Lucro do Wells Fargo supera estimativas no 2T21; Receita cresce 10% em relação ao ano anterior

LinkedIn

O Wells Fargo (NYSE:WFC) divulgou na quarta-feira (14) os resultados de ganhos e receitas do segundo trimestre que superaram as expectativas de Wall Street, uma vez que continuou a liberar fundos que reservou durante a pandemia de Covid-19 para se proteger contra perdas generalizadas de empréstimos.

As ações subiam 1,7% no início da tarde de quarta-feira.

O Wells Fargo subiu 43,2% este ano, enquanto os concorrentes Bank of America e JPMorgan Chase subiram 31,5% e 22,4%, respectivamente. O S&P 500 subiu 16,3% no mesmo período.

O Wells Fargo também é negociado na B3 através da BDR (BOV:WFCO34). As ações WFCO34 caíram -0,2% até o momento na quarta-feira sendo negociadas a um último preço de R$ 56,00.

Gráfico candle 6 meses (diário) da WFCO34 - br.advfn.com

Gráfico candle 6 meses (diário) da WFCO34 – br.advfn.com

Esta é a comparação do segundo trimestre com as estimativas de Wall Street:

  • Lucro por ação: US$ 1,38 em lucro por ação contra US$ 0,97 centavos por ação esperados, de acordo com a Refinitiv, uma reversão acentuada do prejuízo sofrido no segundo trimestre de 2020.
  • Receita: US$ 20,27 bilhões contra US$ 17,77 bilhões esperados, por estimativas da Refinitiv, refletindo um aumento de 10% em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior.

Os resultados do Wells Fargo foram impulsionados por uma liberação de US$ 1,6 bilhão de suas reservas para perdas de crédito, já que os consumidores têm um desempenho melhor do que o banco antecipou em meio à recessão pandêmica. As empresas financeiras começaram a liberar essas reservas à medida que a recuperação se acelerou em 2021, aumentando os lucros como resultado.

Wells também relatou uma margem de juros líquida – uma medida de quanto um banco ganha com a diferença entre o que paga em depósitos e o que recebe em empréstimos – de 2,02% no trimestre. Os analistas esperavam 2,05%, de acordo com a FactSet. As taxas de juros persistentemente baixas continuaram a pesar sobre essa parte dos negócios bancários.

O CEO Charlie Scharf disse em um comunicado à imprensa que a demanda por empréstimos do banco permanece um tanto abafada, apesar da recuperação econômica.

“O Wells Fargo se beneficiou da recuperação econômica contínua, dos mercados fortes que ajudaram a impulsionar os ganhos em nossos negócios de capital de risco afiliados e do nosso progresso na melhoria da eficiência, mas os ventos contrários das baixas taxas de juros e da demanda por empréstimos morna permaneceram”, disse Scharf no comunicado de resultados . “Nossa principal prioridade continua a ser a construção de uma infraestrutura de risco e controle apropriada para uma empresa do nosso tamanho e complexidade e continuamos a investir em recursos adicionais e a dedicar atenção administrativa significativa a esse trabalho”.

Scharf, que assumiu no final de 2019, está focado em melhorar os custos e a imagem pública de sua empresa depois que um escândalo de contas falsas em 2016 gerou o escrutínio de legisladores federais e levou a várias demissões do alto escalão da empresa.

Em resposta, o Federal Reserve limitou o crescimento dos ativos do banco e obrigou o novo executivo do banco a se concentrar nas despesas.

O banco reportou um índice de eficiência de 66% em comparação com a estimativa da FactSet de 76,1%, indicando que suas despesas operacionais em proporção às suas receitas melhoraram de 80% no trimestre de junho de 2020.

A atualização financeira do credor com sede em San Francisco veio quase uma semana depois que anunciou que está fechando todas as linhas de crédito pessoais existentes nas próximas semanas e parou de oferecer o produto. Saiba Mais…

As linhas de crédito do Wells Fargo permitiram aos clientes tomar emprestado de US$ 3.000 a US$ 100.000. O banco faturou as linhas como um meio de consolidar dívidas de cartão de crédito com juros mais altos, pagar reformas de casas ou evitar taxas de cheque especial em contas correntes vinculadas.

Wells disse em uma carta aos clientes que a mudança permitirá que ela se concentre em cartões de crédito e empréstimos pessoais.

Embora a mudança tenha irritado alguns clientes, a Wells está retornando em 2021 em meio a uma reviravolta econômica nos Estados Unidos graças à retomada da atividade comercial normal.

A melhoria do mercado de trabalho e a aceleração dos gastos de capital graças ao lançamento da vacina de Covid-19 ajudaram a melhorar o patrimônio dos bancos no mercado de ações mais amplo desde janeiro.

Dos seis maiores bancos dos EUA, o Wells tem as menores divisões de banco comercial e de investimento, áreas que cresceram nos últimos meses graças a uma enxurrada de ofertas públicas iniciais e política monetária fácil.

Fontes: CNBC, FX empire, FX Street, Wall Street, Reuters

Deixe um comentário