Evolução do IBC-Br em 2015

Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) encerrou 2015 em 136,20 pontos, o que representa uma queda anual de 6,89 por cento, de acordo com dados dessazonalizados. Na comparação com o mês anterior, a prévia do PIB registrou queda de 0,10%.

Já na série observada, série sem ajustes sazonais, o índice atingiu 136,22 pontos. Houve avanço de 0,16% na comparação com novembro. Porém, na comparação com dezembro de 2014, houve forte queda de 6,37%.

 

IBC-Br Observado em 2015 

MÊS Índice Base (Pontos) Variação Mensal (%) Variação Anual (%)
JAN 138,93 -4,5023 -2,6555
FEV 136,64 -1,6483 -4,8004
MAR 149,78 9,6165 0,5033
ABR 142,42 -4,9139 -3,5683
MAI 139,95 -1,7343 -4,8865
JUN 138,89 -0,7574 -1,4125
JUL 143,45 3,2832 -4,2709
AGO 141,00 -1,7079 -4,9032
SET 138,43 -1,8227 -6,5420
OUT 140,32 1,3653 -6,2659
NOV 136,00 -3,0787 -6,1551
DEZ 136,22 0,1618 -6,3651

 

IBC-Br Dessacionalizado em 2015

MÊS Índice Base (Pontos) Variação Mensal (%) Variação Anual (%)
JAN 145,03 -0,8545 -2,1984
FEV 144,34 -0,4758 -2,3278
MAR 143,93 -0,2841 -2,6711
ABR 142,41 -1,0561 -3,1488
MAI 141,11 -0,9129 -3,6200
JUN 139,91 -0,8504 -2,7592
JUL 138,83 -0,7719 -4,2882
AGO 138,94 0,0792 -4,6920
SET 137,75 -0,8565 -5,6959
OUT 138,39 0,4646 -4,3541
NOV 136,33 -1,4885 -6,2960
DEZ 136,20 -0,0954 -6,8909

 

Índice de Atividade Econômica

Índice de Atividade Econômica do Banco Central do Brasil (IBC-Br) é um indicador criado para tentar antecipar o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do país, constituindo-se em um parâmetro preliminar da evolução da atividade econômica brasileira. O cálculo do IBC-Br também auxilia a autoridade monetária a definir a meta da taxa básica de juros da economia, a Taxa Selic.

Este indicador econômico incorpora estimativas de crescimento para os setores agropecuário, industrial e de serviços, acrescidas dos impostos sobre produtos, que são estimados a partir da evolução da oferta total (produção + importações). Antes divulgado segmentado por estados e por regiões, o IBC-Br é, atualmente, calculado nacionalmente.

 

Últimas notícias sobre o IBC-Br

No Articles Found

IBC-Br em Janeiro de 2015

A economia brasileira iniciou 2015 tal como encerrou 2014: andando para trás. Pelo menos é o que sinaliza o Índice de Atividade Econômica do Banco Central do Brasil (IBC-Br), que registrou variação de -0,11% no primeiro mês do ano em relação ao último mês do ano anterior. Essa comparação mensal foi realizada após ajustes sazonais.

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o IBC-Br escancara mais ainda a contração da economia do país: queda de 1,34%. No acumulado dos últimos doze meses, o indicador registrou contração de 0,39%.

– IBC-Br registra variação mensal negativa de 0,11% no primeiro mês de 2015 

 

IBC-Br em Fevereiro de 2015 

Depois de retrair 0,11% em janeiro de 2015, o Banco Central (BC) indica que o país voltou a crescer em fevereiro, após seu Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) registrar expansão de 0,36% ante o primeiro mês do ano. Apesar da melhora entre um mês e outro, a previsão da autoridade monetária para o crescimento econômico do país até o final do ano ainda é de retração de 0,50%, como consta no último Relatório Trimestral de Inflação divulgado pela autoridade financeira.

Na comparação com o mesmo período do ano anterior, o indicador obteve perdas de 0,86%. Sem a realização de ajustes sazonais sobre os valores do indicador, a variação do IBC-Br entre fevereiro de 2015 e fevereiro de 2015 chega a 3,16%. Nos últimos 12 meses, por sua vez, a economia apresentou perdas 0,60%, no período dessazonalizado e 0,97% sem o ajuste.

– IBC-Br se recupera em fevereiro de 2015, subindo 0,36% em relação ao mês anterior

 

IBC-Br em Março de 2015 

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) fechou o mês de março com baixa de 1,07% ante fevereiro, com ajuste sazonal. O indicador de fevereiro também foi revisado para 0,59%, também na margem com ajuste. O indicador passou de 146,05 pontos (dado revisado) em fevereiro na série dessazonalizada para 144,48 pontos em março. Na série observada, é possível identificar uma queda de 1,26% nos 12 meses encerrados em março. 

Na comparação entre os meses de março de 2015 e 2014, houve expansão de 0,54% também na série sem ajustes sazonais. Na série observada, março encerrou com o IBC-Br em 149,59 pontos ante 137,87 pontos de fevereiro.

– IBC-Br volta a cair em Março de 2015, fechando com baixa de 1,07% em relação ao mês anterior

 

IBC-Br em Abril de 2015 

A taxa de crescimento da economia brasileira registrou retração de 0,84% em abril ante março, segundo o Banco Central (BC). O indicador de atividade do BC (IBC-Br), previa do Produto Interno Bruto (PIB), demonstra que a recessão brasileira vem se aprofundando. 

No acumulado dos quatro primeiros meses de 2015, o IBC-Br registra retração de 2,48%. Já nos últimos doze meses, a retração acumulada é de 1,38%. Caso tal padrão de queda seja mantido, o Brasil fechará o segundo trimestre do ano com a pior retração trimestral desde o início da série histórica do indicador. A previsão atual é de que o Produto Interno Bruto (PIB) do país feche o segundo trimestre de 2015 com queda de 1,50%.

– IBC-Br volta a cair, fechando Abril de 2015 com variação mensal de -0,84%

– PIB: Banco Central estima que economia brasileira iniciou o segundo trimestre de 2015 com nova retração

– PIB: Economia brasileira fecha Abril de 2015 com queda de 1,38% acumulada nos últimos doze meses

– Será que a Taxa Selic continuará subindo mesmo após a economia brasileira ter registrado nova retração em Abril de 2015?

 

IBC-Br em Maio de 2015 

A taxa de crescimento da economia brasileira registrou leve expansão de 0,03% em maio ante abril, segundo o Banco Central (BC). O indicador de atividade do BC (IBC-Br), previa do Produto Interno Bruto (PIB), demonstra que a recessão brasileira vem se aprofundando. 

No acumulado dos cinco primeiros meses de 2015, entretanto, o IBC-Br registra retração de 2,64%. Já nos últimos doze meses, a retração acumulada é de 1,68%. Caso tal padrão de queda seja mantido, o Brasil fechará o segundo trimestre do ano com a pior retração trimestral desde o início da série histórica do indicador. A previsão atual é de que o Produto Interno Bruto (PIB) do país feche o segundo trimestre de 2015 com queda de 1,50%.

– IBC-Br volta a subir, fechando Maio de 2015 com variação mensal de 0,03%

– Será que a Taxa Selic continuará subindo mesmo após a economia brasileira ter registrado leve expansão em Maio de 2015?

– PIB: Economia brasileira fecha Maio de 2015 com queda de 1,68% acumulada nos últimos doze meses

– PIB: Banco Central estima que economia brasileira fechou o quinto mês de 2015 com leve expansão

  

IBC-Br em Junho de 2015 

Segundo o Banco Central (BC), a taxa de crescimento da economia brasileira voltou a apresentar retração (-0,58) em junho de 2015 na comparação com o mês anterior, quando registrou leve alta de 0,06% (valor revisado). O indicador de atividade do BC (IBC-Br), previa do Produto Interno Bruto (PIB), demonstra que a recessão brasileira vem se aprofundando. 

No acumulado dos seis primeiros meses de 2015, o IBC-Br registra retração de 2,58%. Já nos últimos doze meses, a retração acumulada é de 1,64%. Essa também é a pior retração trimestral desde o início da série histórica do indicador. A previsão inicial era de que o Produto Interno Bruto (PIB) do país fechasse o segundo trimestre de 2015 com um queda de 1,50%.

– IBC-Br volta a cair, fechando Junho de 2015 com variação mensal de 0,58%

 Será que a Taxa Selic continuará subindo após a economia brasileira ter registrado nova retração em Junho de 2015?

– PIB: Economia brasileira fecha Junho de 2015 com queda de 1,64% acumulada nos últimos doze meses

– PIB: Banco Central estima que economia brasileira fechou o sexto mês de 2015 com nova retração 

  

IBC-Br em Julho de 2015 

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) caiu 0,02% em julho, na comparação com o mês anterior. A comparação é feita já descontando as diferenças sazonais entre os meses de junho e julho. Na comparação com julho de 2014, o IBC-Br caiu 4,25%. Do começo do ano até julho, o indicador acumula queda de 2,74% e mostra perda de 1,89% em 12 meses, em números dessazonalizados.

A economia brasileira já havia encolhido 1,89% no segundo trimestre. Foi o segundo trimestre seguido de recuo. No primeiro trimestre deste ano, o indicador IBC-Br havia mostrado perda de 0,88%. Considerando o dado oficial de inflação, divulgado pelo IBGE houve queda de 1,9% no segundo trimestre e de 0,2% no primeiro. Dois trimestres consecutivos de encolhimento da economia indicam que o país está em recessão técnica. Já havia ocorrido recessão técnica no ano passado, com resultados negativos do PIB no primeiro e no segundo trimestres.

– Banco Central: Economia brasileira contrai novamente em Julho de 2015

 PIB: Economia brasileira fecha Julho de 2015 com queda de 1,89% acumulada nos últimos doze meses

– Será que a Taxa Selic continuará elevada após a economia brasileira ter registrado nova retração em Julho de 2015?

– IBC-Br volta a cair, fechando Julho de 2015 com variação mensal de 0,02%

  

IBC-Br em Agosto de 2015 

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) apresentou variação mensal negativa de 0,76% em agosto. Essa foi a terceira baixa consecutiva do indicador na série com ajuste sazonal. Em julho, o IBC-Br havia recuado 0,01%. Já em junho, o recuo apurado tinha sido de 0,85%.
 
O indicador passou de 141,08 pontos (dado revisado) em julho, na série dessazonalizada, para 140,01 pontos em agosto. Na série observada, é possível identificar um recuo de 2,16% nos 12 meses encerrados em agosto. No acumulado deste ano até o oitavo mês do ano, a retração acumulada já está em 2,99%.
 
Na comparação entre os meses de agosto de 2015 e de 2014, houve diminuição de 4,47% também na série sem ajustes sazonais. Na série observada, agosto encerrou com o IBC-Br em 142,91 pontos ante 145,82 pontos de julho (dado revisado).
 
No Relatório Trimestral de Inflação de setembro, o Banco Central revisou sua previsão de queda para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2015 de -1,1% para -2,70%. No Relatório de Mercado Focus divulgado no dia 12 de Outubro, a mediana das expectativas para o PIB estava negativa em 2,97% para este ano.
 

 Será que a Taxa Selic continuará elevada após a economia brasileira ter registrado nova retração em Agosto de 2015?

– PIB: IBC-Br volta a cair, fechando Agosto de 2015 com variação mensal de -0,76%

 

IBC-Br em Setembro de 2015 

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) apresentou variação mensal negativa de 0,50% em setembro. Essa foi a quarta baixa consecutiva do indicador na série com ajuste sazonal. Em agosto, o IBC-Br havia recuado 0,76%. Já em junho e julho, os recuos apurados foram de 0,92% e 0,12%, respectivamente.
 
O indicador passou de 139,82 pontos (dado revisado) em agosto, na série dessazonalizada, para 139,12 pontos em setembro. Na série observada, é possível identificar um recuo de 2,76% nos 12 meses encerrados em setembro. No acumulado deste ano até o nono mês do ano, a retração acumulada já está em 2,76%.
 
Na comparação entre os meses de setembro de 2015 e de 2014, houve diminuição de 6,18% também na série sem ajustes sazonais. Na série observada, setembro encerrou com o IBC-Br em 140,37 pontos ante 142,91 pontos de agosto (dado revisado).
 

 

IBC-Br em Outubro de 2015 

O Brasil iniciou o quarto trimestre de 2015 com contração de sua atividade econômica, acelerando o ritmo de perdas em relação ao mês anterior e ampliando cada vez mais o cenário de recessão e a dificuldade de recuperação agravado por intensa crise política.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), recuou 0,63 por cento em outubro, marcando o oitavo mês seguido de perdas.

A contínua fraqueza da economia reflete desempenhos pífios de vários setores da atividade, bem como inflação e juros altos, aumento do desemprego e contas públicas em desordem, o que vem minando a confiança de consumidores e empresários. Em outubro, a produção industrial brasileira registrou perdas generalizadas e caiu 0,7 por cento sobre setembro, a quinta leitura mensal negativa. Por outro lado, o varejo em outubro avançou 0,6 por cento, mas esse foi apenas o primeiro resultado positivo desde janeiro e foi considerado pontual, não uma mudança de tendência.

O Banco Central (BC) ainda apontou que o IBC-Br recuou 6,19 por cento em outubro sobre um ano antes, acumulando queda de 3,66 por cento no ano e de 3,16 por cento em 12 meses, sempre em números dessazonalizados.

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil encolheu 1,7 por cento no terceiro trimestre contra o período imediatamente anterior, no terceiro trimestre seguido de contração, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

– Atividade econômica cai 0,63% em outubro

 

IBC-Br em Novembro de 2015 

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) recuou 0,52% em novembro na comparação com outubro, segundo apontou o Banco Central (BC). Na comparação interanual, o indicador apresentou retração de 6,14%. A variação no acumulado em 12 meses recuou 3,53% em novembro, ante queda de 3,15% no mês anterior. No ano, a contração acumulada é de 3,85%.

– Atividade econômica tem queda de 0,52% em novembro

 

IBC-Br em Dezembro de 2015

A economia brasileira encerrou 2015 em forte recessão. O Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) registrou uma retração de 4,08% no acumulado dos doze meses do ano. Esse valor percentual refere-se à aferição sem qualquer ajuste sazonal, ou seja, considerando períodos iguais (ano contra ano), o que é avaliado como mais apropriado pelos economistas. Executando os ajustes sazonais (índice dessazonalizado), a economia brasileira encerrou 2015 com uma contração de 4,11%.

No último mês do ano, o indicador recuou 0,52% na comparação com novembrp. Comparando com dezembro de 2014, o IBC-Br apresentou retração de 6,53%.

 

Revisão do IBC-Br 

Mensalmente, o Banco Central (BC) realiza revisões do IBC-Br. Desde que passou a incorporar novos dados do IBGE, no entanto, a partir do dado referente a março de 2015, as mudanças têm sido mais drásticas.

No Relatório Trimestral de Inflação de março de 2015, o BC já havia destacado que, em função da migração das contas nacionais brasileiras para o Sistema de Contas Nacionais 2010 (SCN 2010), o IBC-Br deveria experimentar revisões na série histórica ao longo dos meses seguintes. Isso porque o BC passou a refletir a incorporação das mudanças metodológicas e as novas informações disponibilizadas pelo Instituto.

Páginas Relacionadas

Seu Histórico Recente
BOV
VALE5
Vale PNA
BOV
IBOV
iBovespa
BOV
PETR4
Petrobras
BOV
IGBR3
IGB SA
FX
USDBRL
Dólar EUA ..
Ações já vistas aparecerão nesta caixa, facilitando a volta para cotações pesquisadas anteriormente.

Registre-se agora para criar sua própria lista de ações customizada.

Ao acessar os serviços da ADVFN você estará de acordo com os Termos e Condições

P: V:br D:20190617 09:33:11