os testes e vacinações do COVID-19, impulsionou a atividade no setor público e no varejo, uma vez que os consumidores gastaram parte de suas economias de bloqueio.

Houve também uma explosão de trabalho no setor de construção antes do término de uma redução de impostos para os compradores de residências.

Zona do Euro

  • Produção industrial na zona do euro subiu 0,1% em março

A produção industrial na zona do euro subiu 0,1% em março na comparação com fevereiro e 10,9% em relação a março de 2020. Os dados foram divulgados pela agência de estatísticas Eurostat.

Em fevereiro, a produção industrial havia recuado 1,2% em base mensal e 1,8% em base anual. Para o grupo dos 27 países que compõem a União Europeia, a produção industrial subiu 0,6% em março ante fevereiro e 11,0% em relação a março de 2020.

  • União Europeia melhora previsões para crescimento do PIB em 2021 e 2022

A Comissão Europeia elevou as principais projeções econômicas em seu relatório da Primavera divulgado nesta quarta-feira, 12, em meio a renovadas expectativas pela forte recuperação da economia da União Europeia (UE), à medida que a vacinação contra o coronavírus avança e permite o relaxamento de restrições à mobilidade em vários países.

Após tombo de 6,6% em 2020, o órgão prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro crescerá 4,3% em 2021 e 4,4% em 2022. Na atualização anterior, a expectativa era por expansão de 3,8% em cada um dos dois anos. Para a UE como um todo, a projeção é de que o PIB avance 4,2% este ano e 4,4% no próximo.

A Comissão também elevou a estimativa para a alta da inflação ao consumidor na região da moeda comum em 2021, de 1,4% a 1,7%, e manteve a de 2022 em 1,3%. A taxa de desemprego, por sua vez, deve subir a 8,4% este ano e cair a 7,8% em 2022, enquanto a dívida ficará em 102,4% do PIB no exercício atual e 100,8% no seguinte, de acordo com o documento.

Alemanha

  • Índice de preços ao consumidor da Alemanha subiu 2,0% em abril

índice de preços ao consumidor da Alemanha subiu 2,0% em abril na comparação com o mesmo mês do ano anterior, após a alta de 1,7% em março, de acordo com dados revisados divulgados pelo Escritório Federal de Estatísticas (Destatis).

Na comparação entre abril março, o índice subiu 0,7%. A leitura preliminar mostrava dados idênticos. Os preços de energia avançaram 7,9% em abril em base anual, após a alta de 4,8% em março, confirmando a versão anterior. Os preços de alimentos subiram 1,9%, depois da alta de 1,6% no mês anterior.

Os preços dos bens subiram 2,6% em abril, em base anual, depois da alta de 1,9% em março. Enquanto isso, os preços dos serviços avançaram 1,6%, mesma alta do mês anterior.

Deixe um comentário